quinta-feira, 23 de março de 2017

PRESO MAIS UM ENVOLVIDO NO ASSASSINATO DA JOVEM MAYARA MARTINS EM ANANINDEUA

Clevyson Erick Sousa da Silva, 22 anos, conhecido por Erick, acusado de envolvimento no assassinato da jovem Mayara da Silva Martins, 19 anos, foi preso, na tarde desta quinta-feira, 23, no bairro de Águas Lindas, em Ananindeua, região metropolitana de Belém. Ele foi localizado por policiais militares que o conduziram para a Seccional Urbana da Cidade Nova, em Ananindeua, onde está recolhido à disposição da Justiça. Com a prisão dele, a Polícia Civil contabiliza sete pessoas presas por participação no crime de um total de 14 envolvidos. O corpo da vítima foi encontrado, em 15 de julho do ano passado, em Águas Lindas. 

DIVISÃO DE HOMICÍDIOS INVESTIGA CRIME
A vítima foi sequestrada e levada para as matas do parque ambiental do Utinga, onde foi torturada e morta a tiros. A tortura e a execução de Mayara foram filmadas com um celular por um dos bandidos e as imagens do crime foram compartilhadas nas redes sociais na época. Clevyson tem mandado de prisão preventiva decretado em outubro do ano passado pela juíza Cristina Collyer, da Vara do Tribunal de Júri da Comarca de Ananindeua. O inquérito sobre o caso foi instaurado pelo delegado Eduardo Rollo, da Divisão de Homicídios. 

Segundo o delegado Marco Antonio Duarte, titular da Superintendência da Polícia Civil na Região Metropolitana, a prisão de Clevyson Erick era questão de tempo. Ele explica que os policiais do bairro de Águas Lindas já estavam à procura do criminoso, que foi localizado na área do residencial Verdejantes, onde mora. Após a apresentação na Seccional da Cidade Nova, o delegado Duarte solicitou ao delegado Roberto Gomes, titular da Delegacia do Julia Seffer, para enviar cópia do mandado de prisão preventiva. O preso foi recolhido na Central de Triagem da Cidade Nova, para responder pelo crime. 

CLEVYSON ERICK
Segundo a Divisão de Homicídios, um dos mandantes do crime - Márcio Guilherme Prado Lima Filho, 23, de apelido Bugalu - foi preso em fevereiro deste ano. Ele foi o sexto envolvido no crime a ser preso durante as investigações. Do total de 14 envolvidos no assassinato, um acusado já morreu. Dos demais envolvidos, dois são adolescentes. Os outros 11 envolvidos são adultos. Todos com mandados de prisão decretados pela Justiça. Sete agora estão presos e outros quatro continuam foragidos. 

As investigações mostraram que Mayara foi morta a mando de Bugalu e José Adriano Gomes Santos, 26, conhecido por Adriano Gordo, que, na época do crime, estavam presos. Atualmente, Adriano Gordo está recolhido no presídio de Catanduvas, no Paraná, por determinação da Justiça. A vítima foi morta por ter sido apontada como informante de policiais militares que prenderam em flagrante, dias antes, por tráfico de drogas, Mayara Madalena Prado Silveira, 21, prima de Bugalu e dona de um ponto de venda de drogas, em Águas Lindas. Outra pessoa envolvida no crime é a irmã da vítima, Tayná de Jesus Martins de Lima, 20, e uma amiga da vítima, menor de idade. As duas, sob alegação de que iriam consumir drogas, perto das matas do parque do Utinga, levaram a vítima até o encontro dos algozes. Ao chegar nesse local, a vítima foi surpreendida pelos criminosos que a obrigaram a entrar na mata e ali passaram a torturá-la até que a mataram com vários disparos. 

Além de Bugalu; Tayná, irmã da vítima; Mayara Madalena, prima de Bugalu, e Adriano Gordo, estão presos também Alef Cunha Mininea, 19 anos, também conhecido por Alace ou Walace, e Lidean da Silva Borges, 25, de apelido Fred. Estão foragidos Ewerton Correa Maués, 25, de apelido Churrasco; Alessandro do Nascimento Araújo, 22, conhecido por Sandro; Wagner Martins Gomes, 21, de apelido Peste, e Leonardo Martins da Rocha, 22, de apelido Beca.