quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

JUSTIÇA DECRETA PRISÃO PREVENTIVA DE EX-POLICIAL MILITAR ACUSADO DE HOMICÍDIO EM OUTEIRO

A Justiça decretou a prisão preventiva, nesta quarta-feira, 22, do ex-policial militar Gerson Vitoriano de Oliveira, de 46 anos, preso no último dia 1º, em decorrência de investigações realizadas pela equipe da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Ele é acusado de assassinar Carlos Gomes da Silva, 24 anos, em 28 de novembro de 2016, na praia do Amor, ilha de Caratateua (Outeiro), em Belém. Gerson Vitoriano está recolhido à disposição da Justiça no presídio Coronel Anastácio das Neves, no Complexo Penitenciário de Santa Isabel do Pará. Ao ser preso, no dia 1º, ele estava com mandado de prisão temporária expedido pela Justiça e que, agora, foi convertido para prisão preventiva.

Material apreendido com acusado
MATERIAL APREENDIDO COM ACUSADO
O ex-policial militar responde a seis processos criminais na Justiça, dos quais cinco por homicídio e um por concussão (extorsão praticada por servidor público). Ele é apontado como um dos principais responsáveis por execuções nos distritos de Outeiro e Icoaraci, em Belém. O inquérito que resultou inicialmente na decretação de mandado de prisão temporária de Gerson Vitoriano é presidido pelo delegado Guilherme Macedo. Segundo o policial civil, após a prisão do acusado, no último dia 1º, mais seis denúncias de outros crimes praticados pelo ex-policial militar foram recebidas pela Divisão de Homicídios e outros dois inquéritos policiais foram instaurados para apurar os crimes. 

Vitoriano, como é mais conhecido, foi preso em sua casa, em Outeiro, em operação comandada pelos delegados Guilherme Macedo e Eduardo Rollo, da DH. Ao ser preso, no dia 1º, ele foi flagrado com mais de 200 estojos de munição de pistola calibre ponto40 e revólver 38; um revólver calibre 38 com duas munições; um par de algemas; um colete à prova de balas e seis placas de veículos diferentes, das quais, quatro de carros e uma de moto, além de uma carteira de identidade funcional da Polícia Militar do Pará. Vitoriano foi expulso da PM do Pará após conclusão de processo administrativo por ter assassinado a tiros um preso que estava algemado. 

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA TRIPLO HOMICÍDIO EM BRAGANÇA

A Polícia Civil já investiga as mortes de três pessoas que foram assassinadas e tiveram os corpos carbonizados dentro de um carro, na madrugada desta quarta-feira, 22, na zona rural de Bragança, nordeste paraense. A equipe policial da Unidade Integrada Propaz (UIPP) do município investiga se as mortes têm relação com outro homicídio ocorrido poucas horas antes, cuja vítima era primo de uma das três vítimas. O caso está sendo tratado como triplo homicídio com características de execução. Segundo o delegado Marcelo Mendes, as três vítimas já foram identificadas. Wesley Santos da Luz, 29 anos, dono do carro; Alinna Sayure de Jesus Pereira, namorada de Wesley, e Mário Massias Pires Neto. Os três são residentes em Bragança. 

CARRO É PERICIADO
Pessoas que passavam em tráfego por uma estrada rural, em Bragança, encontraram o carro pegando fogo no local, por volta de 5 horas. O Corpo de Bombeiros foi acionado e apagou as chamas. Foi então que os corpos foram vistos dentro do veículo. Após isso, as Polícias Civil e Militar estiveram no local. Uma equipe de peritos criminais fez o levantamento pericial de local de crime e a remoção dos corpos. 

Para o delegado, existem sinais de execução, uma vez que há suspeitas de que as vítimas foram mortas a tiros antes de serem queimadas no carro. "Só no final das perícias isso será respondido com certeza", salienta o delegado. Segundo ele, a linha de investigação do triplo homicídio é uma possível relação com a morte de Alexsandro do Rosário de Quadros, que foi morto ao tentar roubar a arma de um vigilante noturno, durante a madrugada de hoje, em Bragança, horas antes do carro com os corpos ser encontrado na estrada. Alexsandro era primo de Mário Massias, uma das três vítimas. 

Wesley Santos da Luz já tinha duas passagens pela Polícia Civil em Bragança. Em 2015, ele foi preso em flagrante por crime de receptação de roubo e, em 2016, ele foi preso também em flagrante por crime de roubo. Mário Massias teve o corpo reconhecido por meio de tatuagens no peito. Alinna foi identificada por familiares que reconheceram as roupas e as sandálias da vítima.

OPERAÇÃO CARNAVAL VAI REFORÇAR POLICIAMENTO NA CAPITAL E INTERIOR DO PARÁ DURANTE O FERIADO PROLONGADO

Em reunião que mobilizou diversos órgãos na esfera federal, estadual e municipal, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) divulgou, na manhã desta quarta-feira (22), como vai funcionar o trabalho da Operação Carnaval 2017. Durante o período de 24 de fevereiro a 2 de março, 142 localidades do interior do Estado receberão reforço das ações preventivas e de combate à criminalidade coordenadas pela Segup. 

A operação irá mobilizar cerca de 7 mil agentes de segurança em virtude do grande deslocamento de pessoas para o interior. Um efetivo de 4.163 militares estará cumprindo a chamada “Jornada Extraordinária”, com a garantia do pagamento de hora extra. “A segurança na capital permanecerá normal, com todas as operações corriqueiras. O aumento do policiamento vai acontecer com o pagamento de jornadas operacionais remuneradas e plantões extraordinários. Estamos trabalhando com um esforço cada vez maior dos órgãos de segurança, para resolver de forma definitiva o problema da criminalidade”, disse o secretário de segurança pública, Jannot Jansen. 

Reunião na Segup
REUNIÃO NA SEGUP DEFINE A OPERAÇÃO
A Segup destaca também o compromisso de manter a queda nos registros de delitos nesta época do ano. Em 2015, 68 homicídios foram apurados, enquanto que no ano passado, foram 49. No comparativo dos dois últimos anos, nenhuma vítima fatal no trânsito foi registrada. 

Integração – As reuniões específicas começaram em dezembro do ano passado para integrar as forças de segurança e proporcionar um feriado tranquilo à população paraense. A Operação Carnaval foi planejada pela Segup, sob a coordenação das Secretarias Adjuntas de Gestão Operacional (Sago) e de Inteligência e Análise Criminal (Siac) que atuarão, de forma integrada, com as Polícias Civil e Militar, Departamento de Trânsito do Estado (Detran), Corpo de Bombeiros Militar, Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, Centro Integrado de Operações (Ciop), Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) e Grupamento Fluvial de Segurança Pública (Gflu), mas também em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), além das Prefeituras de Belém (por meio da Guarda Municipal e da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém - Semob), de Ananindeua e de Marituba. 

Polícia Militar – Em Belém, estarão atuando 766 militares com o apoio de 112 viaturas e 31 motocicletas. No interior, o reforço da PM será de 1008 policiais, com 131 viaturas e 45 motocicletas. O policiamento ostensivo motorizado será efetivado na BR 316, nos trechos das cidades de Ananindeua, Marituba e Benevides. Em Belém, as abordagens rotineiras, como as executadas nas barreiras e nos ônibus vão continuar normalmente. “Estamos preparados para manter na nossa capital a mesma segurança que temos em dias normais, sem esquecer os pontos turísticos, para que todos nós tenhamos um Carnaval de paz”, assegurou o coronel Sergio Alonso, chefe do Departamento Geral de Operações da Polícia Militar do Pará. 

Polícia Civil – A Polícia Civil vai atuar com 148 servidores, entre policiais civis e administrativos, que reforçarão o efetivo em 26 delegacias do interior do Estado e da Região Metropolitana de Belém. O serviço Disque-Denúncia (181) estará recebendo denúncias relativas à poluição sonora e perturbação do sossego, bem como denúncias relacionadas a direção perigosa, excesso de velocidade e embriaguez ao volante. Estes chamados serão, imediatamente, encaminhados aos órgãos policiais e de trânsito. 

Corpo de Bombeiros - Um efetivo de 519 militares do Corpo de Bombeiros do Pará atuará nos serviços de guarda-vidas em balneários da RMB e interior, além do resgate rodoviário e prontidão em carnaval de rua. “Este ano tivemos a preocupação de colocar uma viatura resgate no trevo que liga Curuça à Marapanim, que registrou alguns acidentes automobilísticos no ano passado”, informou o tenente coronel Alexandre Costa, comandante operacional da corporação. 

Detran - As ações do órgão estarão focadas na redução do número de acidentes e na fiscalização da lei seca em Mosqueiro, Salinópolis, Vigia e Curuçá. Em 2017, o efetivo aumentou cerca de 20%. “Como neste ano não vai ter carnaval em Belém, a possibilidade de as pessoas se deslocarem para outras localidade é ainda maior, por isso aumentamos esse efetivo”, detalhou o diretor técnico operacional do Detran, Walmero Costa. Está confirmado também o uso de radares móveis nas rodovias estaduais que visam coibir, principalmente, o excesso de velocidade. 

Ciop - O Centro Integrado de Operações irá reforçar o serviço de atendimento de chamadas de urgência e emergência na Região Metropolitana de Belém. Para isso, reforçou as equipes e assim, 48 atendentes estarão realizando o monitoramento e atendimento de chamadas. Na semana do carnaval, o Ciop contará com um reforço de 10 militares em Salinópolis, município ligado ao Centro de Atendimento e Despacho (CAD) de Capanema. O objetivo do reforço é auxiliar no atendimento, despacho e vídeo-monitoramento naquela cidade, que registra um grande movimento de pessoas no feriado. Além de Salinópolis, o Ciop estará presente nas cidades de Conceição do Araguaia, Castanhal, Santarém, Paragominas e Capanema. 

Guarda Municipal - No apoio à Polícia Militar e Semob, a Guarda Municipal de Belém estará com um efetivo extraordinário de 247 homens em Belém, Icoaraci, Outeiro e Mosqueiro. O maior número de agentes estará em Mosqueiro, com 150 servidores. Em Belém, o efetivo será de 160 agentes por dia, com patrulhamentos constantes nas vias da capital. Por Syanne Neno (Agência Pará de Notícias/Governo do Estado).

POLÍCIA CIVIL PRENDE VEREADOR E DIRETORA DE ESCOLA ACUSADOS DE ESQUEMA DE CORRUPÇÃO EM TOMÉ-AÇU

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira, dia 22, em Tomé-Açú, nordeste do Estado, a operação "Engambitante", com o objetivo de dar cumprimento a 25 mandados judiciais, sendo 2 mandados de prisão preventiva, 9 mandados de condução coercitiva e 14 de busca e apreensão. A operação investigou desvios de recursos públicos e corrupção com atuação de organização criminosa e crimes correlatos. Segundo o delegado Carlos Eduardo Vieira, da Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), trata-se de um esquema de inserção de servidores fantasmas e de servidores que repassavam o excedente da carga horária realmente trabalhada a um beneficiário. 

POLICIAIS CIVIS CUMPREM BUSCA E APREENSÃO

As investigações apontaram que o vereador Clidenor Guedes de Oliveira, juntamente com a colaboração de outros servidores, inseria na folha de pagamento da prefeitura de Tomé-Açú o nome de funcionários com carga horária muito além do que era realmente trabalhada. Entretanto, o excedente era repassado ao vereador mediante ameaça de rescisão de contrato. O mandado de prisão preventiva de Clidenor Guedes foi cumprimento junto com o de Celma Sileide, diretora da Escola Municipal Santo Antônio. 

DOCUMENTOS SÃO APREENDIDOS
Celma era responsável por manter os contratados sob sua vigilância para que não houvesse fuga dos servidores do esquema criminoso. Foram cumpridos os mandados de busca e condução coercitiva de várias pessoas que estavam inseridas no esquema e sofrendo ameaças por parte dos beneficiários. Além das residências foram efetuadas também buscas em duas escolas da cidade e nas Secretarias de Educação e de Administração com a finalidade de apreender documentos relativos aos crimes apurados. 

A investigação foi coordenada pela Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). A operação contou com o apoio da Diretoria de Polícia do Interior (DPI); do Núcleo de Inteligência Policial (NIP); e do Grupo de Pronto Emprego (GPE). Esse é o terceiro esquema de desvios de recursos públicos desarticulado pela DRCO na prefeitura de Tomé-Açú em apenas 6 meses.