terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL DEFLAGRA OPERAÇÃO PARA DESARTICULAR ESQUEMA DE CORRUPÇÃO EM MÃE DO RIO

A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira, 7, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, Ana Lúcia Magalhães, ex-vereadora do município de Mãe do Rio, nordeste paraense. A operação policial, denominada Iara, foi deflagrada nessa cidade para cumprir mais de 20 ordens judiciais, dentre as quais, três prisões preventivas, de acusados de envolvimento em um esquema de corrupção. A ação policial foi resultado de investigação realizada por policiais civis da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas, unidade policial vinculada à DRCO (Divisão de Repressão ao Crime Organizado), da Polícia Civil. 


O delegado Evandro Moreira, diretor da DRCO, explica que o trabalho investigativo foi iniciado para apurar crimes contra a administração pública de Mãe do Rio, com práticas de corrupção e parcelamento irregular de solo urbano do município. "Apuramos que vereadores do município teriam recebido indevidamente lotes no Residencial Ipiranga pra aprovarem o projeto de lei de expansão urbana de Mãe do Rio em que se inseria o citado loteamento", explica. Além do crime de corrupção, destaca o delegado, os sócios do loteamento praticaram o crime de parcelamento irregular do solo, ao comercializarem terrenos no loteamento sem possuir registro em cartório de imóveis. 

Em um primeiro momento nas investigações, a equipe de policiais civis cumpriu mandado de busca e preensão na sede do Residencial Ipiranga. Na ocasião, ressalta o delegado, foi constatado que houve o recebimento de lotes por parte de vereadores, além de bilhetes e propostas de contrato de compra e venda de terrenos para dissimular uma compra regular. "Foram apreendidos na ocasião computadores e outros objetos periciados", detalha Moreira. Após o aprofundamento das investigações, foi deflagrada mais uma fase da operação Iara para cumprir 21 mandados judiciais - três de prisão preventiva; oito de busca e apreensão e dez de condução coercitiva. 

As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz Cristiano Magalhães Gomes, titular da Comarca de Mãe do Rio. "Várias testemunhas e investigados prestaram depoimento à Polícia Civil e também apreendemos vários elementos de prova", explica o delegado. Dos três mandados de prisão, foi cumprido o mandado de prisão contra Ana Lúcia Magalhães, mais conhecida como Ana do Povão, que até o fim de 2016 exercia a função de vereadora na Câmara Municipal de Mãe do Rio. 

Os outros dois acusados estão foragidos. As investigações foram presididas pelo delegado Carlos Vieira, da Delegacia de Combate a Defraudações Públicas. A operação contou com a participação de integrantes das delegacias que compõe a DRCO, além da DRFR (Divisão de Repressão a Furtos e Roubos), do Serviço de Polícia Interestadual (Polinter), da DPI (Diretoria de Polícia do Interior), do GPE (Grupo de Pronto-Emprego), do NIP (Núcleo de Inteligência Policial) e da Divisão de Homicídios.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DESARTICULAM ESQUEMA DE COMÉRCIO DE ARMAS ILEGAIS EM TOMÉ-AÇU

As Polícias Civil e Militar flagraram nesta segunda-feira, um comércio de armas clandestinas no município de Tomé-Açú, nordeste paraense. No total, 22 armas e diversas munições de diferentes calibres foram apreendidas no interior de um carro após uma abordagem realizada em uma barreira policial no ramal da Água Branca, zona rural do município. A maioria das armas era de fabricação artesanal. Edilberto Nascimento Matos e Gilvandro de Sousa Cristo foram presos em flagrante pelo crime de comercialização de armas de fogo sem autorização. 


Em depoimento, os acusados afirmaram que as armas seriam utilizadas para caça. Em outra ação policial foi preso Renato Frankallace Batista da Silva pelo crime de roubo. Segundo o delegado Alexandre Lopes, titular da Delegacia de Tomé-Açú, durante o procedimento em flagrante foi constatado que o acusado é foragido da Colônia Agrícola Heleno Fragoso. O preso foi recapturado e recambiado ao Sistema Prisional.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA ENVOLVIDO EM TRÁFICO DE DROGAS EM BAGRE

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta segunda-feira, 7, durante investigação para apurar denúncia anônima, Lidielson Pontes Vasconcelos, de apelido Navio. Ele foi flagrado com 35 petecas de pasta-base de cocaína durante abordagem policial em Bagre, na ilha do Marajó. O delegado Marcus Pinto, titular da Delegacia local, explica que o acusado foi abordado em via pública após Lidielson ser monitorado. 

DROGAS E SUSPEITO PRESO
"Recebemos denúncia anônima durante realização de diligência. Quando ele estava em via pública, nós o abordamos e constatamos que ele carregava um saco plástico com droga", explica o policial civil, ao salientar que o acusado não apresenta passagem anterior pela Polícia. O preso está recolhido à disposição da Justiça. Além do delegado, estavam na equipe policial o escrivão Santos e investigador Silvio.

POLÍCIA CIVIL TREINA SERVIDORES PÚBLICOS PARA ATUAR COMO IDENTIFICADORES CIVIS E CRIMINAIS NO INTERIOR DO PARÁ

A Polícia Civil deu início, nesta segunda-feira, 6, a um treinamento para capacitar servidores públicos de 13 municípios paraenses para atuar como identificador civil e criminal no interior do Estado. No total, são 27 funcionários do quadro administrativo de Prefeituras cedidos à Polícia Civil, por meio de convênio, para expedir carteiras de identidade e emitir fichamentos criminais tanto nos municípios onde a corporação policial não dispuser de serviço de identificação quanto naqueles onde existir o serviço. "Independentemente disso, o serviço é sempre chefiado por um papiloscopista", explica o diretor de identificação da Polícia Civil, Ricardo Paula. 


 
O treinamento é ministrado pelo papiloscopista policial civil Roberto Valentim Novaes, da Diretoria de Identificação "Enéas Martins" (Didem). Ele explica que serão, ao todo, 21 dias de treinamento com aulas teóricas e práticas. Com o treinamento, os novos identificadores estarão preparos a coletar material para expedição de carteiras de identidade, como coleta de impressões digitais, preenchimento de prontuário com os dados civis e realização de pesquisa de informações criminais. 



Após o final do treinamento, os novos identificadores irão receber todo material usado na confecção dos documentos. Quando estiverem nos municípios onde moram e trabalham, eles ficarão responsáveis em fazer a coleta dos dados cadastrais dos cidadães e depois trazer esses dados coletados para Belém, onde irão fazer a emissão das carteiras de identidade que serão entregues na sede do município, com um prazo médio de 30 dias para entrega dos documentos.