quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL PRENDE VEREADOR E DIRETORA DE ESCOLA ACUSADOS DE ESQUEMA DE CORRUPÇÃO EM TOMÉ-AÇU

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira, dia 22, em Tomé-Açú, nordeste do Estado, a operação "Engambitante", com o objetivo de dar cumprimento a 25 mandados judiciais, sendo 2 mandados de prisão preventiva, 9 mandados de condução coercitiva e 14 de busca e apreensão. A operação investigou desvios de recursos públicos e corrupção com atuação de organização criminosa e crimes correlatos. Segundo o delegado Carlos Eduardo Vieira, da Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), trata-se de um esquema de inserção de servidores fantasmas e de servidores que repassavam o excedente da carga horária realmente trabalhada a um beneficiário. 

POLICIAIS CIVIS CUMPREM BUSCA E APREENSÃO

As investigações apontaram que o vereador Clidenor Guedes de Oliveira, juntamente com a colaboração de outros servidores, inseria na folha de pagamento da prefeitura de Tomé-Açú o nome de funcionários com carga horária muito além do que era realmente trabalhada. Entretanto, o excedente era repassado ao vereador mediante ameaça de rescisão de contrato. O mandado de prisão preventiva de Clidenor Guedes foi cumprimento junto com o de Celma Sileide, diretora da Escola Municipal Santo Antônio. 

DOCUMENTOS SÃO APREENDIDOS
Celma era responsável por manter os contratados sob sua vigilância para que não houvesse fuga dos servidores do esquema criminoso. Foram cumpridos os mandados de busca e condução coercitiva de várias pessoas que estavam inseridas no esquema e sofrendo ameaças por parte dos beneficiários. Além das residências foram efetuadas também buscas em duas escolas da cidade e nas Secretarias de Educação e de Administração com a finalidade de apreender documentos relativos aos crimes apurados. 

A investigação foi coordenada pela Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). A operação contou com o apoio da Diretoria de Polícia do Interior (DPI); do Núcleo de Inteligência Policial (NIP); e do Grupo de Pronto Emprego (GPE). Esse é o terceiro esquema de desvios de recursos públicos desarticulado pela DRCO na prefeitura de Tomé-Açú em apenas 6 meses.

Nenhum comentário: