quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA TRIPLO HOMICÍDIO EM BRAGANÇA

A Polícia Civil já investiga as mortes de três pessoas que foram assassinadas e tiveram os corpos carbonizados dentro de um carro, na madrugada desta quarta-feira, 22, na zona rural de Bragança, nordeste paraense. A equipe policial da Unidade Integrada Propaz (UIPP) do município investiga se as mortes têm relação com outro homicídio ocorrido poucas horas antes, cuja vítima era primo de uma das três vítimas. O caso está sendo tratado como triplo homicídio com características de execução. Segundo o delegado Marcelo Mendes, as três vítimas já foram identificadas. Wesley Santos da Luz, 29 anos, dono do carro; Alinna Sayure de Jesus Pereira, namorada de Wesley, e Mário Massias Pires Neto. Os três são residentes em Bragança. 

CARRO É PERICIADO
Pessoas que passavam em tráfego por uma estrada rural, em Bragança, encontraram o carro pegando fogo no local, por volta de 5 horas. O Corpo de Bombeiros foi acionado e apagou as chamas. Foi então que os corpos foram vistos dentro do veículo. Após isso, as Polícias Civil e Militar estiveram no local. Uma equipe de peritos criminais fez o levantamento pericial de local de crime e a remoção dos corpos. 

Para o delegado, existem sinais de execução, uma vez que há suspeitas de que as vítimas foram mortas a tiros antes de serem queimadas no carro. "Só no final das perícias isso será respondido com certeza", salienta o delegado. Segundo ele, a linha de investigação do triplo homicídio é uma possível relação com a morte de Alexsandro do Rosário de Quadros, que foi morto ao tentar roubar a arma de um vigilante noturno, durante a madrugada de hoje, em Bragança, horas antes do carro com os corpos ser encontrado na estrada. Alexsandro era primo de Mário Massias, uma das três vítimas. 

Wesley Santos da Luz já tinha duas passagens pela Polícia Civil em Bragança. Em 2015, ele foi preso em flagrante por crime de receptação de roubo e, em 2016, ele foi preso também em flagrante por crime de roubo. Mário Massias teve o corpo reconhecido por meio de tatuagens no peito. Alinna foi identificada por familiares que reconheceram as roupas e as sandálias da vítima.

Nenhum comentário: