quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

JUSTIÇA DECRETA PRISÃO PREVENTIVA DE EX-POLICIAL MILITAR ACUSADO DE HOMICÍDIO EM OUTEIRO

A Justiça decretou a prisão preventiva, nesta quarta-feira, 22, do ex-policial militar Gerson Vitoriano de Oliveira, de 46 anos, preso no último dia 1º, em decorrência de investigações realizadas pela equipe da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Ele é acusado de assassinar Carlos Gomes da Silva, 24 anos, em 28 de novembro de 2016, na praia do Amor, ilha de Caratateua (Outeiro), em Belém. Gerson Vitoriano está recolhido à disposição da Justiça no presídio Coronel Anastácio das Neves, no Complexo Penitenciário de Santa Isabel do Pará. Ao ser preso, no dia 1º, ele estava com mandado de prisão temporária expedido pela Justiça e que, agora, foi convertido para prisão preventiva.

Material apreendido com acusado
MATERIAL APREENDIDO COM ACUSADO
O ex-policial militar responde a seis processos criminais na Justiça, dos quais cinco por homicídio e um por concussão (extorsão praticada por servidor público). Ele é apontado como um dos principais responsáveis por execuções nos distritos de Outeiro e Icoaraci, em Belém. O inquérito que resultou inicialmente na decretação de mandado de prisão temporária de Gerson Vitoriano é presidido pelo delegado Guilherme Macedo. Segundo o policial civil, após a prisão do acusado, no último dia 1º, mais seis denúncias de outros crimes praticados pelo ex-policial militar foram recebidas pela Divisão de Homicídios e outros dois inquéritos policiais foram instaurados para apurar os crimes. 

Vitoriano, como é mais conhecido, foi preso em sua casa, em Outeiro, em operação comandada pelos delegados Guilherme Macedo e Eduardo Rollo, da DH. Ao ser preso, no dia 1º, ele foi flagrado com mais de 200 estojos de munição de pistola calibre ponto40 e revólver 38; um revólver calibre 38 com duas munições; um par de algemas; um colete à prova de balas e seis placas de veículos diferentes, das quais, quatro de carros e uma de moto, além de uma carteira de identidade funcional da Polícia Militar do Pará. Vitoriano foi expulso da PM do Pará após conclusão de processo administrativo por ter assassinado a tiros um preso que estava algemado. 

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA TRIPLO HOMICÍDIO EM BRAGANÇA

A Polícia Civil já investiga as mortes de três pessoas que foram assassinadas e tiveram os corpos carbonizados dentro de um carro, na madrugada desta quarta-feira, 22, na zona rural de Bragança, nordeste paraense. A equipe policial da Unidade Integrada Propaz (UIPP) do município investiga se as mortes têm relação com outro homicídio ocorrido poucas horas antes, cuja vítima era primo de uma das três vítimas. O caso está sendo tratado como triplo homicídio com características de execução. Segundo o delegado Marcelo Mendes, as três vítimas já foram identificadas. Wesley Santos da Luz, 29 anos, dono do carro; Alinna Sayure de Jesus Pereira, namorada de Wesley, e Mário Massias Pires Neto. Os três são residentes em Bragança. 

CARRO É PERICIADO
Pessoas que passavam em tráfego por uma estrada rural, em Bragança, encontraram o carro pegando fogo no local, por volta de 5 horas. O Corpo de Bombeiros foi acionado e apagou as chamas. Foi então que os corpos foram vistos dentro do veículo. Após isso, as Polícias Civil e Militar estiveram no local. Uma equipe de peritos criminais fez o levantamento pericial de local de crime e a remoção dos corpos. 

Para o delegado, existem sinais de execução, uma vez que há suspeitas de que as vítimas foram mortas a tiros antes de serem queimadas no carro. "Só no final das perícias isso será respondido com certeza", salienta o delegado. Segundo ele, a linha de investigação do triplo homicídio é uma possível relação com a morte de Alexsandro do Rosário de Quadros, que foi morto ao tentar roubar a arma de um vigilante noturno, durante a madrugada de hoje, em Bragança, horas antes do carro com os corpos ser encontrado na estrada. Alexsandro era primo de Mário Massias, uma das três vítimas. 

Wesley Santos da Luz já tinha duas passagens pela Polícia Civil em Bragança. Em 2015, ele foi preso em flagrante por crime de receptação de roubo e, em 2016, ele foi preso também em flagrante por crime de roubo. Mário Massias teve o corpo reconhecido por meio de tatuagens no peito. Alinna foi identificada por familiares que reconheceram as roupas e as sandálias da vítima.

OPERAÇÃO CARNAVAL VAI REFORÇAR POLICIAMENTO NA CAPITAL E INTERIOR DO PARÁ DURANTE O FERIADO PROLONGADO

Em reunião que mobilizou diversos órgãos na esfera federal, estadual e municipal, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) divulgou, na manhã desta quarta-feira (22), como vai funcionar o trabalho da Operação Carnaval 2017. Durante o período de 24 de fevereiro a 2 de março, 142 localidades do interior do Estado receberão reforço das ações preventivas e de combate à criminalidade coordenadas pela Segup. 

A operação irá mobilizar cerca de 7 mil agentes de segurança em virtude do grande deslocamento de pessoas para o interior. Um efetivo de 4.163 militares estará cumprindo a chamada “Jornada Extraordinária”, com a garantia do pagamento de hora extra. “A segurança na capital permanecerá normal, com todas as operações corriqueiras. O aumento do policiamento vai acontecer com o pagamento de jornadas operacionais remuneradas e plantões extraordinários. Estamos trabalhando com um esforço cada vez maior dos órgãos de segurança, para resolver de forma definitiva o problema da criminalidade”, disse o secretário de segurança pública, Jannot Jansen. 

Reunião na Segup
REUNIÃO NA SEGUP DEFINE A OPERAÇÃO
A Segup destaca também o compromisso de manter a queda nos registros de delitos nesta época do ano. Em 2015, 68 homicídios foram apurados, enquanto que no ano passado, foram 49. No comparativo dos dois últimos anos, nenhuma vítima fatal no trânsito foi registrada. 

Integração – As reuniões específicas começaram em dezembro do ano passado para integrar as forças de segurança e proporcionar um feriado tranquilo à população paraense. A Operação Carnaval foi planejada pela Segup, sob a coordenação das Secretarias Adjuntas de Gestão Operacional (Sago) e de Inteligência e Análise Criminal (Siac) que atuarão, de forma integrada, com as Polícias Civil e Militar, Departamento de Trânsito do Estado (Detran), Corpo de Bombeiros Militar, Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, Centro Integrado de Operações (Ciop), Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) e Grupamento Fluvial de Segurança Pública (Gflu), mas também em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), além das Prefeituras de Belém (por meio da Guarda Municipal e da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém - Semob), de Ananindeua e de Marituba. 

Polícia Militar – Em Belém, estarão atuando 766 militares com o apoio de 112 viaturas e 31 motocicletas. No interior, o reforço da PM será de 1008 policiais, com 131 viaturas e 45 motocicletas. O policiamento ostensivo motorizado será efetivado na BR 316, nos trechos das cidades de Ananindeua, Marituba e Benevides. Em Belém, as abordagens rotineiras, como as executadas nas barreiras e nos ônibus vão continuar normalmente. “Estamos preparados para manter na nossa capital a mesma segurança que temos em dias normais, sem esquecer os pontos turísticos, para que todos nós tenhamos um Carnaval de paz”, assegurou o coronel Sergio Alonso, chefe do Departamento Geral de Operações da Polícia Militar do Pará. 

Polícia Civil – A Polícia Civil vai atuar com 148 servidores, entre policiais civis e administrativos, que reforçarão o efetivo em 26 delegacias do interior do Estado e da Região Metropolitana de Belém. O serviço Disque-Denúncia (181) estará recebendo denúncias relativas à poluição sonora e perturbação do sossego, bem como denúncias relacionadas a direção perigosa, excesso de velocidade e embriaguez ao volante. Estes chamados serão, imediatamente, encaminhados aos órgãos policiais e de trânsito. 

Corpo de Bombeiros - Um efetivo de 519 militares do Corpo de Bombeiros do Pará atuará nos serviços de guarda-vidas em balneários da RMB e interior, além do resgate rodoviário e prontidão em carnaval de rua. “Este ano tivemos a preocupação de colocar uma viatura resgate no trevo que liga Curuça à Marapanim, que registrou alguns acidentes automobilísticos no ano passado”, informou o tenente coronel Alexandre Costa, comandante operacional da corporação. 

Detran - As ações do órgão estarão focadas na redução do número de acidentes e na fiscalização da lei seca em Mosqueiro, Salinópolis, Vigia e Curuçá. Em 2017, o efetivo aumentou cerca de 20%. “Como neste ano não vai ter carnaval em Belém, a possibilidade de as pessoas se deslocarem para outras localidade é ainda maior, por isso aumentamos esse efetivo”, detalhou o diretor técnico operacional do Detran, Walmero Costa. Está confirmado também o uso de radares móveis nas rodovias estaduais que visam coibir, principalmente, o excesso de velocidade. 

Ciop - O Centro Integrado de Operações irá reforçar o serviço de atendimento de chamadas de urgência e emergência na Região Metropolitana de Belém. Para isso, reforçou as equipes e assim, 48 atendentes estarão realizando o monitoramento e atendimento de chamadas. Na semana do carnaval, o Ciop contará com um reforço de 10 militares em Salinópolis, município ligado ao Centro de Atendimento e Despacho (CAD) de Capanema. O objetivo do reforço é auxiliar no atendimento, despacho e vídeo-monitoramento naquela cidade, que registra um grande movimento de pessoas no feriado. Além de Salinópolis, o Ciop estará presente nas cidades de Conceição do Araguaia, Castanhal, Santarém, Paragominas e Capanema. 

Guarda Municipal - No apoio à Polícia Militar e Semob, a Guarda Municipal de Belém estará com um efetivo extraordinário de 247 homens em Belém, Icoaraci, Outeiro e Mosqueiro. O maior número de agentes estará em Mosqueiro, com 150 servidores. Em Belém, o efetivo será de 160 agentes por dia, com patrulhamentos constantes nas vias da capital. Por Syanne Neno (Agência Pará de Notícias/Governo do Estado).

POLÍCIA CIVIL PRENDE VEREADOR E DIRETORA DE ESCOLA ACUSADOS DE ESQUEMA DE CORRUPÇÃO EM TOMÉ-AÇU

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira, dia 22, em Tomé-Açú, nordeste do Estado, a operação "Engambitante", com o objetivo de dar cumprimento a 25 mandados judiciais, sendo 2 mandados de prisão preventiva, 9 mandados de condução coercitiva e 14 de busca e apreensão. A operação investigou desvios de recursos públicos e corrupção com atuação de organização criminosa e crimes correlatos. Segundo o delegado Carlos Eduardo Vieira, da Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), trata-se de um esquema de inserção de servidores fantasmas e de servidores que repassavam o excedente da carga horária realmente trabalhada a um beneficiário. 

POLICIAIS CIVIS CUMPREM BUSCA E APREENSÃO

As investigações apontaram que o vereador Clidenor Guedes de Oliveira, juntamente com a colaboração de outros servidores, inseria na folha de pagamento da prefeitura de Tomé-Açú o nome de funcionários com carga horária muito além do que era realmente trabalhada. Entretanto, o excedente era repassado ao vereador mediante ameaça de rescisão de contrato. O mandado de prisão preventiva de Clidenor Guedes foi cumprimento junto com o de Celma Sileide, diretora da Escola Municipal Santo Antônio. 

DOCUMENTOS SÃO APREENDIDOS
Celma era responsável por manter os contratados sob sua vigilância para que não houvesse fuga dos servidores do esquema criminoso. Foram cumpridos os mandados de busca e condução coercitiva de várias pessoas que estavam inseridas no esquema e sofrendo ameaças por parte dos beneficiários. Além das residências foram efetuadas também buscas em duas escolas da cidade e nas Secretarias de Educação e de Administração com a finalidade de apreender documentos relativos aos crimes apurados. 

A investigação foi coordenada pela Delegacia de Repressão e Defraudações Públicas (DRDP), vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). A operação contou com o apoio da Diretoria de Polícia do Interior (DPI); do Núcleo de Inteligência Policial (NIP); e do Grupo de Pronto Emprego (GPE). Esse é o terceiro esquema de desvios de recursos públicos desarticulado pela DRCO na prefeitura de Tomé-Açú em apenas 6 meses.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL APREENDE CERCA DE DEZ QUILOS DE MACONHA DO TIPO "LIMÃOZINHO" NA GRANDE BELÉM

A Polícia Civil apreendeu, na última sexta-feira, 17, cerca de dez quilos de maconha do tipo "limãozinho" e prendeu em flagrante cinco pessoas por tráfico e associação para o tráfico de drogas, na região metropolitana. Do total de presos, três - duas mulheres e um homem - foram localizados no bairro da Cabanagem, em Belém, e outros dois - um casal - em Ananindeua. A ação policial foi realizada por policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc). 


Segundo o diretor da Denarc, delegado Hennison Jacob, a apreensão de drogas resultou de denúncia anônima recebida pela equipe policial. Durante a abordagem dos três suspeitos, na Cabanagem, foram apreendidos sete quilos de drogas. Logo em seguida, em Ananindeua, mais três quilos foram apreendidos com dois acusados. Os presos e as apreensões foram conduzidos para a Denarc para a lavratura de prisão em flagrante e auto de apreensão das drogas.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ACUSADO DE TRÁFICO E CONDENADO POR ROUBO NO MARAJÓ

As Polícias Civil e Militar prenderam neste domingo, dia 19, dois homens envolvidos em crimes, durante operação policial, em São Sebastião da Boa Vista, na Ilha do Marajó. Um dos presos é Geraldo Guilherme Albuquerque dos Reis, 27 anos, foragido do Sistema Penal e com duas condenações judiciais por roubo que, somadas, totalizaram a pena de 12 anos de reclusão. Segundo o delegado Társio Martins, enquanto efetuavam a prisão, a equipe policial recebeu informações sobre um ponto de comercialização de drogas. Nesse local, foi preso em flagrante Ezequias Pinheiro Botelho. 

Apreensões

Conforme o delegado, as ações policiais tiveram por objetivo a repressão à criminalidade no município marajoara. A primeira prisão foi decorrente da ação integrada de policiais civis e militares que conseguiram localizar o foragido da Justiça com mandado de prisão expedido no último dia 13 pela Vara de Execuções Penais da Região Metropolitana de Belém. Ele estava escondido na região. "Geraldo tem duas condenações por roubo que foram unificadas para fins de execução penal", explica o delegado. 

No mesmo local da prisão do foragido, os policiais receberam informação da existência de um ponto de venda de drogas. Assim, foram até o local indicado por denunciantes e conseguiram flagrar o crime de tráfico de drogas na casa. O dono do local, conhecido como "Tape", conseguiu fugir no momento da chegada dos policiais. Mas o mototaxista responsável por entregar os entorpecentes, num esquema conhecido como "disque drogas", Ezequias Pinheiro Botelho, foi preso. 

Com ele, foram apreendidas 13 petecas de maconha e uma quantia em dinheiro. Dois usuários de drogas foram detidos no local e depois de serem enquadrados no crime de consumo de drogas, em Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), foram liberados, mas irão responder ao processo na Justiça.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR APREENDEM ARMAS EM PODER DE SUSPEITO DE ENVOLVIMENTO EM ASSALTO A EMBARCAÇÃO EM BREVES

As Polícias Civil e Militar prenderam neste domingo, dia 19, José Raimundo Pinheiro Marques, acusado de participação no assalto a uma balsa, em Breves, na Ilha do Marajó. A prisão do acusado foi realizada durante abordagem na região das ilhas do município após a ocorrência do crime. Quatro homens armados cometeram o roubo. Na ocasião, foram levados dois televisores de 55 polegadas, 1 computador do tipo notebook, 1 receptor, 1 carregador de bateria, 1 lancha com motor Yamaha, alianças e uma quantia em dinheiro. 


A prisão de José Raimundo foi realizada na comunidade de São Miguel dos Macacos, zona rural de Breves. Segundo o delegado Geraldo Pimenta Neto, da Superintendência da Polícia Civil em Breves, com o preso foram encontradas três espingardas e um motor de embarcação roubado. 

As investigações apontaram que um dos criminosos, identificado como Jasiel Cardoso Gomes, é acusado de ser contumaz em praticar assaltos a balsas. As investigações irão prosseguir para prender os demais envolvidos no crime.

POLÍCIA CIVIL AUTUA EM FLAGRANTE AUTOR DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA TRANSGÊNERO EM BELÉM

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), por meio do Pro Paz Mulher, que atende os casos de violência doméstica e crime sexual contra mulheres, fez nesta segunda-feira (20) a primeira prisão em flagrante por violência doméstica contra uma transgênero, em Belém. O acusado é um morador de rua conhecido como “Ricardo” e não tem identidade civil. Ele foi preso em flagrante pela manhã na casa da vítima com quem se relacionava há mais de um ano. A vítima tem 40 anos e recentemente tirou a carteira de nome social. Ela acolheu o acusado em novembro de 2015 e, desde então, os dois passaram a se relacionar. 

No início de fevereiro deste ano, o relacionamento acabou, mas “Ricardo” não aceitou e passou a ameaçá-la. Na semana passada, a vítima foi à Deam registrar queixa de agressão corporal contra o ex-companheiro. Foi encaminhada à justiça a solicitação de medida protetiva, que não foi deferida porque o acusado não tem endereço fixo. Na manhã desta segunda, “Ricardo” voltou à casa da vítima, onde travou luta corporal com o pai dela e a atingiu com um soco nos olhos. 

Delegada Fernanda Almeida: Primeiro caso
DELEGADA FERNANDA ALMEIDA
A vítima então deixou que o agressor ficasse na casa, propositadamente, e lhe disse que sairia para comprar remédio. Depois, procurou a Deam para solicitar a prisão. O homem foi encontrado dormindo na casa da vítima e a prisão em flagrante foi feita pela delegada Fernanda Almeida. “Depois do procedimento em flagrante, vamos fazer a identificação criminal do acusado, já que ele não tem identidade civil. Ele será encaminhado à justiça e ficará sob a custódia do Estado”, disse a delegada, titular da Deam. Esse foi o primeiro caso registrado de violência doméstica contra transgênero em Belém. 

“A Lei Maria da Penha diz que não há identificação de gênero. Ela veio para proteger, independente do gênero, e para nós é importante acompanhar o avanço da sociedade e da legislação. Estamos aqui para cumprir a lei”, destacou. “Espero que com essa prisão outras travestis comecem a tomar a mesma atitude que eu contra a violência doméstica. O Governo do Estado está sendo firme no propósito de apurar e apoiar as mulheres vítimas de agressão, independentemente do gênero”, disse a vítima. 

PROTEÇÃO A prisão confirma o propósito do Governo do Estado de enfrentar as mais variadas formas de violência, principalmente física e emocional, na luta contra o preconceito que atinge travestis e transgêneros no Brasil. Por meio de órgãos como a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), o Governo do Pará avançou na garantia da cidadania, saúde e segurança para esse segmento da população. 

A emissão da carteira de identidade com o nome social, o curso para taxistas sobre os direitos dos LGBT e o Ambulatório de Saúde para Travestis e Transexuais e a Delegacia de Combate aos Crimes Discriminatórios e Homofóbicos são algumas das iniciativas do Governo que já fazem diferença na vida de travestis e transgêneros no Estado. Por Syanne Neno (Agência Pará/Governo do Estado).

POLÍCIA MILITAR APREENDE MAIS DE 40 AVES EM SITUAÇÃO DE MAUS TRATOS EM BELÉM

A Polícia Militar, por meio do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), apreendeu, nesta terça-feira, 21, mais de 40 aves em situação de maus-tratos em uma feira conhecida como "Feira da 25", localizada no bairro de São Brás, em Belém. As aves da fauna silvestre e também exóticas foram apresentadas na sede da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), da Polícia Civil, para lavratura do procedimento por crime ambiental. 


Duas pessoas que estavam com as aves também foram levadas até a unidade policial. Os policiais militares chegaram ao local por meio de informações sobre possível prática de comércio ilegal de aves. 

Apreensões

Segundo o delegado Vicente Costa, da DEMA, as aves apresentavam sinais de maus-tratos e também havia venda de aves exóticas, o que é proibido por lei. Dessa forma, os dois homens foram enquadrados em TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) pelos crimes ambientais e irão responder em liberdade ao processo criminal na Justiça. As aves serão encaminhadas para destinação adequada.

POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADO DE PRISÃO DE ACUSADO DE ESTUPRO DE VULNERÁVEL EM TUCURUÍ

Policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Tucuruí, sudeste paraense, cumpriram, ontem (20), mandado de prisão preventiva contra o mototaxista Maik Rodrigues Moreira, de 25 anos, conhecido como "Jacobino", pelo crime de estupro de vulnerável. Ele é acusado de violentar sexualmente uma criança de 7 anos de idade. 

Pro Paz Integrado de Tucuruí
PROPAZ INTEGRADO DE TUCURUÍ
Segundo a delegada Marizol Vasconcelos, titular da Deam de Tucuruí, a mãe da vítima pagava o acusado para que levar a criança para a escola e trazê-la de volta para casa todos os dias. "Ele se aproveitou disso para praticar os abusos", explica a policial civil. 

As investigações mostraram que Maik Rodrigues também ameaçava matar os familiares da criança, caso ela contasse para alguém a violência que sofria. 

Após ser preso, em Tucuruí, o acusado foi conduzido até a Deam do município para prestar depoimento. Apesar das provas, ele negou ter cometido o crime. O acusado vai permanecer recolhido à disposição da justiça.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL PRENDE EM BRASÍLIA ACUSADO DE ATIRAR EM VÍTIMA DURANTE TENTATIVA DE ASSALTO A RESIDÊNCIA EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu nesta terça-feira, 14, em Brasília (DF), Leonardo Costa Araújo, 30 anos, conhecido como Leo, acusado de integrar o grupo que invadiu e tentou assaltar uma residência, no bairro do Reduto, em Belém, em 11 de dezembro do ano passado. Na ocasião do crime, um morador da casa reagiu ao assalto e foi baleado na perna esquerda. Uma senhora de 70 anos chegou a ter dois dedos da mão cortados com um facão por um dos bandidos. Ao todo, três homens participaram do crime. Leonardo é acusado de ser o autor do disparo. O preso deve ser transferido para a capital paraense, nesta quinta-feira, 16, após autorização da Justiça brasiliense. 

A prisão foi efetuada pela equipe de policiais civis da Divisão de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) do Pará, com apoio de policiais civis da Delegacia de Repressão a Roubos, da Polícia Civil do Distrito Federal. Segundo o delegado Thiago Dias, da DRFR, Leonardo é paraense e estava escondido na casa de familiares em Brasília. Ele foi ouvido em depoimento, durante as investigações, em Belém, e, na ocasião, chegou a confessar participação no crime, mas negou ter sido o autor do disparo. Ao todo, três tiros foram deflagrados contra um morador da casa. Um dos disparos atingiu a perna da vítima. 

PRESO
Ainda, conforme o delegado, após o depoimento, foi solicitada à justiça a prisão preventiva do acusado. Contudo, Leonardo Araújo já havia fugido para fora do Estado. Com base em uma informação recebida, explica o policial civil, foi possível descobrir o paradeiro do procurado na capital federal. "Ele estava trabalhando como garçom em um restaurante em Brasília", informa Dias. Outros dois acusados de participar do crime estão sendo investigados. Leonardo permanece recolhido no Complexo da Polícia Civil em Brasília no aguardo de autorização da Justiça para recambiamento a Belém. 

O crime ocorreu por volta de 7 horas da manhã de 11 de dezembro de 2016. Na ocasião, três bandidos invadiram pelos fundos uma casa, localizada na rua Aristides Lobo, bairro do Reduto. Os assaltantes passaram por dentro do terreno de uma casa abandonada situada por trás da residência, onde estavam três moradores, um casal e uma idosa de 70 anos. No momento em que a idosa abriu a porta que dá acesso ao quintal da casa foi abordada pelos três bandidos. Um deles estava armado com um facão. 

Em seguida, os outros dois moradores foram rendidos, porém, no momento em que os assaltantes tentavam amarrar o homem, a vítima reagiu e travou luta corporal com os criminosos. Durante a confusão, dois dedos da idosa foram cortados pelo facão. Nesse momento, um dos bandidos atirou contra a vítima, atingindo-lhe a perna esquerda. Em seguida, os bandidos saíram em fuga pelo mesmo local por onde entraram na casa sem roubar nada do local.  

sábado, 11 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL IDENTIFICA SUSPEITO DE MATAR INVESTIGADOR KLEBER MORAES

A Polícia Civil já identificou o suspeito de matar um policial civil na manhã deste sábado, 11, no bairro do Telégrafo, em Belém. Luciano Marcus do Carmo Dias, de 21 anos, de apelido "Danone", foi reconhecido por testemunhas como o autor do disparo que ceifou a vida do investigador Kleber Moraes. A vítima foi morta com um tiro no peito e teve a arma roubada pelo acusado.

As investigações presididas por policiais civis da Divisão de Homicídios mostram que Luciano Dias é o único envolvido no crime. Ele está sendo procurado.

DENÚNCIAS Quem tiver informações que ajudem na localização de Luciano Marcus deve telefonar para o número 181, o Disque-Denúncia. A ligação é gratuita e sigilosa. 

POLÍCIA CIVIL LAMENTA MORTE DO INVESTIGADOR KLEBER KLEUSON DE MORAES

A Polícia Civil do Pará lamenta profundamente a morte do investigador Kleber Kleuson de Moraes, que era lotado na Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), e que faleceu no Pronto Socorro do Umarizal, no final da manhã de hoje, vítima de um disparo de arma de fogo no peito. O policial civil, que estava de folga do serviço, retornava para casa após ir a uma feira, no bairro do Telégrafo. Ele foi abordado ao chegar à sua residência e levado para dentro da casa, onde foi atingido pelo disparo. A arma do policial civil foi levada. 


A vítima ainda foi socorrida com vida, mas evoluiu a óbito no hospital. A equipe da Divisão de Homicídios está empenhada na investigação do crime. A Diretoria de Atendimento ao Servidor (DAS), da Polícia Civil, está prestando todo apoio necessário aos familiares do policial civil, desde apoio no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, para onde o corpo foi removido, até a posterior liberação para velório e sepultamento. A instituição externaliza seus votos de condolências à família, amigos e colegas de trabalho enlutados e roga a Deus que fortaleça a todos, nesse momento difícil.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL DEFLAGRA OPERAÇÃO PARA DESARTICULAR ESQUEMA DE CORRUPÇÃO EM MÃE DO RIO

A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira, 7, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, Ana Lúcia Magalhães, ex-vereadora do município de Mãe do Rio, nordeste paraense. A operação policial, denominada Iara, foi deflagrada nessa cidade para cumprir mais de 20 ordens judiciais, dentre as quais, três prisões preventivas, de acusados de envolvimento em um esquema de corrupção. A ação policial foi resultado de investigação realizada por policiais civis da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas, unidade policial vinculada à DRCO (Divisão de Repressão ao Crime Organizado), da Polícia Civil. 


O delegado Evandro Moreira, diretor da DRCO, explica que o trabalho investigativo foi iniciado para apurar crimes contra a administração pública de Mãe do Rio, com práticas de corrupção e parcelamento irregular de solo urbano do município. "Apuramos que vereadores do município teriam recebido indevidamente lotes no Residencial Ipiranga pra aprovarem o projeto de lei de expansão urbana de Mãe do Rio em que se inseria o citado loteamento", explica. Além do crime de corrupção, destaca o delegado, os sócios do loteamento praticaram o crime de parcelamento irregular do solo, ao comercializarem terrenos no loteamento sem possuir registro em cartório de imóveis. 

Em um primeiro momento nas investigações, a equipe de policiais civis cumpriu mandado de busca e preensão na sede do Residencial Ipiranga. Na ocasião, ressalta o delegado, foi constatado que houve o recebimento de lotes por parte de vereadores, além de bilhetes e propostas de contrato de compra e venda de terrenos para dissimular uma compra regular. "Foram apreendidos na ocasião computadores e outros objetos periciados", detalha Moreira. Após o aprofundamento das investigações, foi deflagrada mais uma fase da operação Iara para cumprir 21 mandados judiciais - três de prisão preventiva; oito de busca e apreensão e dez de condução coercitiva. 

As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz Cristiano Magalhães Gomes, titular da Comarca de Mãe do Rio. "Várias testemunhas e investigados prestaram depoimento à Polícia Civil e também apreendemos vários elementos de prova", explica o delegado. Dos três mandados de prisão, foi cumprido o mandado de prisão contra Ana Lúcia Magalhães, mais conhecida como Ana do Povão, que até o fim de 2016 exercia a função de vereadora na Câmara Municipal de Mãe do Rio. 

Os outros dois acusados estão foragidos. As investigações foram presididas pelo delegado Carlos Vieira, da Delegacia de Combate a Defraudações Públicas. A operação contou com a participação de integrantes das delegacias que compõe a DRCO, além da DRFR (Divisão de Repressão a Furtos e Roubos), do Serviço de Polícia Interestadual (Polinter), da DPI (Diretoria de Polícia do Interior), do GPE (Grupo de Pronto-Emprego), do NIP (Núcleo de Inteligência Policial) e da Divisão de Homicídios.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DESARTICULAM ESQUEMA DE COMÉRCIO DE ARMAS ILEGAIS EM TOMÉ-AÇU

As Polícias Civil e Militar flagraram nesta segunda-feira, um comércio de armas clandestinas no município de Tomé-Açú, nordeste paraense. No total, 22 armas e diversas munições de diferentes calibres foram apreendidas no interior de um carro após uma abordagem realizada em uma barreira policial no ramal da Água Branca, zona rural do município. A maioria das armas era de fabricação artesanal. Edilberto Nascimento Matos e Gilvandro de Sousa Cristo foram presos em flagrante pelo crime de comercialização de armas de fogo sem autorização. 


Em depoimento, os acusados afirmaram que as armas seriam utilizadas para caça. Em outra ação policial foi preso Renato Frankallace Batista da Silva pelo crime de roubo. Segundo o delegado Alexandre Lopes, titular da Delegacia de Tomé-Açú, durante o procedimento em flagrante foi constatado que o acusado é foragido da Colônia Agrícola Heleno Fragoso. O preso foi recapturado e recambiado ao Sistema Prisional.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA ENVOLVIDO EM TRÁFICO DE DROGAS EM BAGRE

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta segunda-feira, 7, durante investigação para apurar denúncia anônima, Lidielson Pontes Vasconcelos, de apelido Navio. Ele foi flagrado com 35 petecas de pasta-base de cocaína durante abordagem policial em Bagre, na ilha do Marajó. O delegado Marcus Pinto, titular da Delegacia local, explica que o acusado foi abordado em via pública após Lidielson ser monitorado. 

DROGAS E SUSPEITO PRESO
"Recebemos denúncia anônima durante realização de diligência. Quando ele estava em via pública, nós o abordamos e constatamos que ele carregava um saco plástico com droga", explica o policial civil, ao salientar que o acusado não apresenta passagem anterior pela Polícia. O preso está recolhido à disposição da Justiça. Além do delegado, estavam na equipe policial o escrivão Santos e investigador Silvio.

POLÍCIA CIVIL TREINA SERVIDORES PÚBLICOS PARA ATUAR COMO IDENTIFICADORES CIVIS E CRIMINAIS NO INTERIOR DO PARÁ

A Polícia Civil deu início, nesta segunda-feira, 6, a um treinamento para capacitar servidores públicos de 13 municípios paraenses para atuar como identificador civil e criminal no interior do Estado. No total, são 27 funcionários do quadro administrativo de Prefeituras cedidos à Polícia Civil, por meio de convênio, para expedir carteiras de identidade e emitir fichamentos criminais tanto nos municípios onde a corporação policial não dispuser de serviço de identificação quanto naqueles onde existir o serviço. "Independentemente disso, o serviço é sempre chefiado por um papiloscopista", explica o diretor de identificação da Polícia Civil, Ricardo Paula. 


 
O treinamento é ministrado pelo papiloscopista policial civil Roberto Valentim Novaes, da Diretoria de Identificação "Enéas Martins" (Didem). Ele explica que serão, ao todo, 21 dias de treinamento com aulas teóricas e práticas. Com o treinamento, os novos identificadores estarão preparos a coletar material para expedição de carteiras de identidade, como coleta de impressões digitais, preenchimento de prontuário com os dados civis e realização de pesquisa de informações criminais. 



Após o final do treinamento, os novos identificadores irão receber todo material usado na confecção dos documentos. Quando estiverem nos municípios onde moram e trabalham, eles ficarão responsáveis em fazer a coleta dos dados cadastrais dos cidadães e depois trazer esses dados coletados para Belém, onde irão fazer a emissão das carteiras de identidade que serão entregues na sede do município, com um prazo médio de 30 dias para entrega dos documentos.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

POLÍCIA CIVIL CONCLUI CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA POLICIAIS CIVIS EM BREVES

A Academia da Polícia Civil (Acadepol) e o Grupo de Pronto-Emprego (GPE) concluíram, nesta sexta-feira, 3, os cursos de capacitação para mais de 20 policiais civis que atuam nas Delegacias de dez municípios vinculados à Superintendência Regional do Marajó Ocidental, sediada em Breves. Iniciados no último dia 31, as atividades envolveram aulas teóricas, como investigação policial moderna, qualidade no atendimento ao público, inteligência policial, entre outros, e treinamentos práticos, como tiro policial, porte e empunhadura e técnicas de abordagem. A região de Breves foi a primeira do interior do Estado a receber os cursos em 2017. 


Os atividades foram realizadas na sede do Tiro-de-Guerra do Exército Brasileiro, em Breves. No último dia, os policiais civis passaram por treinamento de tiro com pistola calibre ponto40, escopeta calibre 12 e com a nova arma recém adquirida, carabina CT ponto30. Os policiais civis também tiveram curso de local de crime. As aulas teóricas foram ministradas pelos professores da Acadepol, Afonso Rodrigues e Kleiton Amancio, e as práticas pelos instrutores do GPE, investigadores Lima e Peri. Para o delegado Geraldo Pimenta Neto, da Superintendência de Breves, os cursos foram muito produtivos e servirão para padronizar os procedimentos operacionais. 


A partir desses cursos, ressalta o delegado, a ideia é manter uma rotina de treinamentos com os policiais civis da região. "Gostamos tanto do curso que combinei com os colegas a realizarmos treinos uma vez por mês, sob orientação dos dois policiais civis - investigadores Augusto Raulino e Victor Bricio - do GPE que estão na regional de Breves", detalha, ao ressaltar o apoio do Tiro-de-Guerra do Exército. 


A meta da Acadepol é capacitar, até o final deste semestre, mais de 600 policiais civis em todo Estado. Segundo a delegada Marlise Tourão, diretora da Acadepol, a meta é percorrer todas as Superintendências Regionais do interior do Pará para ministrar os cursos de capacitação. Dados da Acadepol mostram que, no ano passado, 1.433 servidores públicos da Polícia Civil e de outras instituições de Segurança Pública, como policiais civis, administrativos, estagiários, policiais militares, entre outros, passaram por cursos de capacitação, na Acadepol.

POLÍCIA CIVIL TRANSFERE PARA BELÉM PRESO NO INTERIOR DO PARÁ ACUSADO DE MATAR POLICIAL MILITAR REFORMADO NA CAPITAL

Policiais civis da Divisão de Homicídios conduziram, nesta sexta-feira, 3, para a sede da unidade policial, o preso Thiago Cardoso Martins, 28 anos, conhecido como Thiaguinho, acusado da autoria do assassinato do policial militar reformado Olênio Pinto Prado, 51 anos, em julho do ano passado, no bairro do Jurunas, em Belém. Ele foi preso em flagrante no município de Limoeiro do Ajuru, nordeste paraense, no último dia 1º, por tráfico de drogas, por uma guarnição da Polícia Militar, após ser flagrado, em uma casa na rua JK, bairro da Matinha. 


Após ser preso, ele foi conduzido para Cametá para ser autuado em flagrante por tráfico de drogas e outros crimes. Thiago foi transferido para Belém, ontem, e estava recolhido na Central de Triagem da Cremação, até ser conduzido para ser ouvido em depoimento pelo delegado Fernando Bezerra, presidente do inquérito. Segundo o delegado Renato Wanghon, da Divisão de Homicídios, Thiago e mais três comparsas são apontados como os autores do assassinato do policial militar. Na época do crime, o grupo pegou a vítima de surpresa no momento em que caminhava na Avenida Roberto Camelier com Rua dos Mundurucus. 

Olenio foi alvejado por vários tiros por dois homens que desceram de um carro roubado. Os criminosos fugiram do local sem levar nada do policial militar reformado, que estava armado, mas não teve chance de se defender. Depois dos tiros, os criminosos saíram em fuga no carro até uma rua, onde os três ocupantes dos veículos passaram para um táxi que já os aguardava no local e abandonaram o carro roubado. 

O crime teria sido motivado por vingança, por parte de Thiago, que teria prendido o acusado enquanto estava em atividade na Polícia Militar. Thiago responde a, pelo menos, três processos criminais na Justiça paraense, entre eles, um do ano de 2007 em que é acusado de matar um policial militar da ativa, na área do Tucunduba, bairro do Guamá, em Belém. Ele vai permanecer preso à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL JÁ PRENDE SEIS ENVOLVIDOS NO ASSASSINATO DE JOVEM DE 19 ANOS EM ANANINDEUA

A Polícia Civil identificou 14 envolvidos e destes seis já estão presos acusados de matar a jovem Mayara da Silva Martins, de 19 anos, cujo corpo foi encontrado, em 15 de julho do ano passado, nas matas do parque ambiental do Utinga, em Águas Lindas, município de Ananindeua, na Grande Belém. As informações foram prestadas, nesta sexta-feira, 3, pelos delegados Renato Wanghon e Eduardo Rollo, da Divisão de Homicídios, após a apresentação do sexto preso acusado do crime. Marcio Guilherme Prado Lima Filho, 23, de apelido Bugalu, é acusado de ser um dos mandantes do homicídio. A vítima foi sequestrada e levada para dentro da mata, onde foi torturada e morta a tiros. Do total de 14 envolvidos no assassinato, um acusado já morreu. 


Dos demais 13 acusados, dois são adolescentes. Os demais 11 são todos adultos com mandados de prisão decretados pela Justiça. Seis deles estão presos e outros cinco continuam foragidos. Márcio estava na condição de foragido de Justiça após fugir de uma casa penal no ano passado. Ele foi preso novamente por tráfico de drogas e estava recolhido na Central de Triagem da Marambaia, em Belém, com nome falso. As investigações mostraram que a morte de Mayara foi a mando de Bugalu e José Adriano Gomes Santos, 26, conhecido por Adriano Gordo, que, na época do crime, estavam presos. Atualmente, Adriano Gordo está no presídio de Catanduvas, no Paraná, por determinação da Justiça, por seu auto grau de periculosidade. 

A vítima foi morta por ter sido apontada como informante de policiais militares que prenderam em flagrante, dias antes, por tráfico de drogas, Mayara Madalena Prado Silveira, 21, prima de Bugalu e dona de um ponto de venda de drogas, em Águas Lindas. Em 14 de julho, a jovem foi levada por sua irmã Tayná de Jesus Martins de Lima, 20, e por uma amiga, menor de idade, sob alegação de que iriam consumir drogas, perto das matas do parque do Utinga. Foi uma emboscada. Ao chegar nesse local, a vítima foi surpreendida por criminosos que a obrigaram a entrar na mata e ali passaram a torturá-la até que a mataram com vários disparos. 

A tortura e a execução de Mayara foram filmadas com um celular por um dos bandidos e as imagens do crime foram compartilhadas nas redes sociais e, dessa forma, chegaram ao conhecimento público e das autoridades policiais. Além de Bugalu; Tayná, irmã da vítima; Mayara Madalena, prima de Bugalu, e Adriano Gordo, estão presos também Alef Cunha Mininea, 19 anos, também conhecido por Alace ou Walace, e Lidean da Silva Borges, 25, de apelido Fred. Estão foragidos Ewerton Correa Maués, 25, de apelido Churrasco; Alessandro do Nascimento Araújo, 22, conhecido por Sandro; Wagner Martins Gomes, 21, de apelido Peste; Leonardo Martins da Rocha, 22, de apelido Beca, e Clevyson Erick Sousa da Silva, 22.

POLÍCIA CIVIL RENDE HOMENAGENS PELO DIA NACIONAL DOS PAPILOSCOPISTAS

O dia 5 de fevereiro é o Dia Nacional do Papiloscopista. A data é destinada a homenagear esses profissionais da Polícia Civil fundamentais para a efetivação da cidadania, na elucidação de crimes e na garantia de direitos das pessoas. O dia é uma referência à data de 5 de fevereiro de 1903, quando a Papiloscopia foi implantada oficialmente no Brasil num decreto firmado pelo então presidente do Brasil, Rodrigues Alves, o de Nº 4.764 que instituiu a Secretaria da Polícia do então Distrito Federal brasileiro e regulamentou a Lei Nº 947 de 29 de dezembro de 1902, reformulando o Serviço Policial no Distrito Federal e criando a Identificação Dactiloscópica na então capital brasileira, o Rio de Janeiro.
Em 1901, portanto dois anos antes da implantação da Papiloscopia no Brasil, foi realizado o 3° Congresso Científico Latino Americano, na cidade de Montevidéu, capita do Uruguai, onde foi apresentado o método datiloscópico de identificação de pessoas. A partir da implantação desse método, surgiu no Brasil a Papiloscopia que passou a ser considerada como o uso da impressão digital de uma pessoa como prova conclusiva sobre a identidade do indivíduo. No Brasil, passou a ser usado na identificação humana o "Sistema Dactiloscópico Vucetich", a partir de uma sugestão do jornalista, poeta, político e tradutor brasileiro, José Félix Alves Pacheco. A partir de então, a Papiloscopia no Brasil vem se aperfeiçoando e alcançando novos rumos. 
Papiloscopista em atividade

A Papiloscopia é a ciência que utiliza como meio de identificação humana as saliências da pele existentes nas palmas das mãos e solas dos pés. Essas saliências são as papilas dérmicas, mais conhecidas popularmente pelo estudo das impressões digitais. O papiloscopista é o policial civil especializado na individualização humana por meio das impressões digitais, cujos desenhos são únicos em cada pessoa. Esse profissional também atua na representação facial humana – que engloba retrato falado, representação prosopográfica e projeção de idade; na identificação criminal, na perícia em local de crime, na identificação necropapiloscópica e na manutenção de bancos de dados civil e criminal, assim como na emissão de documentos de identidade.
No Pará, atualmente, existem 188 papiloscopistas policiais que atuam nos municípios-sedes das Superintendências Regionais da Polícia Civil, como Abaetetuba, Castanhal, Capanema, Santarém, Marabá, Altamira e Redenção, além de cidades como Xinguara e Parauapebas, e em Belém.
São funções do papiloscopista:
- Elaborar peças de caráter técnico referentes a documentos ou fragmentos de impressões digitais colhidos em locais de crimes;
- Realizar diligências policiais e participar de operações, quando requisitado pela autoridade competente;
- Identificação neonatal (impressões podoscópicas em recém-nascidos);
- Colher impressões digitais para os requerimentos de documentação da população;
- Realizar os exames de Representação Facial Humana (Retratos Falados, Projeções de Envelhecimento, de forma manual ou com auxílio de ferramentas computacionais);
- Realizar exames de projeção de envelhecimento em casos de desaparecidos;
- Realizar a identificação papiloscópica de indivíduos nos casos previstos em lei;
- Coordenar e organizar os arquivos de impressões digitais, conforme as técnicas de classificação das estruturas das cristas papilares;
- Consultar, incluir e emitir a folha de antecedentes criminais sobre uma pessoa (para instrução de inquéritos policiais, processos judiciais e certidões);
- Proceder consultas criminais diversas;
- Gerenciar a inclusão dos dados civis e criminais de indivíduos nos sistemas informatizados públicos.
O profissional da Papiloscopia é responsável pelos seguintes serviços:
Perícias Papiloscópicas: Procedimentos periciais que visam a emissão de laudos sobre a coleta de fragmentos de impressões digitais deixadas em locais de crime visando a identificação de pessoas.
Perícias Necropapiloscópicas: Procedimentos que visam a identificação de uma pessoa encontrada morta sem qualquer identificação.
Perícia Prosopográfica: Procedimentos usados na Perícia Papiloscópica Policial para identificação de pessoas por meio da chamada representação facial humana. Por essa ciência, é possível fazer a análise de fotos ou vídeos coletados em locais de crimes, como forma de auxiliar a investigação policial na identificação dos autores.
Perícia Iconográfica e Retrato Falado: Procedimento que visa a elaboração de laudos com montagem de representações faciais de suspeitos de crimes descritos a partir do relato de testemunhas. Os chamados retratos-falados são confeccionados com uso de programas de computador para elaborar o rosto do suspeito.
Prontuário Criminal: Documento onde constam os dados criminais de uma pessoa mediante a identificação oficial e que pode ser solicitado para embasar investigações de crimes.
Coleta e arquivamento de impressões digitais: Procedimento que visa manter um banco de dados dos prontuários civis das pessoas.
Documentos de identificação: Confecção e emissão de carteiras de identidade civil onde constam os Registros Civis (RGs).
Atestado de Antecedentes Criminais: Atualmente, no Pará, esse documento é emitido gratuitamente por meio da internet.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

PRESO CONDENADO A 9 ANOS DE PRISÃO POR ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR EM BELÉM

A Polícia Civil cumpriu, nesta quinta-feira, 2, mandado de prisão preventiva em decorrência de sentença condenatória de Jonatas de Oliveira Gomes, no bairro do Guamá, em Belém. Ele foi condenado à pena de 9 anos e 4 meses por crime de atentado violento ao pudor decorrente de processo transitado em julgado (que não cabe mais recursos na Justiça). 

Preso por atentado ao pudor contra menina em Belém (Foto: Divulgação Polícia Civil)

A prisão foi efetuada pela equipe da Seccional do Guamá, sob comando do delegado Daniel Castro. A vítima do crime foi uma menina de quatro anos. Jonatas está preso à disposição da Justiça.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

PRESO EM LIMOEIRO DO AJURU ACUSADO DE MATAR POLICIAL MILITAR REFORMADO EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira, 1º, em Limoeiro do Ajuru, nordeste paraense, Thiago Cardoso Martins, 28 anos, conhecido como Thiaguinho, acusado da autoria do assassinato do policial militar reformado Olênio Pinto Prado, de 51 anos, em julho do ano passado, no bairro do Jurunas, em Belém. Ele foi preso em flagrante no município por tráfico de drogas e conduzido para Cametá para ser autuado em flagrante pelo crime. 

PRESOS JOEL E THIAGUINHO
Ele foi preso por uma guarnição da Polícia Militar, por volta de 11h45 da manhã, em uma casa na rua JK, bairro da Matinha em Limoeiro do Ajuru junto com Joel Borges Machado, 35. Durante revista na residência, os policiais militares apreenderam dois computadores tipo notebook; relógios de pulso; pulseiras; brincos; colares; um celular e uma pistola calibre 380 com dois carregadores e 30 munições. Além dos objetos, foram apreendidos 100 gramas de maconha, 25 gramas de cocaína em pó; 58 petecas de pedras de óxi de cocaína e mais de R$ 200 em dinheiro. Ao ser preso, ele se identificou por um nome falso.

Após ser identificado corretamente, o preso foi reconhecido como acusado da morte de Olênio Prado. O crime ocorreu na Avenida Roberto Camelier, próximo à rua dos Mundurucus. Olenio estava na frente de um estabelecimento comercial, quando dois criminosos se aproximaram em um carro e passaram a efetuar disparos em direção à vítima que ainda foi conduzida com vida ao Hospital do Pronto-Socorro Municipal (HPSM) do Guamá, mas não resistiu e morreu. O veículo usado no crime, um carro roubado, foi abandonado e localizado depois. O caso foi repassado para a Divisão de Homicídios onde o inquérito foi instaurado para investigar o crime. O preso vai permanecer recolhido no interior do Estado à disposição da Justiça. A Divisão de Homicídio deverá requisitar à justiça a transferência do acusado para Belém.

POLÍCIA CIVIL PRENDE EX-POLICIAL MILITAR ACUSADO DA AUTORIA DE HOMICÍDIO EM OUTEIRO

A Polícia Civil deu cumprimento, nesta quarta-feira, 1º, ao mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça contra o ex-sargento da Polícia Militar do Pará, Gerson Vitoriano de Oliveira, 46 anos, pela autoria do assassinato de Carlos Gomes da Silva, 24 anos, em 28 de novembro de 2016, na praia do Amor, ilha de Outeiro, em Belém. Ele foi preso, em sua casa, durante a manhã, por policiais civis da Divisão de Homicídios, sob comando dos delegados José Guilherme Macedo e Eduardo Rollo. O preso foi conduzido para a sede da DH, em Belém, onde foi apresentado ao delegado Renato Wanghon, diretor da unidade policial. 

MATERIAL APREENDIDO COM ACUSADO
Ao ser preso, ele foi flagrado com mais de 200 estojos de munição de pistola calibre ponto40 e revólver 38; um revólver calibre 38 com duas munições; um par de algemas; um colete à prova de bala e seis placas de veículos diferentes, das quais, quatro de carros e uma de moto, além de uma carteira de identidade funcional da Polícia Militar. Ao todo, ele responde a seis processos criminais na Justiça, dos quais cinco por homicídio e um por concussão (extorsão praticada por servidor público). "Vitoriano é considerado um dos principais responsáveis por execuções nos distritos de Outeiro e Icoaraci", explica o delegado Wanghon, ao ressaltar a importância da prisão do ex-policial militar. Vitoriano foi expulso da PM após conclusão de processo administrativo por ter assassinado a tiros um preso que estava algemado. 

PRESO
A respeito do homicídio que resultou na ordem de prisão, explica Wanghon, a vítima foi morta enquanto falava ao celular sentada à beira da praia. Era por volta de 17h30, quando o acusado passou de moto no local e observou a vítima, que tinha uma tatuagem em destaque no corpo. "Ele (Vitoriano) perguntou sobre a tatuagem e depois saiu do local. Depois, retornou e foi em direção à vítima efetuando os disparos", conta o delegado. Carlos morreu no local. A partir das investigações, o ex-policial militar foi identificado e teve a ordem de prisão solicitada à Justiça. O delegado ressaltou que vai apurar porque o acusado matinha em sua casa as placas dos veículos e a grande quantidade de estojos de munição. Agora, ele vai permanecer recolhido à disposição da Justiça.