terça-feira, 29 de novembro de 2016

OPERAÇÃO TAPERA DESTROI 175 MIL PÉS DE MACONHA NA DIVISA DO PARÁ COM O MARANHÃO

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira, 28, durante entrevista coletiva de imprensa, os resultados da operação Tapera, realizada nos últimos sete dias, na região do rio Gurupi, divisa do Pará com o Maranhão. A operação do Sistema Estadual de Segurança Pública resultou na destruição de mais de 175 mil pés de maconha e na apreensão de 90 mil mudas da erva, mais de 15 quilos de sementes, dez quilos de maconha seca e já beneficiada e cinco prensas usadas no preparo da droga para o tráfico, além de duas armas de fogo. Ao todo, 42 roças de maconha foram localizadas, durante seis dias de operação.

Plantação de maconha é incinerada

A operação abrangeu as cidades de Cachoeira do Piriá, Nova Esperança do Piriá, Viseu e Garrafão do Norte. Do total de roças localizadas, 32 deles estavam na áreas de Cachoeira do Piriá. A área onde os plantios foram encontrados é equivalente a 100 campos de futebol. Foi a maior apreensão de drogas realizada no ano. A coletiva contou com as presenças do secretário de Segurança Pública do Pará, Jeannot Jansen; do delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, dos diretores operacionais da Polícia Civil, Silvio Maués e João Bosco Rodrigues; o diretor da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), delegado Hennison Jacob; o diretor do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, Orlando Salgado, e do coronel Leão Braga, comandante de Missões Especiais da PM.

Coletiva na Delegacia-Geral
COLETIVA
Iniciada no último dia 21, a ação policial envolveu mais de 50 agentes de Segurança Pública, entre policiais civis e militares, peritos criminais e equipes do Grupamento Aéreo com uso de helicópteros para sobrevoar a região e localizar as roças da droga no meio da mata. O delegado Hennison Jacob, um suspeito de ser responsável pelo cultivo na região já foi identificado. "Ele chegou a ser preso recentemente em flagrante com 40 quilos de maconha, mas foi solto", detalha, ao salientar que as investigações irão continuar para prendê-lo. Ele detalha que os donos dos terrenos onde estavam as plantações serão chamados para prestar explicações.


As áreas onde foram encontradas as plantações de maconha ficam na região do Alto Rio Guamá, às margens do rio Gurupi, e estão localizadas em propriedades particulares. O trabalho policial contou com apoio do Grupamento Aéreo do Maranhão que também estava fazendo o mesmo trabalho no lado maranhense. A meta da operação foi erradicar o cultivo da erva na região e identificar os responsáveis pelos plantios. Para o delegado-geral, o terreno situado em área fértil é propício para o cultivo da erva na região.

Delegado Hennison Jacob na coletiva
DELEGADO HENNISON JACOB
Foram encontrados nos terrenos onde a droga era cultivada materiais usados no plantio, como baldes, galões para transporte de combustível, e barracas de lonas plásticas montadas nas plantações. Foram apreendidas ainda armas de fabricação caseira, conhecidas como "bofetes", usadas em armadilhas no meio da mata. O secretário de Segurança Pública destacou, durante a coletiva, a integração dos órgãos do Sistema de Segurança Pública para realizar a operação, que contou com apoio do Estado do Maranhão. "A operação alcançou seu objetivo com êxito", destaca. 

Ele ressaltou que a vasta área usada na plantação da droga na região vai exigir mais operações. Jansen destaca o trabalho desenvolvido pela Denarc, unidade policial recém inaugurada para atuar de forma específica na repressão ao tráfico de drogas no Estado. "A Denarc deixa de ser uma promessa de uma nova etapa no combate ao tráfico de drogas para ser uma realidade", frisa.