terça-feira, 8 de novembro de 2016

DELEGADA DA POLÍCIA CIVIL DO PARÁ PALESTRA SOBRE GOLPE DO FALSO MÉDICO NA BAHIA

A operação "Prontuário", da Polícia Civil do Pará, que desarticulou uma organização criminosa responsável por golpes contra familiares de pacientes internados em hospitais no Pará e em outros Estados brasileiros, foi destaque, nos últimos dias 3 e 4, durante dois eventos realizados em Salvador, na Bahia. A delegada Karina Campelo, da Divisão de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos do Pará (DPRCT), palestrou sobre como se prevenir da fraude do falso médico, no dia 3, no auditório Luigi Faroldi, do Hospital São Marcos, na capital baiana. 


No dia 4, a palestra foi realizada no auditório Jorge Figueira, do hospital Santa Izabel. Graduada em Direito pela Universidade da Amazônia (Unama) e especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal, a delegada foi ao evento para prestar orientações e esclarecimentos não só sobre a operação policial, como ainda sobre a fraude cometido pelo grupo criminoso que prejudicou familiares de pacientes internados em diversos hospitais. 

As palestras contaram com as presenças de funcionários da área médica dos hospitais. Os golpistas se passavam por médicos e, com os dados de pacientes nas mãos, convenciam os familiares de pacientes de hospitais a pagarem altos valores para o tratamento, devido ao suposto agravamento da saúde do internado. Segundo a delegada, as palestras foram solicitadas à Polícia Civil do Pará pelo fato de que muitos hospitais de Salvador continuam a receber informações sobre ligações de criminosos.

POLÍCIA CIVIL APREENDE 15 ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI EM BELÉM

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Atendimento ao Adolescente (DATA), finalizou, ontem, a operação denominada Pokemon, com objetivo de identificar e apreender 15 adolescentes suspeitos de cometer atos infracionais de furtos e roubos, neste ano, na capital paraense. A delegada Adriana Magno, diretora da DATA, explica que, a operação foi deflagrada após o levantamento feito pela equipe policial sobre inquéritos da Delegacia de Atendimento ao Infrator (DAI), cujos autores dos atos infracionais não haviam sido identificados durante a investigação, ao longo do ano. 

SEDE DA DATA
Assim, explica a policial civil, a equipe policial foi orientada a dar continuidade à apuração dos casos para se chegar aos autores. Em decorrência da operação, a equipe de policiais da DATA recuperou objeto furtado e roubado e fez a entrega ao proprietário. O adolescente responsável pelo ato infracional teve a internação determinada pela Justiça. Nos outros casos, os adolescentes foram submetidos a medidas judiciais como liberdade assistida, prestação de serviço comunitário, semi-liberdade e medidas sócio-educativas. 

Somente em 2016, explica a delegada, a DAI, unidade policial vinculada à DATA, autuou 82 adolescentes por roubo e outros 25 por furto, dos quais 15 deles foram alvos da operação. A ação policial foi deslanchada nos meses de agosto e outubro. Além dessa operação, a DAI é responsável por outras operações como a Voo de Águia, a Cai na Real e a Raízes que visam o cumprimento de mandados de busca e apreensão, de internação provisória e definitiva. De janeiro até novembro, foram cumpridos 200 mandados relativos às três operações.