segunda-feira, 24 de outubro de 2016

INVESTIGADORA DA POLÍCIA CIVIL DE BREVES VAI CONCORRER AO PRÊMIO SERVIDOR NOTA 10 DO ESTADO DO PARÁ

A Polícia Civil será representada, este ano, no Prêmio Servidor Nota 10 do Governo do Estado, pela investigadora Dulcelina Brasil Nunes, lotada na sede da Superintendência da Região do Marajó Ocidental, localizada em Breves. Aos 57 anos de idade e 25 anos de carreira policial, a policial civil foi escolhida, entre os 27 servidores públicos indicados por colegas de trabalho na instituição policial. A escolha foi realizada por uma Comissão de Avaliação formada por servidores da corporação policial com base nos critérios de assiduidade, disciplina, iniciativa, produtividade e responsabilidade. Nomeada ao cargo policial em 10 de setembro de 1991, após aprovação em concurso público, Dulcelina trabalha há 11 anos em Breves. 

INVESTIGADORA DULCELINA NUNES
O evento de anúncio do Servidor Nota 10 do Estado será realizado nesta quinta-feira, 27, em Belém. Ela começou a carreira na Delegacia da Terra-Firme, em Belém, nesse mesmo ano. Nessa Delegacia, a policial civil chegou a atuar por mais de oito anos. Em seguida, a investigadora trabalhou na antiga Seccional do Comércio e na Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), ambas em 2000. Após esse ano, a investigadora trabalhou na Seccional da Sacramenta, onde permaneceu até 2005, quando foi transferida para a cidade de Breves. Desde então, ela tem atuado na Delegacia da Mulher de Breves e na Superintendência da Região do Marajó Ocidental. 

Para ela, a escolha de seu nome ao prêmio mais importante do funcionalismo público do Estado do Pará deve-se a dedicação ao trabalho. "Gosto do que faço. Não tem tempo, não tem hora. Eu me entrego muito ao trabalho", salienta a policial civil, que, em setembro deste ano, concluiu o curso superior de Administração de Empresas em uma universidade particular. Sobre o trabalho policial desempenhado há mais de uma década em Breves, a policial civil afirma que se afeiçoou à região, onde, grande parte da população vive em áreas ribeirinhas. 

"Procuro buscar a aproximação e interação com as pessoas, e isso tem consequências diretas no meu trabalho", explica. O Prêmio Servidor Nota 10 é uma realização da Escola de Governança Pública do Estado do Pará, com objetivo de valorizar o servidor público pela excelência quanto ao desempenho e reconhecimento pelo mérito profissional. Durante o evento de premiação, estarão reunidos todos os servidores públicos indicados em todos os órgãos do Governo, e na presença do Governador Simão Jatene, será feito o sorteio que elegerá e premiará com R$ 5 mil o Servidor Nota 10 do Estado.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DESARTICULAM PONTO DE TRÁFICO DE DROGAS EM PORTEL

As Polícias Civil e Militar divulgaram, nesta segunda-feira, 24, os resultados de uma operação que levou à desarticulação de um esquema de tráfico de drogas, em Portel, no Marajó. Durante a ação policial, os policiais desmontaram um ponto comercial que era usado como fachada para o tráfico de drogas. O casal José Raimundo da Costa Moura, de apelido "Loiro", e Maria de Jesus Batista dos Santos, de apelido "Boneca", foram presos em flagrante no local com drogas, dinheiro e objetos, como celulares e relógios de pulso, sem procedência confirmada. 

Apreensões
APREENSÕES
De acordo com o delegado Paulo Junqueira, titular da Delegacia de Portel, o casal, que vai responder por tráfico e associação para o tráfico de drogas, foi preso após os policiais flagrarem um usuário comprando drogas no estabelecimento comercial. Ao ser abordado, ele estava com uma pedra de crack que havia acabado de comprar no comércio. 

Assim, os policiais entraram no local, onde, durante revista, apreenderam cerca de R$ 900 em notas trocadas; seis telefones celulares e dois relógios sem notas-fiscais. Após o procedimento de prisão em flagrante lavrado pela Polícia Civil, o casal foi apresentado ao juiz do município, que homologou o flagrante e converteu para prisão preventiva, para que os acusados permaneçam recolhidos para responder pelos crimes.

OPERAÇÃO INTEGRADA RESGATA ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO EM SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira, 24, os resultados de uma operação integrada em parceria com a Polícia Militar, Ministério Público Estadual e Conselho Tutelar, realizada, no último final de semana, em São Sebastião da Boa Vista, na ilha do Marajó, para prevenir e combater crimes contra crianças e adolescentes e reprimir o tráfico de drogas. Ao todo, seis adolescentes encontrados em situação de risco em casas noturnas foram resgatados desses locais. Uma pessoa foi conduzida para a Delegacia loca para responder por crime de desacato. Um bar sem alvará para funcionar foi fechado. 

Fiscalização em São Sebastião da Boa Vista
FISCALIZAÇÃO NO MUNICÍPIO
Segundo o delegado Társio Martins, titular da Delegacia do município, a ação policial fiscalizou logradouros públicos e estabelecimentos de diversão pública da cidade, no período noturno, com foco principal na garantia dos direitos da infância e adolescência e para prevenir crimes em geral. Ele explica que todos os adolescentes resgatados foram encaminhados ao Conselho Tutelar para providências administrativas junto aos responsáveis dos jovens. Os responsáveis pelos estabelecimentos foram orientados sobre os direitos e deveres e sobre a proibição da permanência de menores de idade nesses locais nos horários proibidos por lei como forma de evitar crimes e situações de risco aos jovens. 

Os agentes fiscalizaram logradouros da cidade, como praças e orlas, em áreas em que a comunidade da cidade tem reclamado de ocorrências de crimes e exposição de jovens em situação de risco. Ainda, esta semana, será realizada uma reunião com os responsáveis por esses estabelecimentos para esclarecê-los. O MPE pretende realizar uma audiência pública sobre o tema em novembro. A ação policial foi uma continuidade de outras ações desenvolvidas de forma integrada entre os órgãos públicos de São Sebastião da Boa Vista. 

No último dia 5, a Polícia Civil, o MPE local e um oficial da Comarca Judiciária resgataram três crianças em situação de risco. Uma delas era um recém-nascido desnutrido. As outras duas crianças não estavam frequentando a escola. As três apresentavam problemas de saúde. Na ocasião, o MPE representou pela perda provisória do poder familiar dos pais e guarda para a avó, além da da inscrição das crianças em programas sociais e assistência médica. A Polícia Civil, por sua vez, representou na Justiça por medidas protetivas para a avó do bebê, devido ameaças feitas pelo pai.