quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PRÉDIO DA DIVISÃO ESTADUAL DE NARCÓTICOS TEM DATA DE INAUGURAÇÃO PREVISTA PARA O PRÓXIMO DIA 25

A Polícia Civil deve inaugurar, no próximo dia 25, as instalações da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), nova unidade policial localizada no bairro do Telégrafo, em Belém. As obras no prédio, onde antigamente funcionou a Delegacia do bairro, foram entregues, nesta quarta-feira, 19, e as instalações estão recebendo mobílias e climatização. A obra é resultado de um investimento superior a R$ 1 milhão feito pelo Governo do Pará. 

NOVA UNIDADE DA POLÍCIA CIVIL
A Denarc vai substituir a atual DRE (Delegacia de Repressão a Entorpecentes) e terá atuação em nível estadual voltada à prevenção e à repressão ao tráfico e consumo de entorpecentes no Estado. O novo prédio está localizado na Avenida Coronel Luís Bentes próximo à Avenida Pedro Álvares Cabral. O imóvel vai contar com espaços amplos, para a realização de atividades educativas voltadas à prevenção do uso das drogas com foco nos estudantes de escolas públicas e privadas. 

Novo prédio da Denarc
DEPENDÊNCIAS DO PRÉDIO DA DENARC
Com a Denarc, o trabalho preventivo por meio de palestras e distribuição de material informativo, dentro da campanha educativa "Sou Careta: Não Uso Drogas" será intensificado. Com dois pavimentos, o novo prédio dispõe de sala de atendimento ao público, recepção, auditório, estacionamento, depósito de apreensões, sala de Chefia-de-Operações, entre outros compartimentos.

Quando estiver em funcionamento, a Denarc será um avanço para as atividades da atual DRE, que é vinculada à Diretoria de Polícia Especializada que hoje atua para debelar o problema do tráfico de drogas, em coordenação com a Diretoria de Polícia do Interior (DPI) e a Diretoria de Polícia Metropolitana, com apoio da Polícia Militar.

POLÍCIA CIVIL DEFLAGRA OPERAÇÃO VIRTUALIS PARA COMBATER ESQUEMA DE FRAUDES AMBIENTAIS NO PARÁ

A Polícia Civil deflagrou, nesta quinta-feira, 20, a operação Virtualis, com objetivo de desarticular esquema de fraudes ambientais que envolviam representantes de empresas madeireiras no Pará e servidores públicos da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa). As informações da operação foram prestadas durante entrevista coletiva, na Delegacia-Geral, pelo delegado-geral, Rilmar Firmino; delegado Silvio Maués, diretor de Polícia Especializada, e delegada Juliana Cavalcante, da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA) e responsável pelas investigações. Ao todo, 14 pessoas foram presas, entre elas, sete servidores da Sefa, no Pará, e nos Estados do Maranhão e Bahia.


A ação policial foi iniciada por volta de 5 horas com a concentração dos policiais civis na Delegacia-Geral, de onde, após reunião, saíram em direção aos alvos. Estiveram em atuação policiais civis de Divisões da Polícia Civil vinculadas à Diretoria de Polícia Especializada (DPE) e unidades do interior do Estado. Nos locais de cumprimento dos mandados de busca e apreensão, os policiais civis apreenderam anotações, documentos de movimentação financeira, computadores, entre outros objetos de interesse da investigação. Tudo vai passar por perícia.

Coletiva de imprensa. Ao lado, delegada Juliana Cavalcante
COLETIVA DE IMPRENSA. AO LADO, DELEGADA JULIANA CAVALCANTE
ESQUEMA As investigações mostraram que o esquema envolvia inicialmente a obtenção de créditos virtuais, de forma irregular, por meio do Sisflora (Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais do Estado do Pará), administrado pela Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Aliado a isso, havia pagamento de propina para fiscais da Sefa fazer "vista grossa" quanto ao deslocamento de caminhões com cargas de madeira. As empresas envolvidas teriam recebido no esquema 600 mil metros cúbicos de madeira serrada em créditos florestais entre 1º de março e 30 de setembro de 2013. 

Apreensões
APREENSÕES
Somente uma das empresas do ramo de comércio e transportes de madeira recebeu, nesse período, 30.581,20 metros cúbicos, o que representa mais de R$ 14,5 milhões em créditos florestais. Durante as investigações, foi detectado o envolvimento no esquema de madeireiros, empresários e servidores públicos da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa). Os levantamentos mostram que eles agiam em um esquema que também envolvia o pagamento de propina na Cerat (Coordenação Executiva Regional de Administração) da Sefa em Altamira, com participação de auditores fiscais e quatro funcionários do grupo de carreira da administração tributária. Os presos irão permanecer recolhidos à disposição da Justiça. As investigações continuam.

A Secretaria de Estado da Fazenda informa que, ao tomar conhecimento das prisões de servidores fazendários, determinou à Corregedoria Fazendária da Sefa a adoção de medidas pertinentes a apuração da conduta dos servidores, por meio de processo administrativo. Os servidores presos são lotados em Altamira. Dois integram a carreira da Administração Tributária e os demais são servidores administrativos.

PRESOS ACUSADOS DE MATAR COMERCIANTE EM RURÓPOLIS

Policiais civis de Rurópolis e de Placas, no sudoeste do Pará, com apoio da Superintendência da Regional do Tapajós, prenderam ontem, em cumprimento a mandados de prisão temporária expedidos pela Justiça, Gilmar da Silva e Marcos Henrique Oliveira da Silva, acusados de envolvimento na morte da comerciante Evanilda Rodrigues da Silva. A vítima foi morta no último dia 15, no bairro Centro, em Rurópolis, mesmo município onde ocorreram as prisões. As investigações apontaram que Evanilda Silva era ex-companheira de Gilmar e que o crime teria sido motivado por interesses pessoais e patrimoniais do acusado. 

PRESOS MARCOS HENRIQUE E GILMAR
Segundo o delegado Ariosnaldo Vital Filho, titular da Delegacia de Rurópolis e responsável pelas investigações, a vítima era dona de uma padaria e planejava vender o comércio para dividir o valor da venda com o ex-companheiro. Em depoimento, Gilmar da Silva negou o crime, porém testemunhas afirmaram que ele possuía um relacionamento conturbado com a vítima. O outro acusado, Marcos Henrique de Oliveira, é apontado como a pessoa que teria cedido a Gilmar a faca utilizada no crime. 

Ao ser preso, Marcos foi flagrado com uma motocicleta que pertence a Gilmar Silva e que foi usada para fugir após o crime. A vítima foi morta a facadas. Os presos ficaram de ser transferidos ao presídio do Centro Regional de Recuperação de Itaituba para ficar recolhidos à disposição da justiça. As investigações irão prosseguir para esclarecer os fatos. A operação foi coordenada pelos delegados Ariosnaldo Vital Filho e Vicente Gomes, superintendente da Polícia Civil na região do Tapajós.