segunda-feira, 3 de outubro de 2016

POLÍCIA CIVIL APREENDE EQUIPAMENTOS USADOS USADOS EM PRÁTICA DE POLUIÇÃO SONORA EM BELÉM

A Polícia Civil apreendeu, neste domingo, 2, durante fiscalização realizada para coibir a poluição sonora no dia das eleições, em Belém, sete fontes sonoras (caixas de som e equipamentos de sonorização) usadas por pessoas que faziam propaganda para candidatos. A ação policial foi deslanchada por policiais civis da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA). 

APREENSÕES
Conforme o delegado Luis Xavier, diretor da DEMA, a operação foi realizada em diversos bairros da capital. Os donos dos equipamentos de som irão responder em Termos Circunstanciados de Ocorrência por crime de poluição sonora previsto no artigo 54, da Lei de Crimes Ambientais, número 9.605/98. 

Ainda, conforme o delegado, os objetos apreendidos foram encaminhados à Justiça juntamente com os termos do procedimento policial lavrado pelo delegado Vicente Costa, na DEMA. A operação foi realizada pela equipe formada pelos policiais civis Carneiro, Trindade, Cláudio, Marizete e Veraldo.

POLÍCIAS CIVIL E FEDERAL REALIZARAM MAIS DE 160 PROCEDIMENTOS POR CRIMES ELEITORAIS NO ÚLTIMO FINAL DE SEMANA

As Polícias Civil e Federal efetuaram mais de 160 procedimentos policiais referentes a crimes eleitorais, nos dias 1º e 2 de outubro, em todo Estado. O dado divulgado, nesta segunda-feira, 3, é resultado do trabalho conjunto desenvolvido pelas duas instituições policiais para combate aos crimes eleitorais, no último final de semana, em apoio à Justiça Eleitoral. Desse total de procedimentos policiais registrados nos dois dias, foram efetuados 38 flagrantes de crimes eleitorais e foram lavrados 125 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs), em que os crimes eleitorais são de menor potencial ofensivo e não resultam em prisão em flagrante. 


O trabalho conjunto da operação "Eleições 2016" foi coordenado pela delegada-geral adjunta da Polícia Civil, Christiane Ferreira, e pelo delegado da Polícia Federal, André Ribeiro. Para a delegada-geral adjunta, o trabalho das Polícias Civil e Federal durante a operação foi um sucesso. "O trabalho integrado da Polícia Civil com a Polícia Federal foi o melhor de todas as eleições, visando combater da forma mais eficaz possível os crimes eleitorais em todo o Estado", destacou. 

Somente a Polícia Civil foi responsável por 156 procedimentos por crimes eleitorais no Pará, no sábado e no domingo. Apenas no domingo, dia 2, em todo Estado, foram lavrados 136 procedimentos, dos quais foram 107 TCOs, 27 inquéritos por flagrante, um Boletim de Ocorrência Circunstanciado (BOC) em relação a adolescente apreendido em flagrante e foi instaurado um inquérito policial para investigar crime eleitoral. 

No sábado, dia 1º, a Polícia Civil lavrou 20 procedimentos nas Delegacias de Polícia no Pará, por crimes eleitorais. Foram 10 TCOs, nove flagrantes e foi instaurado um inquérito policial. Já a PF efetuou oito TCOs - dois em Belém e seis em Altamira - por crimes eleitorais no Pará e lavrou dois flagrantes - um em Santarém e outro em Belém - por crime eleitoral, no sábado e domingo. 

Nos municípios em que a Polícia Federal está presente, como Belém, Altamira, Marabá e Santarém, a Polícia Civil ficou responsável somente pela lavratura dos TCOs, enquanto que as equipes da PF realizaram a lavratura de prisões em flagrante por crime eleitoral. Já nas cidades em que não havia presença da Polícia Federal, a Polícia Civil ficou responsável por lavrar todos os procedimentos policiais de crimes eleitorais.

Operação Sarué 

Dentre as ações conjuntas realizadas por policiais federais e civis, destaca-se a operação "Sarué", realizada em Marabá, sudeste paraense, no sábado, dia 1º, para combater crimes eleitorais com suposto envolvimento de candidatos e outras pessoas em esquema de compra de votos. O trabalho foi realizado em conjunto com o Ministério Público Eleitoral. No total, 28 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Durante a operação, uma pessoa flagrada de posse de três revólveres e munição ilegais. Assim, foi autuada em flagrante por porte ilegal de armas de fogo e munição.

Crimes eleitorais

Dentre as prisões em flagrante, o crime que mais incidiu no Pará foi o de oferecer dinheiro para compra de votos. Já entre os crimes em que cabe a lavratura de TCO, o maior registro foi de casos de boca-de-urna, que se trata de propaganda ilegal no dia da eleição. A maioria dos casos de crimes eleitorais registrados pela Polícia Civil no Pará, durante o domingo, dia 2, ocorreu em Belém, com 10 TCOs por prática de boca-de-urna. O segundo maior registro de ocorrência ainda no dia 2 foi na Região Metropolitana de Belém, com 8 TCOs de boca-de-urna. No interior do Pará, a 10ª Região Integrada de Segurança Pública, que compreende os municípios de Redenção, Conceição do Araguaia, Floresta do Araguaia, Pau D'arco, Santa Maria das Barreiras e Santana do Araguaia, foi a que mais registrou ocorrências de crimes eleitorais, com oito casos.