quarta-feira, 21 de setembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PRENDE FORAGIDO DA JUSTIÇA DO ESPÍRITO SANTO EM PARAGOMINAS

A Polícia Civil deu cumprimento nesta quarta-feira, 21, em Paragominas, nordeste do Pará, ao mandado de prisão preventiva expedido pela justiça do Estado do Espírito Santo contra José Gazole de Abreu, pelo crime de homicídio. Ele é acusado de matar o próprio pai. A prisão foi realizada após a equipe policial de Paragominas receber informação de que um foragido da justiça do Espírito Santo estava no município. 


A operação foi comandada pelo delegado Pedro Rocha e contou com a participação dos investigadores Bruno de Castro, Clayton Pereira e Miguel Tomaz; e da escrivã Cibele Rolim. O acusado permanece preso em Paragominas à disposição da justiça do Espírito Santo, para onde será recambiado para responder ao processo.

POLÍCIA CIVIL INCINERA CERCA DE 600 QUILOS DE DROGAS APREENDIDAS EM OPERAÇÕES POLICIAIS NO PARÁ

A Polícia Civil destruiu, nesta quarta-feira, 21, mais de meia tonelada de drogas apreendidas, em 2015 e este ano, em operações integradas para repressão e combate ao tráfico de drogas na capital, região metropolitana e interior do Estado. As drogas foram incineradas, pela manhã, na sede de uma indústria de cerâmica, no bairro da Pedreirinha, município de Marituba, na grande Belém. Ao todo, foram queimados cerca de 600 quilos de drogas, dentre os quais 130 quilos de cocaína e o restante de maconha nos formatos haxixe e Skank - tipos de maconha modificada em laboratório para potencializar os efeitos alucinógenos. 

Incineração de drogas
INCINERAÇÃO
Autorizada pela Justiça, a incineração foi coordenada por policiais civis da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), unidade vinculada à Diretoria de Polícia Especializada da Polícia Civil e contou com as presenças de representantes do Ministério Público do Estado, Vigilância Sanitária e Corregedoria da Polícia Civil. Conforme o delegado Hennison Jacob, titular da DRE, as drogas são resultados de operações das Polícias Civil e Militar, para combate ao tráfico de drogas, realizadas no ano passado e ao longo deste ano. Essa foi a segunda incineração de drogas do ano. 

Incineração de drogas


Em 17 de junho, a Polícia Civil incinerou cerca de meia tonelada de drogas, em maioria, derivados de cocaína, como pedras de óxi e pasta, e ainda derivados de maconha, como haxixe e "limãozinho", apreendidas durante operações realizadas pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Polícia Civil, e por unidades policiais da Grande Belém e da Polícia Militar, entre 2014 e este ano. 

De acordo com o delegado Hennison Jacob, a lei nº 12.961, de abril de 2014, determina que drogas apreendidas devem ser incineradas, mediante autorização judicial, com prazo de até dias após a comunicação do flagrante feita pela autoridade policial. A presença do Ministério Público do Estado na queima das drogas é prevista pela lei 11.343/2006, que determina que um promotor de Justiça deve acompanhar a incineração autorizada pela Justiça de entorpecentes apreendidos em operações policiais.

POLÍCIA CIVIL PRENDE CASAL ACUSADO DE INTEGRAR GRUPO DE "PIRATAS" QUE ASSALTOU NAVIO NO MARAJÓ

A Polícia Civil prendeu, na noite de ontem, dia 20, um casal acusado de envolvimento em um grupo de assaltantes de embarcações, popularmente chamados de "piratas", responsável pelo assalto ao navio Luzeiro, em Muaná, na ilha do Marajó. As prisões foram realizadas por policiais civis da Delegacia de Polícia Fluvial (DPflu), unidade vinculada ao Grupamento Fluvial de Segurança Pública do Estado.   

PRESOS
Os presos são Waldir Alho Marques, de apelido "Pezão", e a companheira dele, Taiane Rodrigues Pinheiro. Waldir é um dos principais líderes do grupo de "piratas" conhecido como Família Caterpillar, que tem base no bairro da Pratinha, em Belém. O assalto ao navio ocorreu, na madrugada do último dia 12, quando a embarcação transportava 262 passageiros com destino à Belém. Na ocasião do crime, um passageiro de 59 anos chegou a se jogar na água em desespero e foi resgatado com vida depois de horas.

Durante o assalto, policiais militares, que viajavam como passageiros, chegaram a trocar tiro com os criminosos, mas não conseguiram impedir o roubo.

A pistola calibre ponto40 de um dos policiais foi roubada pelos "piratas". Após a fugas dos bandidos, a Delegacia de Polícia Fluvial iniciou as investigações e conseguiu prender em flagrante, no mesmo dia do crime, três pessoas e apreendeu oito armas de fogo longas, inclusive, um fuzil, usadas pelo bando. 

Além do armamento, a equipe da DPFlu apreendeu uma lancha, tipo voadeira, que foi usada no crime e recuperou diversos objetos roubados das vítimas do assalto ao navio. Os demais integrantes do bando fugiram. Durante as investigações do crime, explica o delegado Arthur Braga, titular da DPFlu, os policiais civis receberam informação de que integrantes do grupo de "piratas" estavam escondidos em uma quitinete localizada na Passagem Dois Amigos, Vila Saraiva, no bairro Pratinha II, em Belém.  

OBJETOS APREENDIDOS
Assim, os policiais civis foram até o local, onde esperaram o momento certo para fazer a abordagem. "Foi feita a entrega de uma pequena mudança no local. Após essa entrega, os policias fizeram a abordagem na residência", explica. No local, foi preso Waldir Alho Marques, de apelido "Pezão", e a companheira dele, Taiane Rodrigues Pinheiro. 

Durante a revista no imóvel, foram encontradas munições de pistola calibre .40, arma de uso restrito por lei a policiais, além de uma porção de maconha, uma balança digital usada para medir a droga, R$ 191,25 em dinheiro, uma caixa de som, um ventilador, um televisor de 32 polegadas e um aparelho celular, um aparelho tipo Pendrive, que foi roubado de um dos passageiros durante o assalto ao navio Luzeiro em Muaná. 

O objeto foi identificado, explica o delegado, porque contém diversos documentos descritos pela vítima e o nome do proprietário que registrou boletim de ocorrência na Delegacia. O casal permanece preso à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL PRENDE UNIVERSITÁRIO EM FLAGRANTE ACUSADO DE VENDER DROGAS EM FRENTE DE FACULDADE EM ALENQUER

A Polícia Civil divulgou, nesta quarta-feira, 21, as prisões de dois homens envolvidos nos crimes de tráfico de drogas e roubo, em Alenquer, oeste paraense. Um dos presos é o universitário Hebert Alan Barrozo, 29 anos, acusado de vender drogas em frente a uma faculdade no município. Ele foi flagrado no último sábado, quando depois que policiais civis receberam denúncias anônimas sobre a prática criminosa. Barroso é estudante do curso de Pedagogia e foi preso pela equipe policial em sala de aula.

UNIVERSITÁRIO PRESO
ACUSADO DE ASSALTO
Ao ser revistado, o acusado portava 16 petecas de drogas, das quais três de pó de cocaína e 13 de maconha e um telefone celular que usava para se comunicar com os compradores. O preso foi apresentado ao delegado Djalmo Nogueira que o autuou por tráfico de drogas. 

ASSALTO O outro preso, que estava com mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça por roubo, é Josenias Duarte dos Santos. Ele é acusado de envolvimento no assalto a um estabelecimento comercial no município. O crime ocorreu há um mês. Na ocasião, explica o delegado Edjalmo Nogueira, Josenias deu ajuda ao autor do assalto na fuga. O outro envolvido no crime está sendo investigado. Josenias vai permanecer preso à disposição da Justiça.

PRESO EM TRACUATEUA NO PARÁ EX-ASSESSOR DE PREFEITO AFASTADO NO MATO GROSSO DO SUL

As Polícias Civil e Militar cumpriram, nesta terça-feira, 20, o mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul contra Ronan Edson Feitosa de Lima, 38 anos, natural de Alto Araguaia (MT). Ele foi preso, em Tracuateua, nordeste paraense, em decorrência de mandado de prisão expedido pela Comarca de Mato Grosso do Sul. O preso é ex-assessor do prefeito afastado de Campo Grande, Gilmar Olarte, e é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro obtido em esquema de agiotagem. 

PRESO
Ele foi preso em Tracuateua, durante ação conjunta de policiais civis e militares de Tracuateua, mediante informação repassada pelo Núcleo de Inteligência Policial em apoio ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul.

O pedido de prisão preventiva foi expedido pelo desembargador Luiz Cláudio Bonassini em agosto deste ano. 

Ronan é réu na ação de corrupção passiva no caso dos cheques em branco em processo do qual responde também o ex-prefeito Olarte. Ronan foi preso por volta das 19 horas, quando foi abordado em um carro em frente a casa de familiares.

Ao ser abordado, ele não reagiu. Ronan de Lima foi encaminhado para a Superintendência da Polícia Civil em Capanema, onde está recolhido à disposição da Justiça do Mato Grosso do Sul.

Segundo o delegado Augusto Damasceno, a prisão de Ronan já foi comunicada ao Sistema Penitenciário do Pará, que ficou de providenciar a transferência do preso para uma Casa Penal, na região metropolitana de Belém, onde o preso vai aguardar o recambiamento para Campo Grande.