sexta-feira, 9 de setembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PRENDE MULHER ACUSADA DE ESTELIONATO EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu, nesta sexta-feira, 9, em cumprimento de mandado de prisão preventiva, a universitária Sheila Melo Pereira, 31 anos, que foi indiciada pelo crime de estelionato. Ela é acusada de usar um documento de identidade falso com os dados de uma arquiteta para fazer compras em um shopping center e também habilitar chips de telefone celular e compras em lojas de informática. As investigações duraram cerca de três meses até a identificação da acusada. Com a presa, foram apreendidas diversas roupas de alto valor, talões de cheques, notas fiscais, cartões eletrônicos e documentos de identidade diversos. A prisão foi cumprida por policiais civis da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE), sob direção do delegado Neyvaldo Silva.

Roupas, documentos e demais objetos apreendidos
APREENSÕES
A vítima compareceu pela manhã para prestar depoimento na DIOE. Ela conta que perdeu a carteira de identidade, onde consta o número do CPF, ao fazer uma compra em uma loja. Ao voltar para procurar o documento, mão o encontrou mais no local. Tempos depois, recebeu notificações de que estava com o nome em restrição no comércio. Ao verificar que não fez uso de cartões de crédito, a vítima registrou boletim de ocorrência e as investigações foram iniciadas. Durante a apuração do caso, explica a delegada Rosamalena Abreu, responsável pelo procedimento, os policiais civis chegaram à foto da acusada por meio das redes sociais. 

Com a foto, a acusada foi identificada pelo gerente de uma loja no shopping center, onde a acusada fez diversas compras de roupas usando o documento de identidade falso e CPF em nome da vítima, que, por causa disso, ficou com nome "sujo" no Serasa. Com base na identificação da acusada, foi solicitada à Justiça a prisão preventiva da acusada e busca e apreensão na casa dela, localizada na travessa Teófilo Conduru, em Canudos, na capital paraense. Pela quantidade de documentos encontradas com a acusada, a delegada acredita que existam diversas vítimas e que também outras pessoas estejam envolvidas no crime. Sheila vai responder por estelionato e permanecer presa à disposição da Justiça.