quinta-feira, 25 de agosto de 2016

POLÍCIA CIVIL PROMOVE PEREGRINAÇÃO EM HOMENAGEM À VIRGEM DE NAZARÉ COM PEREGRINAÇÃO EM DELEGACIAS DE BELÉM

A Polícia Civil chegou, nesta quinta-feira, 25, ao 13º local da peregrinação iniciada no último dia 9 em homenagem à Nossa Senhora de Nazaré, a padroeira dos paraenses, e que faz parte da programação do 18º Círio da corporação policial. Desta vez foi a vez da equipe da Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) do Tapanã, no distrito de Icoaraci, em Belém, receber a visita da comissão de servidores públicos responsável pela peregrinação que antecede à procissão do Círio da Polícia Civil, que será realizado no último domingo de setembro. A imagem saiu, pela manhã, da Seccional Urbana de Icoaraci e foi conduzida até a UIPP do Tapanã. 



A imagem foi recepcionada pelo delegado Fabiano Amazonas, diretor da UIPP, onde a equipe de servidores participou da novena em homenagem à padroeira. Uma mesa foi preparada como local onde a imagem vai passar as próximas 24 horas. Ao redor do local, ornamentações com balões e flores embelezaram o ambiente na Unidade. Com orações e cânticos religiosos, os participantes da programação louvaram à Virgem de Nazaré, para que continue a abençoar o trabalho desenvolvido na UIPP do Tapanã. A imagem vai permanecer até esta sexta-feira, 26, quando será levada para a Seccional Urbana da Marambaia. 

POLÍCIA CIVIL PROMOVE SEMINÁRIO PARA DEBATER O TEMA AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA EM BELÉM

A audiência de custódia foi o tema escolhido para ser debatido, durante seminário promovido pela Academia da Polícia Civil (Acadepol), nesta quinta-feira, 25, na Delegacia-Geral, em Belém. O evento reuniu diretores de Divisões, Seccionais e Delegacias de Belém, e investigadores que ocupam cargo de chefe de operações, de unidades policiais da capital e região metropolitana. O objetivo é fornecer aos policiais civis do Estado o conhecimento aprofundado sobre o assunto. A audiência de custódia é o procedimento que consiste na garantia da rápida apresentação do preso a um juiz nos casos de prisões em flagrante. 

Em comemoração aos 37 anos da Acadepol, seminário sobre audiência de custódia
SEMINÁRIO
O evento faz parte da programação alusiva aos 37 anos de criação da Acadepol, unidade da Polícia Civil responsável pela formação dos futuros policiais civis e pela capacitação e especialização do quadro de pessoal da Polícia Civil, por meio de instrução técnica e operacional. Instituída nacionalmente há quase um ano, a audiência de custódia tem sido assunto recorrente entre os policiais. Para ajudar a esclarecer sobre o tema, a Academia promoveu o debate com o tema "Audiência de Custódia: superando paradigmas", que contou com quatro palestras de representantes da Polícia Civil, do Judiciário, do Ministério Público e da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe).

Seminário na Delegacia-Geral
EVENTO NA DELEGACIA-GERAL
A abertura do evento foi realizada pelo delegado-geral, Rilmar Firmino de Sousa, que deu as boas a todos os presentes e parabenizou a Academia por seus 37 anos e pela iniciativa. A primeira palestra foi a do delegado Carlos Daniel Fernandes de Castro, ex-titular da Superintendência da Polícia Civil de Castanhal, ex-diretor da Seccional de Santa Isabel do Pará e da Polinter, e ex-servidor do Tribunal de Justiça do Pará, e atualmente diretor da Seccional Urbana do Guamá, em Belém. O policial civil fez uma explanação de apresentação da audiência de custódia, destacando a conceituação e mostrando a evolução que representou o estabelecimento desse novo procedimento, e destacando a garantia de direitos das pessoas. 

Palestrantes: Daniel Castro, Cristiano Gomes, André Cunha e Ana Carvalho
PALESTRANTES
Delegado-geral Rilmar Firmino de Sousa
DELEGADO-GERAL RILMAR FIRMINO DE SOUSA
Em seguida, a promotora da Justiça Criminal, Ana Maria Magalhães Carvalho, do Ministério Público de Castanhal, que apresentou um caso prático de audiência de custódia, em que um preso por latrocínio foi apresentado ao juiz em Castanhal, como exemplo do procedimento. O juiz de Direito titular da Comarca de Mãe do Rio, Cristiano Magalhães Gomes, também apresentou sua contribuição para o evento abordando o tema do ponto de vista do Judiciário, mostrando que a Audiência de Custódia é um procedimento que veio para ficar e que, portanto, precisa ser cada vez mais aperfeiçoada para que seja ainda mais bem aplicada. 

Para tanto, destaca o magistrado, a comunicação entre o juiz e a autoridade policial precisa ser cada vez mais fortalecida para o êxito ainda maior do procedimento da audiência de custódia. Por fim, o superintendente do Sistema Penitenciário do Pará, coronel PM André Luiz de Almeida e Cunha, que apresentou dados sobre as audiências de custódia realizadas em Belém e no interior para mostrar a evolução do procedimento. Em março deste ano, por exemplo, quando foram iniciadas as audiências de custódia na capital, foram apresentados 19 presos ao juiz. Já em junho deste ano, o número de audiências de custódia aumentou para 192. 

Segundo a delegada Marlise Tourão, diretora da Acadepol, o evento está integrado ao programa de capacitação continuada da Polícia Civil que visa qualificar os policiais civis na busca de melhores conhecimentos voltados à qualificação profissional do servidor público. Para ela, debater sobre o tema Audiência de Custódia é fundamental nos dias atuais. "O tema é recente e assim temos de fomentar discussões sobre o assunto, dentro de uma política democrática, e trazer pessoas que venham a somar com a gente para tratar dos mais variados temas", reforça. 

POLÍCIA CIVIL LEVA PROJETO "OLÉ NO ESTRESSE" À SEDE DA SUPERINTENDÊNCIA METROPOLITANA EM ANANINDEUA

A Polícia Civil promoveu nesta terça-feira, 23, atendimentos voltados à saúde de trabalhadores da corporação policial que atuam na sede da Superintendência da Região Metropolitana, em Ananindeua, na grande Belém. O trabalho foi realizado pela equipe da Diretoria de Atendimento ao Servidor (DAS), da Polícia Civil, que deslocou profissionais das áreas médicas, Psicologia e Assistência Social. A atividade faz parte do projeto denominado "Olé no Estresse", que tem por objetivo levar aos policiais civis e administrativos os serviços prestados pela Diretoria até o local de trabalho.

À direita, de cima para baixo, atendimentos na Terra Firme, Jurunas e DIOE
ATENDIMENTO ITINERANTE
Os profissionais da DAS atenderam aos servidores que atuam na Superintendência, onde estão sediadas também a Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) e Delegacia de Homicídios de Ananindeua. Entre os atendimentos prestados estiveram medição de pressão arterial, verificação de glicose e de massa corporal, além de aplicação de questionário sobre estresse no trabalho.

Além desses atendimentos, os servidores da Superintendência Metropolitana também tiveram teste sobre hepatites virais. 

Segundo a titular da DAS, delegada Leomar Maués, entre os dias 9 e 16 deste mês, servidores de outras três unidades da Polícia Civil foram atendidas no projeto "Olé no Estresse". No último dia 9, os atendimentos foram prestados na Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) da Terra-Firme, em Belém. No dia seguinte, o atendimento itinerante foi levado para a Delegacia do Jurunas, também em Belém.

ATENDIMENTO MÉDICO
Já no dia 16, foi a vez dos servidores que trabalham na Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE), receber os atendimentos de saúde. O projeto foi iniciado, este ano, no mês de março como forma de orientar e alertar aos servidores para os cuidados com a saúde física e mental e contribuir para uma melhor qualidade de vida aos profissionais de segurança pública. "Os policiais atendidos pela equipe da Diretoria têm agradecido muito pelo atendimento e pelo fato de o projeto estar despertando a atenção para os cuidados com a saúde", destaca a titilar da Diretoria de Atendimento ao Servidor. 

A delegada Leomar Maués salienta que a DAS dispõe de profissionais de saúde, como médica clínica, para atender aos servidores públicos da Polícia Civil na sede da Diretoria, situada na Avenida Nazaré, centro de Belém, em horário de expediente. O projeto "Olé no Estresse" já passou por Delegacias situadas em todos os municípios da região metropolitana de Belém e por diversas unidades na capital. A ação da DAS também será levada a outras unidades policiais.

POLÍCIA CIVIL PRENDE SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TOMÉ-AÇU POR EMPREGAR FUNCIONÁRIOS FANTASMAS

A Polícia Civil prendeu, na tarde desta quarta-feira, 24, em cumprimento a mandado judicial de prisão, durante a operação "Dirceu", o secretário municipal de educação do município de Tomé-Açu, Antonio da Silva e Silva. Ele já vinha sendo investigado por empregar funcionários fantasmas na prefeitura do município. A prisão foi cumprida por policiais civis da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas (DRDP), unidade vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), da Polícia Civil.

Segundo o delegado Carlos Eduardo Vieira, titular da DRDP, as investigações apontaram que o acusado havia adquirido um veículo Renault Duster 2014 e como pagamento de parte do automóvel teria forjado a contratação de dois parentes da pessoa que fez a venda do carro. Os nomes constavam na lista de contratados da prefeitura de Tomé-Açu nos meses de março e maio deste ano. 

NETO ESTÁ PRESO
Foi descoberto também que a esposa do vendedor do veículo e ex-servidor da prefeitura nunca havia trabalhado em qualquer atividade remunerada. "O vendedor do carro era contratado da prefeitura. Para pagar o valor de entrada do carro vendido ao secretário (R$ 25 mil), este teria forjado a contratação da esposa e do irmão do vendedor na folha de pagamento da prefeitura. Na verdade, esses dois (irmão e esposa) nunca trabalharam na prefeitura", detalha o delegado. 

Ainda, durante as investigações, foi constatado que o irmão do vendedor chegou a receber seguro-desemprego entre janeiro e maio deste ano. As funções para as quais as pessoas foram falsamente contratadas eram de auxiliar de serviços gerais, com vencimentos acima de R$ 5 mil nos contracheques. Além do veículo que foi objeto de negociação, foram apreendidas documentações referentes aos servidores da Prefeitura, cartões de contas salário de terceiros, listagem de servidores fantasma e a quantia de 15 mil reais em espécie, cuja origem Antônio da Silva não soube informar. 

O delegado, titular da DRDP, e a Promotoria do município representaram pela prisão preventiva e pela busca e apreensão domiciliar contra o acusado. Na época dos fatos, Antonio Silva desempenhava a função de secretário de administração municipal e em junho assumiu a Secretaria de Educação do município. A ação policial contou com o apoio da equipe de policiais civis da Delegacia de Tomé-Açu, sob coordenação do delegado Alexandre Lopes. O preso foi transferido para uma casa penal na região metropolitana de Belém.