segunda-feira, 30 de maio de 2016

POLÍCIA CIVIL RECUPERA MOTOSSERRA FURTADA DE RIBEIRINHO EM PORTEL NO MARAJÓ

Motosserra é entregue ao proprietário
MOTOSSERRA É ENTREGUE AO DONO
As Polícias Civil e Militar recuperaram uma motosserra que havia furtada da casa de um morador ribeirinho na cidade de Portel, na ilha do Marajó. O objeto recuperado foi devolvido ao proprietário, Mauri da Silva Castor, na sede da unidade policial do município. O autor do furto, Eloi Pimentel da Silva, foi preso.

Segundo o delegado Paulo Junqueira, titular da Delegacia de Portel, o furto da ferramenta ocorreu há alguns meses. Para recuperar o objeto, explica o policial civil, o investigador Paulo Aragão e uma guarnição da PM se deslocaram por cerca de uma hora de lancha voadeira, e mais uma hora de canoa a motor do tipo rabeta e, por fim, mais meia hora de caminhada até chegar à localidade, onde estava a motosserra. O objeto foi encontrado em poder de Eloi Pimentel da Silva, que foi detido e levado até a Delegacia para lavratura do procedimento policial.

PRESO PROFESSOR ACUSADO DE ABUSAR DE DUAS ALUNAS DE 7 ANOS EM ACARÁ

A Polícia Civil prendeu, nesta segunda-feira, 30, em cumprimento de mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça, o professor Ronildo Albuquerque do Rosário, em Acará, nordeste do Estado. Ele é acusado de abusar sexualmente de duas estudantes de sete anos, em uma sala da escola onde leciona, na zona rural do município. O acusado foi conduzido até o Presídio Coronel Anastácio das Neves, no Complexo de Americano, em Santa Izabel do Pará, onde está recolhido à disposição da Justiça. O inquérito foi concluído na última sexta-feira. O professor vai responder com base no artigo 217-A, do Código Penal, por crime de ato libidinoso contra menores de 14 anos. 

PRESÍDIO ONDE O PROFESSOR ESTÁ RECOLHIDO
Segundo o delegado Igor Honorato, responsável pelas investigações, as apurações das denúncias levaram duas semanas. Em torno de oito depoimentos foram coletados, entre eles, o professor acusado e as duas meninas de sete anos. Todos os procedimentos policiais foram acompanhados por conselheiros tutelares. As duas vítimas foram examinadas e foi constatado que sofreram atos libidinosos, por meio de apalpamento das partes íntimas. Segundo elas, os abusos sexuais teriam ocorrido em uma sala, da escola onde estudam, na comunidade de Vila Vinagre, e que o autor dos crimes foi o professor. 

Durante as investigações, outras quatro crianças revelaram que o professor também teria se aproveitado das crianças, na faixa de 7 a 10 anos, mas, nesses casos, não foi possível comprovar as práticas sexuais por meio de exames. As duas vítimas foram entregues aos cuidados dos conselheiros tutelares que prestaram todas as assistências às crianças. Após a emissão do mandado de prisão preventiva, explica o delegado, o acusado foi localizado na cidade de Acará e, depois, conduzido para o presídio Coronel Anastácio das Neves, onde está recolhido à disposição da Justiça.

PRESOS TRÊS ACUSADOS DE PRATICAR ESTUPRO COLETIVO CONTRA ADOLESCENTE EM JURUTI NO PARÁ

A Polícia Civil autuou em flagrante o professor Douglas Corrêa Lima, 28 anos; o estudante Fabrício Pereira Almeida, 19, e o pintor Weliton Vieira dos Santos, 28, por estupro de uma adolescente, de 17 anos, na última sexta-feira, 27, em Juruti, oeste paraense. Eles são acusados de embriagar a vítima com Vodka, durante uma festa, no bairro São Marcos, e depois violentá-la sexualmente. O crime teria ocorrido na casa do professor. Exames médicos comprovaram que a adolescente foi abusada sexualmente. Os acusados negam o crime. Eles estão presos em Juruti à disposição da Justiça. De acordo com o delegado Jaime Paixão, responsável pelo inquérito, a vítima teria sido abusada por volta de 4 horas da manhã de sexta-feira. Em depoimento, a garota relatou que no dia anterior havia participado da festa de comemoração pela vitória do time de futebol amador do bairro. 


A equipe de futebol era coordenada pelo professor e a vítima dançava em uma quadrilha junina também coordenada por Douglas Lima. Após a festa, cerca de 15 pessoas, entre elas a vítima, foram até a casa do professor, onde ali ficaram bebendo, até durante a madrugada, quando a maioria foi embora, deixando no local apenas a adolescente com quatro homens, entre eles, o professor. Ainda, conforme a vítima, quando um deles saiu da casa, os demais aproveitaram e a levaram para o quarto da casa, onde abusaram sexualmente da vítima. O fato teria sido testemunhado pelo outro homem que havia saído da casa e que ao retornar teria presenciado o estupro coletivo. 

Foi nesse momento, apurou o delegado, que a vítima foi socorrido pelo quarto homem que a ajudou a sair da casa. A Polícia Militar foi acionada e conduziu o professor e outros dois homens, entre eles a suposta testemunha do crime, para a Delegacia. Um dos acusados já havia fugido da casa, mas foi preso por volta do meio-dia. Conforme o delegado, a vítima passou por exames que atestaram os abusos sexuais. "Houve conjunção carnal e atos libidinosos diversos da conjunção carnal", explica. Diante das provas, o delegado autuou os acusados em flagrante pelo estupro. O flagrante foi homologado pelo juiz titular da Comarca de Juruti, Rafael Grehns, que converteu as prisões em preventivas, citando como referência, em seu despacho, o caso de uma adolescente, que teria sido vítima de estupro coletivo, no Rio de Janeiro, semana passada.