sexta-feira, 15 de abril de 2016

POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADO DE PRISÃO DE FORAGIDO NA TERRA-FIRME EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu, nesta sexta-feira, 15, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, no bairro da Terra-Firme, em Belém, Edielson Nunes Henrique, 22 anos, acusado de tentativa de homicídio. Ele também responde a processo por tráfico de drogas. A prisão dele foi decretada em decorrência de inquérito policial instaurado na Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) do bairro. O acusado estava na condição de foragido.


Segundo o delegado Victor Manfrini, a prisão foi cumprida por determinação do juiz de Direito, da 1ª Vara de Inquéritos Policiais e Medidas Cautelares, Flávio Sanchez Leão. Henrique vai permanecer preso à disposição da Justiça. 

POLÍCIA CIVIL DESARTICULA PONTO DE TRÁFICO DE DROGAS DURANTE OPERAÇÃO "ANANINDEUA SEGURA"

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta sexta-feira, 15, no Icui-Guajará, em Ananindeua, na Grande Belém, Antonio Carlos Nunes da Costa, que foi flagrado em um ponto de tráfico de drogas, no bairro. No local, 880 gramas de maconha e 50 gramas de pedras de óxi, droga derivada da cocaína, foram apreendidos. O preso foi apresentado ao delegado Jacob Cunha, na Unidade Integrada Pro Paz do Icuí. Segundo o delegado Marco Antonio Duarte, titular da Superintendência da Região Metropolitana de Belém, a prisão faz parte da operação "Ananindeua Segura" lançada na quinta-feira, 14. 

APREENSÃO
Conforme Duarte, a prisão do acusado foi realizada por policiais civis da Superintendência e da UIPP do Icuí, mediante informações recebidas por meio do Disque-Denúncia, fone 181. Ao todo, já são 14 criminosos presos em dois dias de operação. Antonio Carlos foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. A operação é realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) e Prefeitura de Ananindeua, visando atingir áreas críticas apontadas pelo Programa de Redução da Criminalidade (Prec), da Secretaria. O lançamento da operação foi na Praça da Bíblia, onde o titular da Segup, Jeannot Jansen, destacou a parceria com diversas entidades para a elaboração de um plano único de ação.

Participam da operação as Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Detran, Guarda Municipal de Ananindeua e Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. Além da repressão de crimes, a operação visa cumprir mandados de prisão decretados pela Justiça. Só no primeiro dia, 13 pessoas que estavam na condição de foragidas por envolvimento em crimes, como roubos e tráfico de drogas, no município de Ananindeua, foram presas. Segundo o delegado Marco Antonio Duarte, as prisões são resultados de informações anônimas recebidas pelo Disque Denúncia, pelo fone 181, e de mandados judiciais de recaptura e de prisão preventiva que ainda não haviam sido cumpridos nas unidades policiais de Ananindeua. 

POLÍCIA CIVIL OUVE DEPOIMENTOS DE TESTEMUNHAS DE AGRESSÃO EM BAR NA CAPITAL

A Polícia Civil tomou nesta sexta-feira, 15, três depoimentos de pessoas que testemunharam a agressão sofrida pela estudante universitária Myriam Ruth da Silva Magalhães, no último dia 10, na boate Toca Restô Bar, na Avenida Braz de Aguiar, em Belém. Os depoimentos foram realizados na Divisão Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), onde tramitam as investigações. A delegada Leina Sousa, responsável pela apuração do caso, também esteve hoje no local para receber as imagens do circuito de monitoramento interno do bar. Nenhuma das câmeras registrou o momento da agressão. 


Os depoimentos realizados durante a tarde na DEAM são pessoas que estavam na boate e que não conheciam a vítima nem o acusado de ser o autor das agressões, Airton Carneiro. As declarações foram importantes para buscar esclarecer as circunstâncias dos fatos. Os relatos estão reservados às investigações. No decorrer dos próximos dias, outras testemunhas deverão ser ouvidas em depoimento para prestar informações sobre o que viram no dia da agressão. Ainda não está marcado o depoimento do acusado. 

IMAGENS "As imagens não mostram a mesa em que estava a vítima", afirmou a delegada. Ela ressaltou que no salão onde fica a mesa há duas câmeras, porém a posição em que foram instaladas não permitiu filmar o momento da agressão. Assim, os depoimentos de testemunhas e outras provas periciais serão fundamentais para esclarecimento dos fatos. As imagens serão encaminhadas para perícia no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.