quarta-feira, 13 de abril de 2016

VEREADOR É PRESO ACUSADO DE EXTORSÃO EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA

A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira, 13, em cumprimento a mandado de prisão decretado pela Justiça Estadual, o vereador da cidade de Conceição do Araguaia, Aurélio Alves Milhomem. Ele teve ordem de prisão expedida pela Justiça da região em processo criminal sob acusação de prática de extorsão. A prisão foi realizada por policiais civis da Superintendência da Região do Araguaia Paraense e do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI/Sul). O acusado foi abordado em via pública na cidade. 

Conforme o delegado Antonio Miranda, titular da Superintendência, o político teve a prisão preventiva decretada mediante representação do Ministério Público do Estado. Conforme a denúncia, o vereador é acusado de utilizar o cargo para extorquir dois empresários da cidade em troca de vantagem ilegal. Ainda, segundo a denúncia do MPE, o vereador teria exigido quantias em dinheiro para não fazer supostas denúncias na Câmara Municipal da cidade contra os empresários. 

Ainda, conforme a denúncia, o vereador teria descoberto uma suposta irregularidade na nomeação de um dos empresários como membro da Comissão Permanente de Licitação de Conceição do Araguaia. O político foi conduzido para Redenção, de onde será encaminhado ao Presídio do Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (CRAMA), em Marabá. 

Aurélio vai responder pelos crimes previstos no artigo 316, do Código Penal, por exigir, para si ou para outra pessoa, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida. A pena prevista é de reclusão, de dois a oito anos, e multa. Ele também foi enquadrado no artigo 1º da Lei 9.613, de 1998, por crime de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DESARTICULAM ESQUEMA DE FURTO DE GADO EM CACHOEIRA DO ARARI

As Polícias Civil e Militar prenderam, nesta quarta-feira, 13, durante operação conjunta, Raimundo Barbosa dos Santos, conhecido por "Batata", acusado de integrar um grupo criminoso responsável por furtar cabeças de gado em propriedades rurais para abater os animais e depois vender a carne para açougues, em Cachoeira do Arari, na ilha do Marajó. A prisão foi efetuada após denúncia anônima sobre a atuação do bando. 



Segundo o delegado Luciano Cunha, titular da Superintendência Regional da Polícia Civil em Soure, o grupo invade fazendas na região, às vezes armados, e desvia cabeças de gado, que são abatidos ainda dentro da propriedade rural e tem a carne retirada. A carne retirada é levada para a sede da cidade e lá vendida a açougueiros que a revendem nos açougues. Durante a operação, na manhã desta quarta-feira, policiais civis e militares flagraram o grupo criminoso no interior de uma fazenda na zona rural do município. 

No momento da chegada dos policiais, a maioria dos integrantes do bando conseguiu fugir para o mato. Apenas Raimundo foi preso em flagrante. Com ele, os policiais apreenderam uma canoa, tipo rabeta, usada para chegar, pelo rio, até a área rural. Durante as buscas dentro da propriedade rural, os policiais encontraram um animal já abatido mergulhado em uma área alagada na fazenda. As investigações serão aprofundadas, explica o delegado, para identificar todos os integrantes do grupo e as demais pessoas envolvidas no esquema.

POLÍCIA CIVIL DESARTICULA ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA RESPONSÁVEL POR PRATICAR FRAUDES NO SUL DO PARÁ

As Polícias Civil e Militar desarticularam, nesta quarta-feira, 13, uma associação criminosa que vinha praticando fraudes junto a agências da Caixa localizadas no sul do Pará. Com os acusados, foram apreendidas máquinas usadas na confecção de documentos falsos. Foram presos três homens e duas mulheres em Xinguara e Redenção, por policiais civis da Superintendência da Região do Araguaia Paraense, do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI/Sul) e do Setor de Inteligência da Polícia Militar. 

Material apreendido com presos




Segundo o delegado Antonio Miranda, titular da Superintendência, o grupo vinha sacando diversos valores em dinheiro nas agências da Caixa localizadas em Redenção e Xinguara. Ao serem presos, os acusados haviam acabado de sacar R$ 6,8 mil referentes a guias judiciais da Justiça Federal. O delegado detalha que o golpe era praticado com a obtenção de guias emitidas pela Justiça Federal para pagamentos referentes a ganhos de causas por meio de ações judiciais. "Eles (os criminosos) conseguiam as guias judiciais e falsificavam documentos de identidade, para sacar os valores em agências da Caixa", detalha. 

Os presos são moradores em Belém. As Polícias Civil e Militar, durante a operação, prendeu duas pessoas em Xinguara e outras três que estavam hospedadas em um hotel em Redenção. Nesse local, os policiais apreenderam dois documento falsos, os equipamentos usados na falsificação e o dinheiro sacado. Após as prisões, os acusados foram encaminhados à Polícia Federal para responder pelos crimes. Como portavam documentos falsos, eles passarão pelo setor de identificação para serem oficialmente identificados.

POLÍCIA CIVIL APREENDE MAIS DE 300 PÉS DE MACONHA EM FAZENDA NO INTERIOR DE SÃO FÉLIX DO XINGU

A Polícia Civil apreendeu, nesta quarta-feira, 13, mais de 300 pés de maconha em uma plantação localizada dentro de uma fazenda, na zona rural de São Félix do Xingu, sul do Pará. Um homem que estava responsável pelo cultivo da erva foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia do município para lavratura do flagrante por tráfico de entorpecentes. A descoberta da plantação foi realizada após diversos dias de investigações. 


Sob coordenação do delegado José Carlos Rodrigues, a equipe de policiais civis foi até a fazenda, situada entre as localidades de Vila Teilândia e Vila Lindoeste, para investigar a existência do cultivo de maconha no local. Ali, os policiais confirmaram a existência da plantação. Grande parte da erva já havia sido coletada e estava pronta para ser comercializada. 

De acordo com o delegado, foram retirados da plantação 50 pés grandes de maconha, outros 300 pés da erva pequenos e mais uma quantidade da droga já ensacada para venda. Ainda, durante as buscas na área, os policiais civis prenderam em flagrante José Alves de Brito, que estava responsável pela colheita. No local, os policiais apreenderam ainda um revólver calibre 32 usado na segurança da área. Nesta quinta-feira, será feita a pesagem dos entorpecentes apreendidos para registro de ocorrência.

POLÍCIA CIVIL APURA DENÚNCIA DE AGRESSÃO CONTRA UNIVERSITÁRIA DENTRO DE BAR EM BELÉM

Sobre o caso da agressão sofrida pela estudante de Medicina, a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social informa: A Polícia Civil já apura o caso de denúncia de agressão sofrida pela estudante de Medicina, ocorrida no último domingo, 10, no "Toca Restô Bar", localizado na avenida Braz de Aguiar. 

A apuração será em duas frentes: uma com a instauração de inquérito para investigar a violência sofrida pela vítima, e a outra, desenvolvida pela Corregedoria-Geral da PC, a fim de esclarecer o não atendimento à ocorrência pela delegada de plantão da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM). 

A Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis, da Delegacia-Geral de Polícia Civil, determinou, nesta manhã, que a DEAM apure o caso, por se tratar de violência de gênero, independentemente do local onde a mulher foi vítima de violência. A jovem foi contatada pela direção da DEAM que já toma providências no âmbito de Polícia Judiciária para apurar o crime. 

Da mesma forma, a Polícia Militar também apura a postura a postura dos militares que estiveram no estabelecimento comercial na noite do episódio, e que supostamente não atenderam à ocorrência de agressão. A Fundação Pro Paz já entrou em contato com a vítima para, imediatamente, inseri-la na rede na rede de atendimento psicossocial disponibilizada pelo estado para as mulheres vítimas de violência.