quarta-feira, 30 de novembro de 2016

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ACUSADOS DE DESTRUIR VIATURA DO DETRAN EM MÃE DO RIO

As Polícias Civil e Militar apreenderam oito adolescentes e prenderam cinco adultos por envolvimento nos atos de vandalismo e depredação do patrimônio público em Mãe do Rio, na noite de ontem, 29. Eles são apontados por participação na destruição e incêndio de uma viatura do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e na tentativa de depredação do prédio do órgão do município, além da depredação de uma praça pública na cidade. Os atos teriam ocorrido a pretexto de manifestação contra uma operação realizada pelo Detran no município desde o último dia 28 e que já resultou na apreensão de diversos veículos em situação irregular. 


O grupo teria se articulado para fazer o protesto por meio de grupos de WhatsApp. Segundo o delegado Clóvis Bueno, titular da Delegacia de Mãe do Rio, durante os atos de depredação, policiais militares de municípios da região e Comando de Policiamento Regional de Paragominas reforçaram a segurança na cidade e passaram a efetuar buscas para prender os acusados. 

Os adultos presos foram autuados pelos crimes de associação criminosa, dano ao patrimônio público, incêndio e corrupção de menores. Já os adolescentes foram apresentados ao Ministério Público para providências legais. 

A Polícia Civil solicitou perícia de local de crime que foi realizada na tarde desta quarta-feira, 30, no prédio do Detran. Conforme o policial civil, a intervenção da PM impediu que o grupo invadisse o prédio-sede do Detran na cidade. As investigações irão continuar para tentar identificar outros envolvidos nos atos de depredação. 

ACADEMIA DA POLÍCIA CIVIL PROMOVE TREINAMENTO DE MANUTENÇÃO DE ARMAS EM MARITUBA

A Academia de Polícia Civil (Acadepol) deu início, nesta terça-feira, 29, a dois dias de treinamentos aos policiais civis lotados na Seccional Urbana de Marituba voltados ao uso adequado de armamento e manutenção em primeiro escalão (limpeza e lubrificação) das armas de trabalho. A medida visa fornecer instrução educacional de forma técnica e profissional ao quadro pessoal da Polícia Civil e promover curso de atualização e aperfeiçoamento regular aos servidores da capital e interior do Estado. 

Policiais civis assistem a palestra na Seccional de Marituba

Segundo a delegada Marlise Tourão, diretor da Acadepol, as orientações almejam atingir resultados na qualidade do atendimento ao público para implementar a cultura da manutenção periódica e preventiva dos armamentos cautelados aos policiais civis e às Unidades Policiais e, dessa forma, promover a otimização do atendimento ao usuário e atender a política de integração do policial com a comunidade. 

No primeiro dia, os policiais civis assistiram a palestras na sede da Seccional, como sobre investigação policial. Nesta quarta-feira, eles serão levados ao estande de tiros do Instituto de Ensino de Segurança do Pará (IESP), em Marituba, para participar do treinamento de tiro.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA CULTIVO DE MACONHA DO TIPO "SKANK" DENTRO DE CONDOMÍNIO EM BELÉM

A Polícia Civil descobriu nesta terça-feira, 29, mais um local de cultivo de "skank" (maconha modificada para potencializar os efeitos alucinógenos) em uma casa no residencial Itapuã, no bairro do Tapanã, distrito de Icoaraci, em Belém. A droga era cultivada pelo eletricista Railson Amaral Ferreira, 42 anos, responsável em alugar a casa para o plantio, enquanto que o estudante Thalles Henrique Costa da Silva Haber, 23, reparava a plantação. Os dois foram presos em flagrante no local e autuados por tráfico de drogas.  


A operação foi realizada por policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) sob coordenação do delegado Hennison Jacob, diretor da unidade policial. O flagrante é resultado da continuidade da operação realizada no último dia 24, quando duas pessoas foram presas responsáveis por cultivar pés de maconha em apartamentos de alto padrão e em uma casa, em Belém. O delegado Hennison Jacob explica que as investigações sobre o esquema de cultivo "in-door" (em local fechado) de maconha em residências continuaram após o flagrante realizado na semana passada. A partir das novas informações surgidas no decorrer das investigações foi possível levantar o endereço onde outro plantio da erva era realizado na capital paraense. 

Uma informação fundamental foi o caderno encontrado pela equipe coordenada pela delegada Fernanda Maués de Souza, na operação realizada no último dia 24. No caderno haviam anotações em que estava citado o nome de Railson. O eletricista é apontado como a pessoa que montava as instalações das estufas usadas para manter os pés de maconha plantados em vasos na residência. As estufas contavam com lâmpadas fluorescentes de alta qualidade que simulavam a iluminação natural do sol. Por ser processada em laboratório para ter o princípio ativo THC (Tetra-hidrocanabinol) potencializado, esse tipo de maconha tem um alto valor de venda. Cada quilo de "Skank" custa até R$ 8 mil. A maconha comum tem o quilo avaliado em R$ 200. 

Em depoimento, Railson alegou que é viciado em maconha desde os 18 anos e negou a prática do tráfico de drogas, alegando que cultivava a erva para consumo próprio. Ainda, segundo ele, o estudante o ajudava no cultivo da erva e não fazia venda da maconha. Para o delegado, as instalações montadas dentro da casa indicam que o local era usado para produção em série de maconha, o que caracteriza o crime de tráfico de drogas.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ACUSADOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES EM TOMÉ-AÇU

MIZAEL
As Polícias Civil e Militar prenderam em flagrante, nesta quarta-feira, 30, em duas ações de combate à violência contra a mulher, no município de Tomé-Açu, nordeste paraense, Mizael de Souza Portal e Maciel Nunes. O primeiro tentou matar a atual companheira com um facão do tipo terçado. A vítima conseguiu fugir de casa e pediu ajuda na Delegacia.

O segundo homem foi preso após agredir a companheira na casa em que os dois viviam, na sede da cidade. Durante a prisão de Maciel, a equipe de policiais civis comandada pelo delegado Alexandre Lopes apreendeu drogas no imóvel e, assim, o suspeito também vai responder por tráfico de entorpecentes. 

Conforme o delegado, a prisão de Mizael Portal ocorreu logo após a vítima chegar ensanguentada na Delegacia pedindo socorro. Ela informou aos policiais civis que havia sido atacada pelo companheiro a golpes de terçado, inclusive, na cabeça.

A equipe policial prestou socorro à vítima, levando-a até o hospital municipal, onde a mulher levou pontos cirúrgicos no couro cabeludo devido a um ferimento de terçado, e foram constatados hematomas pelo corpo por causa de socos e chutes. Os policiais civis foram em busca e conseguiram prender o acusado.

MACIEL
Mizael foi autuado em flagrante por tentativa de feminicídio. Ele foi apresentado em audiência de custódia no Fórum de Tomé-Açu, onde o juiz de plantão decretou a prisão preventiva do acusado e determinou a imediata transferência do preso ao presídio regional. 

OUTRO PRESO No caso da prisão de Maciel Nunes, a equipe da Delegacia de Tomé-Açu em conjunto com uma guarnição da PM prendeu o acusado logo após receber informação de que ele havia agredido a companheira na casa em que morava com a vítima. 

Pelo fato de o acusado ser conhecido por envolvimento com o tráfico de drogas, os policiais fizeram uma revista na casa e encontraram no local 11 pedras de "óxi" de cocaína. 

Após o preso ser apresentado na Delegacia, o delegado Alexandre Lopes fez uma pesquisa no sistema de informações criminais e descobriu que havia um mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça de Nova Mutum, no Estado do Mato Grosso, contra o acusado por crime de latrocínio - roubo seguido de morte. 

Após ser autuado em flagrante por lesão corporal decorrente de violência doméstica e tráfico de drogas, o preso foi apresentado ao juiz para audiência de custódia, na qual teve a prisão preventiva decretada e depois foi transferido ao presídio regional em Tomé-Açu.

PRESA MULHER CONDENADA A 50 ANOS DE PRISÃO PELA MORTE DOS PAIS EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu, nesta segunda-feira, 28, Iraceli Barbosa Angelim, em cumprimento de mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça. A prisão foi realizada por policiais civis da Seccional Urbana do Guamá, em Belém. Ela tem sentença condenatória de 50 anos de prisão, no ano de 2004, pela morte dos pais, em Ananindeua, na Grande Belém. O pai da presa era o investigador da Polícia Civil, Leonardo David Angelim da Cunha e a mãe Ana Antônia Amaral da Costa. O crime foi premeditado. Iraceli estava foragida desde o ano de 2012, após ser beneficiada com a saída temporária para passar o Natal com familiares, e não voltou mais ao presídio feminino de Ananindeua. 


Além do mandado de prisão por condenação da Justiça, ela tinha outros dois mandados de prisão por outros crimes. Conforme o delegado Daniel Castro, diretor da Seccional, ela foi encontrada em uma casa, na rua Caraparu, no Guamá, pela equipe de investigadores da unidade policial. A mulher foi conduzida ao Presídio Feminino em Ananindeua para cumprir a pena. Em 2008, o Conselho de Sentença do TJ do Pará condenou Iraceli Angelim pela morte dos pais. A sentença foi anunciada em plenário pelo juiz José Admilson Gomes Pereira, titular da 6ª Vara Penal da Comarca de Ananindeua, que fixou a pena em 50 anos de reclusão (25 relativo a cada uma das vítimas) a ser cumprida em regime inicialmente fechado. Foi negado à acusada o direito de recorrer da sentença em liberdade.

Conforme a sentença, o crime foi premeditado pela presa que praticou as mortes dos pais mediante paga de recompensa e sem dar chance de defesa às vítimas. Ainda, conforme a sentença, Iraceli foi reconhecida pelos jurados como autora intelectual do crime por ter facilitado o acesso de outros envolvidos no crime ao interior da residência do casal. Na sentença, consta que ela entregou aos comparsas as armas usadas no duplo homicídio. A pena foi fixada inicialmente em 20 anos para cada um dos assassinatos com agravante em doze anos (seis anos para cada vítima) pelas qualificadoras, no caso, crime mediante pagamento, motivo torpe e crime contra ascendente (pais) e atenuadas em 1 ano para cada vítima por ser, à época do crime, menor de 21 anos.

Iraceli foi denunciada pelo Ministério Público do Estado apontada como mentora do assassinato dos pais. Á época, as investigações apontaram que ela estaria grávida de um conhecido da família e por temer revelar a verdade aos pais, principalmente ao pai, que não aceitava o relacionamento, planejou o duplo homicídio. Ainda, conforme as investigações, ela manteve contato com um homem conhecido como Cosme, para matar os pais. Cosme indicou Fabrício Nogueira da Silva, que foi contratado por Iraceli por R$ 600,00 mais um aparelho DVD e um telefone celular, para cometer o duplo homicídio.

Acompanhado de um adolescente, Fabrício entrou na casa das vítimas, na noite de 18 de agosto de 2004. Na época, Iraceli fingiu à mãe estar passando mal e a levou para a cozinha da casa, onde Ana Antônia ainda chegou a dar um comprimido e um copo de água para filha. O pai dormia no quarto da casa na ocasião. Nesse momento, Iraceli empurrou a mãe em direção aos criminosos que já estavam dentro da casa e a levaram até lavanderia, onde Fabrício matou Ana Antônia a golpes de faca no pescoço. Ao todo, foram 17 facadas. Segundo os autos do inquérito, Iraceli participou do crime tapando a boca da mãe com um pano e dando ordem para Fabrício matá-la. Logo em seguida, Iracili deu sinal para que Cosme entrasse na casa. Logo em seguida, Fabrício teria atirado em Leonardo Angelim, que estava deitado na cama sob lençóis. 

No local do crime, a condenada tentou se passar por vítima e alegou que aos policiais que o pai teria matado a mãe e depois se suicidado. A versão foi derrubada durante as investigações que levaram em consideração a cena do crime e como os corpos foram encontrados. "Leonardo era destro, mas a arma foi encontrada ao seu lado esquerdo", informa a sentença judicial. Iraceli e os demais autores do crime foram presos cerca de quatro meses depois do duplo assassinato. Os três outros acusados já foram julgados e condenados, recebendo Fabrício a pena de 32 anos e, Cosme, de 35 anos, pelo duplo assassinato. O adolescente recebeu medida de internação.  

terça-feira, 29 de novembro de 2016

OPERAÇÃO TAPERA DESTROI 175 MIL PÉS DE MACONHA NA DIVISA DO PARÁ COM O MARANHÃO

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira, 28, durante entrevista coletiva de imprensa, os resultados da operação Tapera, realizada nos últimos sete dias, na região do rio Gurupi, divisa do Pará com o Maranhão. A operação do Sistema Estadual de Segurança Pública resultou na destruição de mais de 175 mil pés de maconha e na apreensão de 90 mil mudas da erva, mais de 15 quilos de sementes, dez quilos de maconha seca e já beneficiada e cinco prensas usadas no preparo da droga para o tráfico, além de duas armas de fogo. Ao todo, 42 roças de maconha foram localizadas, durante seis dias de operação.

Plantação de maconha é incinerada

A operação abrangeu as cidades de Cachoeira do Piriá, Nova Esperança do Piriá, Viseu e Garrafão do Norte. Do total de roças localizadas, 32 deles estavam na áreas de Cachoeira do Piriá. A área onde os plantios foram encontrados é equivalente a 100 campos de futebol. Foi a maior apreensão de drogas realizada no ano. A coletiva contou com as presenças do secretário de Segurança Pública do Pará, Jeannot Jansen; do delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, dos diretores operacionais da Polícia Civil, Silvio Maués e João Bosco Rodrigues; o diretor da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), delegado Hennison Jacob; o diretor do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, Orlando Salgado, e do coronel Leão Braga, comandante de Missões Especiais da PM.

Coletiva na Delegacia-Geral
COLETIVA
Iniciada no último dia 21, a ação policial envolveu mais de 50 agentes de Segurança Pública, entre policiais civis e militares, peritos criminais e equipes do Grupamento Aéreo com uso de helicópteros para sobrevoar a região e localizar as roças da droga no meio da mata. O delegado Hennison Jacob, um suspeito de ser responsável pelo cultivo na região já foi identificado. "Ele chegou a ser preso recentemente em flagrante com 40 quilos de maconha, mas foi solto", detalha, ao salientar que as investigações irão continuar para prendê-lo. Ele detalha que os donos dos terrenos onde estavam as plantações serão chamados para prestar explicações.


As áreas onde foram encontradas as plantações de maconha ficam na região do Alto Rio Guamá, às margens do rio Gurupi, e estão localizadas em propriedades particulares. O trabalho policial contou com apoio do Grupamento Aéreo do Maranhão que também estava fazendo o mesmo trabalho no lado maranhense. A meta da operação foi erradicar o cultivo da erva na região e identificar os responsáveis pelos plantios. Para o delegado-geral, o terreno situado em área fértil é propício para o cultivo da erva na região.

Delegado Hennison Jacob na coletiva
DELEGADO HENNISON JACOB
Foram encontrados nos terrenos onde a droga era cultivada materiais usados no plantio, como baldes, galões para transporte de combustível, e barracas de lonas plásticas montadas nas plantações. Foram apreendidas ainda armas de fabricação caseira, conhecidas como "bofetes", usadas em armadilhas no meio da mata. O secretário de Segurança Pública destacou, durante a coletiva, a integração dos órgãos do Sistema de Segurança Pública para realizar a operação, que contou com apoio do Estado do Maranhão. "A operação alcançou seu objetivo com êxito", destaca. 

Ele ressaltou que a vasta área usada na plantação da droga na região vai exigir mais operações. Jansen destaca o trabalho desenvolvido pela Denarc, unidade policial recém inaugurada para atuar de forma específica na repressão ao tráfico de drogas no Estado. "A Denarc deixa de ser uma promessa de uma nova etapa no combate ao tráfico de drogas para ser uma realidade", frisa.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL DESCOBRE PLANTAÇÃO DE MACONHA DENTRO DE APARTAMENTO EM BELÉM

A Polícia Civil desarticulou na tarde de ontem, dia 24, um esquema de tráfico de drogas que usava apartamentos de alto padrão e casas para plantio de maconha em um sistema sofisticado que contava com estufas de lâmpadas para simular a luz solar, aparelhos de ar-condicionado e uso de produtos agrícolas. Duas pessoas responsáveis pelo plantio da erva foram presas em flagrante por tráfico de drogas durante operação da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), em Belém. Os detalhes sobre o flagrante foram prestados, nesta sexta-feira, 25, na sede da Divisão, no bairro do Telégrafo. Ainda, durante a operação, foram apreendidas drogas sintéticas (comprimidos de ecstasy e cartelas de LSD) nos imóveis. As ervas e drogas sintéticas eram fornecidas para eventos festivos, como "raves" (festas com música eletrônica).


A apresentação dos detalhes foi presidida pelo delegado-geral, Rilmar Firmino; pelo diretor de Polícia Especializada, delegado Silvio Maués, e pela delegada Fernanda Maués de Souza, da Denarc, responsável pelo flagrante. A delegada explica que as sementes da droga foram importadas por meio de sites internacionais na internet nos quais é possível ver vídeos com instruções sobre o cultivo de maconha na modalidade "in-door" (em local fechado). Ela explica que os acusados começaram com cultivo da droga para consumo próprio, porém, com o tempo, passaram a comercializar para conhecidos por causa do alto valor dessa maconha. Além disso, por ter o princípio ativo (Tetra-hidrocanabinol - THC) potencializado para provocar efeito alucinógeno mais forte do que a maconha normal, a droga pode ser vendida em menores porções, porém por um preço mais alto que a erva comum. "Um quilo da maconha do tipo haxixe chega a valer até R$ 8 mil, enquanto que um quilo da maconha normal sai por R$ 200", explica. 

Maconha era cultivada em estufa

A operação abordou quatro imóveis durante as investigações realizada na tarde de quinta-feira, 24. Foram revistados dois apartamentos localizados em prédios de alto padrão e duas casas. Em três desses locais, os policiais flagraram o cultivo da maconha. Em um dos apartamentos situado em um prédio, na Avenida Gentil Bittencourt, no bairro de Nazaré, os policiais encontraram produção de maconha dentro do imóvel em estufas com iluminação formada de lâmpadas fluorescentes, que simulavam a luz solar, refrigeração interna com aparelhos de ar-condicionado, adubos, insumos e toda uma estrutura que permitia o cultivo da erva no local. 

Iluminação usada em estufa
ILUMINAÇÃO USADA NO CULTIVO DA ERVA
O outro apartamento ficava na rua Rodolfo Chermont, no bairro da Marambaia, e havia ainda uma casa na travessa Castelo Branco, bairro do Guamá. Os policiais civis prenderam nesses locais Helio Bezerra Pontes, 32 anos, e Juliana Régis Dias Ferreira, 32. Conforme a delegada, Helio é dono de um apartamento na Cidade Velha e responsável em alugar outros imóveis para o tráfico de drogas. Ela salienta que os dois não moravam nos locais que eram usados especificamente para o cultivo da erva. Além disso, detalha a policial civil, os dois costumavam se mudar constantemente de endereço. Atualmente, os dois presos, que são apenas amigos, cultivavam a droga nos imóveis desde o período de abril e maio deste ano. 

Delegados prestam informações
DELEGADOS PRESTAM INFORMAÇÕES
Para despistar o plantio de maconha nos apartamentos, eles usavam produtos para abafar o odor da erva e assim não chamavam atenção da vizinhança. Em média, os acusados faturavam por mês de R$ 30 mil a R$ 50 mil com as vendas, pelo levantamento inicial realizado pela Denarc. O cultivo da erva dura de 4 a 5 meses. A delegada acredita que existe uma rede de crime organizado por trás do esquema de tráfico de drogas. "As investigações serão aprofundadas para averiguar o envolvimento de outras pessoas no esquema", detalha a policial civil. 

Drogas sintéticas, adubos e a plantação
DROGAS SINTÉTICAS, ADUBOS E PLANTAÇÃO IN-DOOR
O delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, destacou o fato de que a apreensão da plantação de maconha cultivada em um apartamento na área urbana de Belém ocorre no mesmo instante em que policiais civis da própria Denarc atuam em uma operação policial, denominada Tapera, que já destruiu mais de 16 plantações de maconha em regiões de reservas indígenas, situadas na área rural do nordeste do Pará, divisa com o Maranhão. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

OPERAÇÃO POLICIAL JÁ RESULTOU NA DESTRUIÇÃO DE 16 PLANTAÇÕES DE MACONHA NO NORDESTE PARAENSE

A operação "Tapera", do Sistema Estadual de Segurança Pública, já resultou na destruição de 16 plantações de maconha, no nordeste do Pará, na divisa com o Maranhão. Iniciada na última segunda-feira, a ação policial envolve mais de 30 agentes de Segurança Pública, entre policiais civis e militares, peritos criminais e equipes do Grupamento Aéreo com uso de helicópteros para sobrevoar a região e localizar as roças da droga no meio da mata. A operação é acompanhada pessoalmente pelo delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, e pelo diretor de Polícia do Interior, delegado João Bosco Rodrigues.

OPERAÇÃO
Segundo o delegado João Bosco, as áreas onde foram encontradas as plantações de maconha margeiam o rio Gurupi. "Operamos em conjunto com o Grupamento Aéreo do Maranhão que também estava fazendo o mesmo trabalho no lado maranhense", explica. Conforme ele, a meta da operação é erradicar o cultivo da erva na região e dar prosseguimento à operação em outras áreas do interior do Pará.

Helicópteros no apoio
HELICÓPTEROS NO APOIO
Apenas em dois dias, a operação policial levou à localização e destruição de dez plantações de maconha e na apreensão de 1,5 mil pés da erva, além de 500 mudas, 5 quilos de sementes e porções de maconha beneficiada. Até o momento, não foram realizadas as prisões. Foram encontrados nos terrenos onde a droga era cultivada materiais usados no plantio, como baldes, galões para transporte de combustível, motor do tipo motobomba, uma prensa e barracas de lonas plásticas montadas nas plantações. Foram apreendidas ainda armas de fabricação caseira usadas em armadilhas no meio da mata.
Delegado-geral acompanha operação
DELEGADO-GERAL ACOMPANHA OPERAÇÃO
A operação conta com policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) e das Superintendências da Polícia Civil nas Regiões Integradas de Segurança Pública Guamá (3ª RISP) e Caeté (6ª RISP); policiais militares do Comando de Operações Especiais (CME); peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e duas equipes do Grupamento Aéreo da Segurança Pública do Pará, sob coordenação do delegado Hennison Jacob, diretor da Denarc. A operação conta com apoio da Secretaria de Segurança Pública, da Delegacia-Geral da Polícia Civil, Comando-Geral da Polícia Militar e Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL APREENDE MAIS DE 70 AVES EM CATIVEIRO NA CAPITAL PARAENSE

A Polícia Civil apreendeu, nesta quarta-feira (23), 70 aves (46 exóticas e outras 24 da fauna silvestre brasileira), que estavam guardadas em cativeiro, em uma residência, no bairro de São Brás, em Belém. As suspeitas são de que os pássaros seriam postos para comercialização. O dono do imóvel foi enquadrado em um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por crime ambiental de maus tratos aos animais, já que as aves apresentavam sinais evidentes dessa prática ilegal. Todas as aves foram retiradas da casa e conduzidas para a Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), responsável pela apreensão. 

AVES APREENDIDAS
Apreensão
OPERAÇÃO
O investigador e médico veterinário Edelvan Soares, da DEMA, explica que uma denúncia levou a equipe policial até o endereço. "Encontramos aves como bicudos e sabiás, e aves exóticas também", detalha o policial. Havia no local gaiolas grandes onde estavam várias aves. A casa onde foi realizada a apreensão fica na rua Jutaí, perto de uma feira, onde já houve outras operações com apreensão de aves em situação de comércio ilegal, daí as suspeitas de que os animais seriam comercializados na área. Após assinar o TCO, o dono do imóvel foi liberado, mas vai responder ao processo na Justiça. As aves permanecem apreendidas à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL PRENDE AUTOR DE CRIME PASSIONAL EM MARABÁ

A Polícia Civil prendeu, na tarde de terça-feira, 22, o mecânico Igor Rafael Almeida Caldas, que confessou ter assassinado, por motivo passional, a ex-companheira Valéria dos Santos Sousa, 25 anos, em Marabá, sudeste paraense. O corpo dela foi encontrado em um matagal, às proximidades da Vila Landir, em São João do Araguaia, na segunda-feira passada. A prisão foi realizada pela equipe de policiais civis da Superintendência de Polícia Civil do Sudeste Paraense comandada pelos delegados Tony Vargas; Raissa Beleboni, titular da Delegacia de Homicídios de Marabá, e Ana Paula Matos Trigo, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). 

PRESO 
O crime foi premeditado pelo acusado, que marcou um encontro com a vítima, por meio de mensagem via aplicativo WhatsApp, no sábado passado. As informações colhidas nas investigações são de que o acusado devia dinheiro da pensão dos dois filhos e o encontro teria como objetivo tratar do assunto. Porém, no local do encontro, os dois teriam tido uma discussão que resultou em uma luta corporal. Durante a briga, ele pegou uma faca, segundo versão do acusado, estaria com a vítima e a matou com, pelo menos, três facadas nas costas e tórax. 

VÍTIMA
Em depoimento, o preso alegou que agiu em legítima defesa. Após matar a vítima, ele ainda esfaqueou outras vezes o corpo e depois se livrou da faca. Em seguida, lavou o carro que usava e foi embora para casa, deixando o corpo escondido na mata. O veículo pertence a um cliente da oficina na qual o preso trabalha e foi usado pelo acusado sem conhecimento do dono. Ele chegou a se apresentar à Polícia Civil na segunda-feira para prestar depoimento em que apresentou uma versão diferente. Ele teve a prisão preventiva decretada pelo juiz Luciano Mendes Scaliza, da Comarca de São João do Araguaia. O veículo usado no crime foi encontrado e passou por perícia. O inquérito foi encaminhado à Justiça. O preso permanece recolhido em Marabá.

APREENDIDO MAIS DE UM QUILO DE MACONHA DURANTE OPERAÇÃO EM PORTEL

As Polícias Civil e Militar apreenderam, ontem (21), durante operação conjunta na cidade de Portel, na ilha do Marajó, em torno de um quilo de maconha prensada. A apreensão foi realizada após recebimento de denúncias anônimas de que dois suspeitos traficavam drogas em uma casa na comunidade conhecida como ABC da Favela. 

Droga apreendida

Assim, os policiais foram ao endereço e ali, durante a abordagem, os suspeitos conseguiram fugir, mas a droga foi apreendida. Segundo o delegado Paulo Junqueira, a casa pertence a Edson Ferreira Trindade, conhecido na área como Guidy. O outro suspeito é conhecido como Xaveta. 

Após a apreensão da maconha no local, os policiais conduziram familiares de Edson para a Delegacia para prestar depoimento. Depois, eles foram liberados. O delegado instaurou inquérito policial e procedeu o auto de apreensão da droga.

OPERAÇÃO RESULTA NA DESTRUIÇÃO DE DEZ PLANTAÇÕES DE MACONHA NO NORDESTE PARAENSE

Uma operação policial realizada no nordeste paraense resultou na destruição de dez plantações de maconha e na apreensão de 1,5 mil pés da erva, além de 500 mudas, 5 quilos de sementes e parte da droga já beneficiada. Denominada de Tapera, a ação policial foi iniciada na última segunda-feira, 21, e prossegue ao longo desta semana. Os primeiros resultados divulgados nesta quarta-feira, 23, são dos dois primeiros dias da operação que conta, no total, com 30 policiais, da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) e das Superintendências da Polícia Civil nas Regiões Integradas de Segurança Pública Guamá (3ª RISP) e Caeté (6ª RISP); 12 policiais militares do Comando de Operações Especiais (CME); três peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e duas equipes com oito agentes do Grupamento Aéreo da Segurança Pública do Pará (Graesp) no apoio com helicópteros para sobrevoo e localização dos roçados na região.

INCINERAÇÃO DE DROGAS
Segundo o delegado Hennison Jacob, diretor da Denarc, as áreas identificadas com roçados de maconha, durante os levantamentos, estão localizadas na região entre os rios Piriá e Gurupi, na divisa do Pará com o Maranhão. Ele explica que essa foi apenas uma das etapas da operação. "A ação policial vai prosseguir por outros municípios do Pará objetivando a localização e erradicação de plantações de maconha, bem como, a identificação e prisão dos responsáveis por esses plantios ilegais", explica.

Operação Tapera

Até o momento, não foram realizadas as prisões, pois, no memento da chegada dos policiais na região, os responsáveis pelo cultivo fugiram, abandonando as roças, inclusive materiais de trabalho, como baldes, galões para transporte de combustível, um motor do tipo motobomba, uma prensa, entre outros objetos, dentro de barracas de lonas plásticas montadas nas plantações. Dentro de uma das áreas de cultivo, localizada no meio da mata, os policiais encontraram fábricas clandestinas de armas artesanais, mais conhecidas como "bofetes", que são usadas em armadilhas instaladas na mata, para atingir possíveis invasores.

Plantação de maconha no meio da mata
ÁREA DE CULTIVO
No local, havia cartuchos de arma de fogo que seriam instalados nas armas artesanais. Os pés da erva encontrados nas plantações foram retirados e em seguida queimados junto com objetos usados no cultivo da droga. Para localizar as áreas de cultivo da droga, no meio da mata, os policiais contam com apoio de helicópteros no sobrevoo, fundamentais na operação, devido à grande extensão dos terrenos. Toda operação conta com apoio da Secretaria de Segurança Pública, da Delegacia-Geral da Polícia Civil, Comando-Geral da Polícia Militar e Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. 

PRESO AUTOR DE FEMINICÍDIO POR MOTIVO PASSIONAL EM PACAJÁ

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta quarta-feira, 23, Gutemberg Goudinho Torres, 25 anos, reconhecido por testemunhas como autor do assassinato de Erika Cantanhede Moraes, 26 anos, em Pacajá, sudeste paraense. Ele foi apontado como autor de seis tiros de arma de fogo que tiraram a vida da vítima, que era natural da cidade de Parauapebas. Conhecida como "Erika Suany", a jovem foi assassinada por volta de 22 horas desta terça-feira, 22, em uma casa noturna, no bairro Tozetti, em Pacajá, onde trabalhava há cerca de um mês. O crime foi passional. O preso é ex-namorado da vítima e não aceitava o fim do relacionamento.  

PRESO
O delegado Arthur Nobre, responsável pela investigação do crime, explica que o caso começou a ser investigado por volta de 22 horas de terça-feira, 22, quando a vítima foi morta com seis tiros. Em depoimento na Delegacia de Pacajá, a dona da casa noturna relatou que Erika estava atendendo clientes no local, quando um homem entrou no estabelecimento e logo em seguida ouviu os tiros. Ela conta que, logo em seguida, ainda teve tempo de ver o autor do crime correr junto com um comparsa e ambos fugiram em uma moto.

Logo após o crime, a equipe policial formada pelos policiais civis Alessandro Cardoso, Sérgio Caldeira e Claudio Heleno, levantou informações sobre as características físicas do autor do crime e saiu em buscas pela cidade para tentar localizar o suspeito. Com base nas informações, os policiais conseguiram identificar o acusado. 

O delegado explica que as investigações apontaram que a vítima havia terminado o relacionamento com o acusado que, por sua vez, não aceitava o fim do namoro. Dessa forma, ressalta o policial civil, ele planejou a morte de Erika. Gutemberg foi localizado, na manhã desta quarta-feira, 23, quando seguia de casa para seu local de trabalho em uma empresa de produtos agropecuários, no centro de Pacajá.

Ao ser preso, o acusado vestia o mesmo par de botas usadas no momento do crime. A peça do vestuário foi reconhecida por uma pessoa que presenciou o crime. "Uma das testemunhas reconheceu o acusado inclusive pela cor dos olhos", destaca o policial. Segundo essa pessoa, o autor do crime chegou ao local e sacou a arma, dizendo para a vítima: "Agora tu vai morrer" (sic). E depois de chamá-la por uma palavra de baixo calão, efetuou os disparos fatais, diante de diversas pessoas. 

VÍTIMA
A arma usada no crime não foi encontrada, mas as investigações continuam com objetivo de localizá-la. O comparsa de Gutemberg no crime e que seria a pessoa que pilotou a moto usada na fuga também não foi encontrado nem identificado até o momento. O preso foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio - homicídio doloso de mulher por sua condição feminina - e vai ficar recolhido à disposição da Justiça em Pacajá. O corpo da vítima foi removido ao Centro de Perícias Científicas de Tucuruí para ser periciado e depois liberado aos familiares para sepultamento.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

PRESOS ENVOLVIDOS NOS CRIMES DE ROUBOS E RECEPTAÇÃO EM URUARÁ

A Polícia Civil prendeu, nos últimos dois dias, cinco homens acusados de envolvimento em crimes contra o patrimônio - roubos e receptação - em Uruará, região sudoeste do Pará. As prisões resultaram de investigações de assaltos praticados na cidade por homens armados que abordaram as vítimas em via pública para levar pertences e roubam pontos comerciais. No domingo, foram presos Adonias Mendes Morais e Edimar dos Santos Batista, de apelido Zé Maria. Os dois foram flagrados com diversos objetos roubados. A prisão deles foi realizada pela equipe da Delegacia de Uruará após uma vítima de roubo procurar a Delegacia para registrar o boletim de ocorrência. 

OBJETOS ROUBADOS RECUPERADOS
TOUCAS-NINJA APREENDIDAS

Com base nas informações prestadas pela vítima, a equipe da Polícia Civil formada pelo delegado Rubens Mattoso, escrivão Ivan dos Santos, e investigadores Alexandre Alves e José Tadeu, saiu em perseguição aos suspeitos e conseguiu prendê-los. Na casa de um deles, foram encontrados objetos roubados, como roupas e até um violão, além de duas toucas-ninja usadas nos assaltos. Uma moto também foi apreendida na casa de um dos suspeitos. A vítima reconheceu os suspeitos e a moto apreendida. O veículo era utilizado nos assaltos. 

Outros três acusados foram presos ontem, dia 21, pela mesma equipe policial. Jhemerson Fernandes da Silva, de apelido Bombado, e Danilo Rodrigues da Silva, irão responder por roubo com uso de arma de fogo, e Abraão Ferreira Oliveira vai responder por por receptação dolosa de produto roubado. Durante o trabalho investigativo, os suspeitos de autoria de roubos registrados na semana passada foram identificados. 


Em interrogatório, Jhemerson e Danilo confessaram o assalto a um adolescente de 14 anos do qual roubaram o telefone celular. Ainda, segundo eles, o aparelho foi vendido a R$ 100 para Abraão. Logo em seguida, o receptador foi preso em flagrante. Com ele, o celular roubado foi recuperado. Após as prisões dos suspeitos, diversas vítimas de outros assaltos compareceram à Delegacia para reconhecer os presos. Todos os acusados estão recolhidos à disposição da Justiça.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL RECEBE NOVO SUPERINTENDENTE DA POLÍCIA FEDERAL NO PARÁ

A Polícia Civil recebeu, nesta segunda-feira, 21, a visita de cortesia do superintendente da Polícia Federal no Pará, delegado Uálame Fialho Machado, e do delegado regional executivo da PF no Pará, Olavo Pimentel. Os policiais federais foram recepcionados pelo delegado-geral, Rilmar Firmino; pelos diretores operacionais da Polícia, delegados Silvio Maués, João Bosco Rodrigues; pela corregedora-geral, delegada Liane Martins; pela diretora de Recursos Humanos, delegada Aline Boaventura, e pela diretora do Núcleo de Inteligência, delegada Aline Yuri, na Delegacia-Geral, em Belém. 


Na visita, os delegados trataram de assuntos em comum de interesse das duas corporações policiais, visando firmar cada vez mais os laços de parceria nos trabalhos de Polícia Judiciária com foco no combate às modalidades criminosas, como crimes contra o patrimônio e tráfico de drogas, e também no intercâmbio de informações em prol do êxito das investigações criminais no Pará e até em outros Estados da federação. 

Paraense nascido em Portel, no Marajó, Uálame Machado era delegado regional executivo da PF no Pará até 5 de outubro deste ano, quando foi empossado como superintendente da PF. Já o delegado Olavo Pimentel atuava na PF em Santarém e foi transferido para Belém para assumir a função de delegado regional executivo da PF. 

POLÍCIA CIVIL PRENDE ACUSADO DE ESTUPRAR ADOLESCENTE DE 16 ANOS EM TOMÉ-AÇU

A Polícia Civil prendeu, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, no último sábado, 19, Adryelson das Graças Santos, de apelidos Banal, acusado de crime de estupro contra uma adolescente de 16 anos. A prisão foi cumprida pela equipe policial da Delegacia de Tomé-Açu, nordeste paraense, sob coordenação do delegado Alexandre Lopes. Conforme o policial civil, o crime foi registrado em 12 de agosto deste ano, quando a vítima foi abordada, enquanto caminhava da escola onde estuda para sua casa. O suspeito estava escondido em uma matagal à espera da passagem da adolescente. 


Conforme a estudante, em depoimento prestado na unidade policial, o suspeito a carregou e tapou com as mãos a boca da jovem para que não gritasse. Em seguida, ele abusou da vítima na mata. Após o crime, o agressor fugiu do local, enquanto a vítima correu para pedir socorro a familiares. Com as investigações, o suspeito foi identificado pela adolescente e, assim, ele teve a prisão preventiva solicitada pelo delegado à Justiça com base nas provas coletadas no inquérito criminal. A ordem de prisão foi expedida e cumprida pela equipe policial. Agora, o preso vai permanecer recolhido à disposição da Justiça para responder pelo estupro da garota.

POLÍCIA CIVIL DESARTICULA PONTO DE TRÁFICO DE DROGAS EM OURÉM

PRESO E APREENSÃO
A Polícia Civil prendeu em flagrante, durante operação para cumprimento de mandado de busca e apreensão, na última sexta-feira, 18, Manoel Edinaldo Correa, de apelido Gordinho, com quem foi apreendida uma grande porção de maconha, do tipo limãozinho. A operação foi realizada em Ourém, nordeste paraense. 

Segundo o delegado Edgar Henrique Monteiro, que comandou a ação policial, a abordagem na casa do acusado foi realizada após investigações que resultaram na constatação de que o local era usado como ponto de vendas de drogas no município. 

Com apoio do investigador Fernando Damasceno, da Unidade Integrada Pro Paz de Ourém, a operação constatou a prática criminosa na residência, situada no bairro da Sub-Estação. 

Além das drogas, os policiais apreenderam no local uma moto Honda Titan de 150 cilindradas, além de balança de precisão, dinheiro e telefones celulares de origem não comprovada. 

Conforme o delegado, o preso já tem outros processos por tráfico de drogas. Ele foi autuado em flagrante pelo crime e está preso à disposição da Justiça.

domingo, 20 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PRENDE ACUSADOS DE ENVOLVIMENTO EM FURTO DE GADO NO MARAJÓ

A Polícia Civil concluiu, neste domingo, 20, a operação Marajó, que resultou nas prisões de oito pessoas por envolvimento em uma associação criminosa interestadual especializada no furto de gado. As prisões foram realizadas em Soure e Salvaterra, na ilha do Marajó, e no Estado do Amapá. Os presos foram levados inicialmente para Soure e transferidos neste domingo, de avião, para Belém. A operação foi deflagrada no último dia 18, de forma conjunta, por policiais civis da Superintendência da Região do Marajó Oriental, sediada em Soure, e policiais civis do Estado do Amapá.  Conforme o delegado Luciano Cunha, titular da Superintendência, a associação criminosa agia durante a madrugada nos rios do Pará para furtar bois de fazendas da região do Marajó. As cabeças de gado eram transportadas em balsas para Macapá, no Amapá, onde eram comercializados com marchantes (funcionários de açougues). 

CINCO PRESOS EM MACAPÁ
Estes revendiam a carne do gado para frigoríficos da capital amapaense. Segundo a delegada Thiciane Pantoja, titular da Delegacia de Soure, o crime era bastante lucrativo para o grupo criminoso. "Em cada ação, os acusados furtavam cerca de 100 cabeças de gado de uma só vez e as vendiam por em torno de R$ 1.500", explica.  No Amapá, foram presas seis pessoas em cumprimento a mandados de prisão temporária. São elas: o auxiliar de serviços gerais Diogo Sarmento Pinto Junior, 28 anos,  amapaense; o comerciante Luiz Figueiredo dos Santos, 40,  paraense; o pescador Rogério Souza Silva, 26, de apelido Farinha,  amapaense; o prático Orlando Freitas, 69, de apelido Bagudo, amapaense; o comerciante Ademar Rodrigues da Silva, 55, de apelido Torrão, amapaense, e o policial militar Alex Dias de Souza, 29, amapaense. 

Lotado no 8º Batalhão da PM amapaense, o policial é apontado como o chefe do grupo. Os presos ficaram recolhidos inicialmente, em Macapá, na sede da Divisão de Capturas da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Patrimônio (DECCP) da Policia Civil do Amapá, em Macapá, até a autorização judicial de transferência para Belém.   Na ilha do Marajó, foram presos Marcelo Cruz Mendonça, localizado na cidade de Salvaterra, e Ivanildo Sarmento da Silva, 27, preso no município de Soure. Um terceiro acusado foi procurado no Marajó, mas está foragido. Todos os presos estão com mandados de prisões temporárias expedidos pela Justiça paraense. 

O policial militar foi transferido para o presídio Centro de Recuperação Especial Coronel Anastácio das Neves em Santa Izabel do Pará. Os demais ficaram recolhidos na Central de Triagem de São Brás, na capital paraense. As ordens de prisão foram expedidas pelo juiz José Godinho Soares, da Comarca de Soure. A operação contou com o apoio da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal do Estado do Pará, vinculada à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SEGUP), que coordenou reuniões sobre o furto de gado no Marajó, buscando soluções para o problema. Agentes de Inteligência do Ministério Público de Macapá, e da DECCP, da Policia Civil do Amapá, tambem atuaram em apoio à operação. As investigações irão continuar.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

DESARTICULADO PONTO DE TRÁFICO DE DROGAS EM VILA DO CONDE, MUNICÍPIO DE BARCARENA

As Polícias Civil e Militar desarticularam um ponto de tráfico de drogas, localizado no distrito de Vila do Conde, em Barcarena, região nordeste do Pará. No local, foi preso em flagrante Romeu Oliveira de Castro com quem foram apreendidos 40 papelotes de maconha do tipo limãozinho. Investigações levaram as equipes policiais até o local onde era praticado o crime. 

PRESO
APREENSÃO

De acordo com o delegado Augusto Potiguar, titular da Delegacia de Vila dos Cabanos em Barcarena, que também responde por Vila do Conde, no momento em que os policiais abordaram a casa onde o acusado estava com a droga, um usuário saiu em fuga do local. 

O policial civil salienta que o combate ao tráfico de drogas na região é feito de forma conjunta por policiais civis e militares. O preso foi conduzido para a Delegacia para ser autuado em flagrante por tráfico de drogas, enquanto que os entorpecentes apreendidos foram enviados para perícia. 

DIVISÃO DE HOMICÍDIOS ASSUME INVESTIGAÇÕES DAS MORTES DE JOGADOR DO REMO E DE DOMÉSTICA EM BELÉM

A Divisão de Homicídios assumiu, nesta quinta-feira, 17, as investigações de duas mortes registradas, nos últimos dias, em Belém, e que geraram alta repercussão. Um dos casos é o do jogador de futebol do sub-17 do Clube do Remo, Kayo Nixon Gomes Vila, 16, morto a tiros no último sábado, 12. O outro é o caso do feminicídio que teve como vítima a doméstica Lucicleia Gracileide Costa Reis, 42 anos, que foi encontrada morta na manhã do último dia 15, no quarto de sua casa, no bairro do Castanheira, em Belém. Os crimes passaram para a DH por causa da repercussão dos casos e como forma de dar atenção especializada às investigações. 

Delegado Wanghon em entrevista
DELEGADO WANGHON EM ENTREVISTA
Em entrevista a jornalistas, o delegado Renato Wanghon, diretor da Divisão de Homicídios, anunciou que já está com equipe de policiais civis em campo trabalhando para aprofundar as investigações sobre os casos e que já designou delegados da DH para presidir os inquéritos. No caso de Kayo, o delegado Dauriedson Bentes ficará responsável pelas investigações. Já o caso da doméstica será presidido pelo delegado Guilherme Macedo. Conforme o diretor, o caso da doméstica está bem avançado, com autor já identificado e motivação praticamente definida. "Temos como principal causa da morte a questão passional, mas não podemos abrir mão de outras possibilidades", destaca. As investigações iniciais foram realizadas por policiais civis da Seccional da Marambaia. 

Já o caso do adolescente é mais complicado pelas circunstâncias do crime. As investigações sobre o crime foram iniciadas pela equipe da Seccional da Pedreira. Pelo que já foi apurado, Kayo Nixon foi morto por pura maldade e não por engano como anteriormente foi afirmado por testemunhas. O delegado explica que um grupo de homens armados e que estariam encapuzados estaria perseguindo um suspeito de praticar crimes no bairro da Pedreira. O suspeito, durante a perseguição, teria passado pelo grupo de amigos no qual estava a vítima e conseguiu fugir. "Como não conseguiu atingir seu alvo, o criminoso atirou no rapaz que estava infelizmente no local e momento errados", salienta.

PRESO ACUSADO DE MATAR A EX-COMPANHEIRA EM CAMETÁ

As Polícias Civil e Militar prenderam em cumprimento a mandado de prisão preventiva, nesta quinta, 17, em Cametá, nordeste paraense, Benedito Neto Dias Pantoja, de 32 anos, acusado de crime de feminicídio. A vítima foi Elizangela de Sousa Garcia, ex-companheira do acusado, e que foi morta em 2015, no município. Ele foi preso por policiais civis e militares enquanto viajava de ônibus pela rodovia PA-151, perto do trevo do Carapajó. O acusado está recolhido à disposição da Justiça. Conforme o delegado Rodrigo Leão, titular da Superintendência da Região do Tocantins, Benedito Neto teve a prisão decretada pela Justiça após o cometimento do crime. 

Na época, o crime ganhou repercussão na cidade, já que foi o primeiro caso de feminicídio no município após a criação da Lei 13.104, de 9 de março de 2015, que alterou o artigo 121 do Código Penal, instituindo o feminicídio - homicídio de mulher em decorrência de sua condição feminina - no rol dos crimes hediondos. 

O assassinato também repercutiu devido à forma violenta que foi cometido. A vítima foi degolada e teve o corpo jogado no rio Tocantins. 

O delegado explica que a prisão de Benedito Neto ocorreu após o recebimento de denúncia anônima informando que o acusado estava se deslocando de Belém para a cidade de Mocajuba em um ônibus via rodoviária. 

Assim, a equipe de policiais coordenada pelos delegados Celso Sandanha e Gilandeson Caldas, da Delegacia de Cametá, com apoio dos investigadores Ozi Brito, Sergio Pompeu e Agostinho, junto com policiais militares do Distrito de Carapajó, fizeram uma barreira na estrada para abordar o ônibus. 

No momento em que o veículo foi avistado, os policiais deram ordem de parada ao motorista e prenderam o acusado. Ele foi conduzido para a Unidade Integrada Pro Paz de Cametá para responder pelo crime.

DIVISÃO ESPECIALIZADA EM MEIO-AMBIENTE APREENDE PÁSSAROS DA FAUNA SILVESTRE EM ICOARACI

Policiais civis da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA) apreenderam, nesta quinta-feira, 17, durante ação policial, oito pássaros da fauna silvestre, que eram mantidos em cativeiro em uma residência, no distrito de Icoaraci, em Belém. A apreensão foi realizada no momento em que a equipe policial apurava denúncia de que uma casa na área era usada para guardar galos usados em rinhas de briga. 


Durante a apuração da denúncia, os policiais civis não constataram irregularidades com relação aos galos, porém flagraram a guarda das aves em uma casa sem licença expedida pelo órgão ambiental. Dentre as aves, havia pássaros das espécies sabiá e curió. Segundo o investigador de Polícia Civil e médico veterinário da DEMA, Edelvan Soares, os animais deverão ser soltos na natureza. Ele explica que a apreensão foi feita enquanto a equipe policial apurava denúncias de crimes ambientais, como maus-tratos, em Icoaraci. 

Aves apreendidas

Em princípio, detalha o policial civil, o objetivo era averiguar informações sobre essa prática criminosa em relação a galos usados em rinhas de briga. Porém, na casa onde foi feita a primeira averiguação, os policiais civis não constataram sinais de maus-tratos nos galos. Já, em outro endereço averiguado pela equipe da DEMA, as irregularidades foram constatadas, com a localização das aves guardadas em gaiolas. O proprietário do imóvel foi intimado a comparecer nesta sexta-feira, 18, na DEMA.

OPERAÇÃO QUINTA PARTE DA POLÍCIA CIVIL PRENDE MAIS UM ACUSADO DE ENVOLVIMENTO EM ESQUEMA DE CORRUPÇÃO

A Polícia Civil prendeu, nesta sexta-feira, 18, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, o servidor público da Secretaria de Estado da Fazenda, Raimundo Afonso Moura Lima, acusado de envolvimento em esquema de sonegação fiscal. Ele foi preso em sua residência, em Belém, por policiais civis, em decorrência da segunda fase da operação "Quinta Parte" coordenada pela Superintendência Regional do Araguaia Paraense, sediada em Redenção, sudeste do Pará. A primeira fase da operação foi deflagrada, no último dia 8, para desarticular o esquema criminoso que envolvia servidores públicos da Sefa, contadores e empresários, para sonegação de impostos referentes à tributação de mercadorias que entram no Pará pelo sul e sudeste do Estado. 

Atualmente no cargo de coordenador executivo de Controle de Mercadorias em Trânsito, do distrito de Serra do Cachimbo, em Novo Progresso, sul do Pará, Raimundo Afonso figurava desde o início das investigações, há cerca de um ano, como suspeito de receber propina no posto fiscal de Conceição do Araguaia, para liberar cargas de caminhões que passavam pelo local sem pagamento obrigatório de tributos, e de facilitar as ações criminosas dos demais acusados. O delegado Antonio Miranda, titular da Superintendência do Araguaia Paraense, explica que a prisão preventiva de Raimundo Lima foi solicitada pela Polícia Civil à Justiça, na semana passada, após os depoimentos prestados pelos presos na primeira fase da operação, os quais confirmaram participação dele no esquema.

Diante disso, a Justiça deferiu o mandado de prisão, que hoje, foi cumprido por policiais civis do Núcleo de Inteligência Policial, em Belém. Após cumprimento da ordem de prisão, Raimundo Lima foi conduzido para a Delegacia-Geral para prestar depoimento e em seguida foi transferido para o Centro de Recuperação Especial Coronel Anastácio das Neves (Crecan), casa penal específica para receber servidores públicos presos, situada em Santa Izabel do Pará, nordeste paraense. Ele vai ficar recolhido à disposição da Justiça. As investigações sobre o esquema criminoso continuam.

OPERAÇÃO A operação realizada no último dia 8, em Redenção e outras cidades do sul e sudeste do Pará; em Belém e em São Paulo capital, resultou em 48 pessoas presas. A maioria dos presos é servidor da Sefa. São, no total, 33 servidores públicos, dentre eles 4 auditores (três presos em Redenção e um em Belém); oito fiscais (três presos em Redenção, quatro em Conceição do Araguaia e um em Tucumã); e 21 servidores da área de apoio, como motorista, datilógrafo e auxiliares. Os outros 15 presos são nove contadores e seis empresários. 

Dos 48 presos, 42 foram presos no sul do Pará. Todos foram transferidos de Redenção para o presídio do Centro de Recuperação Penitenciário do Pará (CRPP), em Santa Izabel do Pará, por ordem da Justiça. A investigação teve início em Conceição do Araguaia, há cerca de um ano, quando um caminhão transportando carga de cerveja procedente de Goiás foi apreendido. Em depoimento, na época, o responsável pela carga revelou o esquema de cobrança de propina para permitir a entrada da carga no Pará sem recolhimento de tributos fiscais.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM SUSPEITOS DE TRÁFICO DE DROGAS E ROUBOS EM NOVO REPARTIMENTO

As Polícias Civil e Militar deflagraram na última segunda-feira, dia 14, em Novo Repartimento, uma operação para combater o tráfico de drogas e o roubo de motocicletas no distrito de Maracajá. As investigações se iniciaram há dois meses após a equipe policial receber denúncias sobre o tráfico ilícito de entorpecentes, além de roubos e furtos na região. Três acusados dos crimes foram presos em flagrante durante a operação. 


Moisés dos Santos; Pedro Henrique dos Santos e Wuandreson Pereira Carvalho foram presos acusados de envolvimento em roubo e tráfico de drogas. Foram apreendidas duas motocicletas Pop 100, uma espingarda calibre 22, além de uma quantidade de drogas. A operação foi comandada pelo delegado Arthur Nobre e contou com a participação de policiais civis e militares do município. Os acusados estão recolhidos à disposição da justiça.

POLÍCIA CIVIL FAZ ENTREGA DE ADOLESCENTE QUE ESTAVA FANTASIADO DE PALHAÇO ASSUSTADOR EM BRAGANÇA

A Polícia Civil entregou a familiares, nesta terça-feira, 15, o adolescente de 17 anos que foi detido para averiguações por policiais militares, no último final de semana, após ser agarrado por populares por estar fantasiado de palhaço com máscara aterrorizante em Bragança, nordeste paraense. O jovem foi abordado por uma guarnição militar após quase ser espancado por moradores da cidade sob suspeita de estar praticando assaltos. Com o jovem, os policiais apreenderam uma foice que fazia parte da fantasia. No entanto, o jovem negou o crime, sob alegação de que estaria se preparando para gravar um vídeo para postar no site YouTube. 


Segundo o delegado Marcelo Mendes, da Unidade Integrada Pro Paz de Bragança, o jovem foi encaminhado inicialmente ao Conselho Tutelar e em seguida foi conduzido para o Propaz Integrado para receber atendimento de profissionais de Serviço Social e Psicologia. O policial civil explica que, como nenhuma vítima dos supostos assaltos compareceu na Unidade Policial, o adolescente não foi submetido a auto de infração por ato infracional, sendo feito apenas o registro da apresentação do rapaz para caráter pedagógico para evitar ocorrências de situações semelhantes. 

O delegado ressalta que casos de pessoas vestidas de palhaços assustadores têm sido registrados em várias cidades no mundo, principalmente, nos Estados Unidos, mas fazer esse tipo de brincadeira de mau gosto pode resultar em risco à integridade física de quem pratica, como foi o caso do adolescente. "O que começa com uma travessura para dar sustos em pessoas pode se tornar algo perigoso", alerta. 

POLÍCIA CIVIL CONCLUI CASO SOBRE A MORTE DA EX-VEREADORA DE BRASIL NOVO

DENILBE ROSA
A Polícia Civil encerrou as investigações sobre o assassinato da assistente social e ex-vereadora do município de Brasil Novo, sudeste paraense, Maria José Biancardi. Ela foi morta a tiros em 13 de março do ano passado em crime encomendado.

No último dia 8, policiais civis prenderam na cidade, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, Denilbe de Assis Rosa, apontado como o intermediário na contratação do pistoleiro Francisco Josué da Silva Rodrigues, condenado pela Justiça à pena de 28 anos como autor da morte. 

Denilbe foi localizado na sede do município pela equipe policial coordenado pelo delegado Mário Sastre, titular da Polícia Civil local.

Segundo o delegado, o mandado de prisão preventiva foi decretado pela Justiça após a conclusão de inquérito policial que apontou que Maria José foi morta por engano.

O alvo do crime encomendado era a irmã dela, Monica Biancardi. 

As investigações apontaram que o autor dos disparos foi contratado pelo empresário Acácio Lorenzoni, sogro de Monica. Acácio chegou a ser preso, em abril do ano passado, mas faleceu durante o processo.

Uma suspeita de traição aliada a problemas nos negócios da família seria a motivação do crime. Denilbe vai ficar preso à disposição da Justiça.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PRENDE SUSPEITO DE MATAR ADOLESCENTE DURANTE ASSALTO EM ANANINDEUA

A Polícia Civil prendeu em flagrante, na noite deste domingo, 14, Carlos Rafael Silva Monteiro, 29 anos, que foi reconhecido por testemunhas como autor do latrocínio - roubo seguido de morte - do estudante Hugo Andrey Costa Miranda, 18 anos. O crime ocorreu na rua 11, do conjunto Júlia Seffer, em Ananindeua, região metropolitana de Belém. O acusado foi preso por policiais civis da Divisão de Homicídios, sob comando do delegado Fernando Bezerra. Carlos Rafael foi encontrado em sua casa, localizada no mesmo conjunto residencial. Com ele, os policiais civis encontraram as vestes que usava no momento do crime e que foram reconhecidas pelas testemunhas. 

Roupa usada pelo suspeito
ROUPAS ENCONTRADAS COM PRESO
O crime foi por volta de 20 horas, quando a vítima estava ao lado de um grupo de amigos em uma parada de ônibus. Segundo as testemunhas, o suspeito chegou ao local e começou a conversar com a vítima. Passados alguns minutos, os dois passaram a discutir e o acusado sacou uma faca e aplicou um golpe no peito do rapaz. No momento da confusão, o suspeito feriu com a faca a mão de um dos amigos da vítima. Em seguida, o suspeito roubou o celular da vítima.

Logo após o crime, a equipe da Divisão de Homicídios foi acionada e iniciou as investigações no local, ouvindo inicialmente os relatos das testemunhas, que prestaram informações sobre as características físicas do suspeito. Dentre as relatos, as testemunhas prestaram detalhes sobre a roupa usada pelo autor do crime: uma blusa escura de manga curta com uma ancora branca sobre um quadrado azul estampado no peito e bermudas também escuras com estampas em formato de triângulos. 

Durante as investigações, os policiais civis conseguiram chegar à identificação e paradeiro do suspeito, que mora no Júlia Seffer. Na casa, a equipe policial encontrou uma blusa e bermudas com as mesmas características informadas pelas testemunhas do crime, porém a faca e o telefone celular da vítima não foram encontrados. "Os amigos da vítima não tiveram qualquer dúvida em reconhecê-lo como o autor do crime", destacou o delegado Fernando Bezerra. O preso foi conduzido para a sede da Divisão de Homicídios, em Belém, para prestar depoimento e ser autuado em flagrante pelo crime. O corpo da vítima foi removido ao Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

POLÍCIA CIVIL INICIA CAMPANHA DO NATAL SOLIDÁRIO PARA ARRECADAR DOAÇÕES DE BRINQUEDOS DE ALIMENTOS


A Polícia Civil já está arrecadando doações de brinquedos e alimentos não-perecíveis para a campanha do Natal Solidário, que serão doados a pessoas de comunidades carentes na Região Metropolitana de Belém. Todos os servidores públicos da corporação e público em geral estão convidados a participar dessa campanha. 

Basta entregar alimentos não-perecíveis e brinquedos, como bolas, carrinhos e bonecas, na sala da Assessoria de Relações Interinstitucionais (ARIN), da Delegacia-Geral, na Avenida Magalhães Barata, 209, entre Travessa 14 de Março e Avenida Alcindo Cacela, bairro de Nazaré, de segunda à sexta-feira, em horário comercial. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 4006-9041.

DELEGADA DA POLÍCIA CIVIL DO PARÁ LANÇA LIVRO SOBRE CRIMES CIBERNÉTICOS EM BELÉM

Será lançado, amanhã, dia 12, o livro "Manual de Investigação Cibernética: à Luz do Marco Civil da Internet", escrito pela delegada da Polícia Civil do Pará, Beatriz Silveira Brasil, e pelo delegado da Polícia Civil do Estado do Piauí, Alessandro Barreto. O lançamento será no horário de 15:00 às 19 horas, no espaço Café da Sol Informática, na Avenida Visconde de Souza Franco próximo à Rua Boaventura, no bairro do Reduto, em Belém. O evento vai contar com sessão de autógrafos e preço  promocional de lançamento.


A obra literária foi elaborada para auxiliar os operadores da área jurídica e da área de Tecnologia da Informação e Comunicação a aprofundar conhecimentos, em especial, quanto à interseção entre o Direito e a Tecnologia, com foco na investigação de crimes cometidos por meio da Internet, os chamados Cibercrimes.

"No livro, são abordados temas como crimes cibernéticos, preservação de evidência cibernética, aplicação judicial do Marco Civil na Internet, entre outros", explica.

Pós-graduada em Políticas Públicas e Gestão em Defesa Social e Mestra em Defesa Social e Mediação de Conflitos, pela Universidade Federal do Pará, a delegada Beatriz Silveira Brasil atualmente é assessora especial de Inteligência e Segurança Corporativa da Secretaria de Meio-Ambiente e Sustentabilidade do Governo do Pará, e teve um trabalho muito destacado à frente da direção da Divisão de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos da Polícia Civil do Pará. 

A policial civil também já foi condecorada com as Medalhas Evanovich de Investigação Policial e do Mérito Policial Civil referentes ao êxito em investigações policiais complexas com repercussão em nível nacional. O livro é uma publicação da Editora Brasport. 

Já o delegado Alesandro Barreto, parceiro da delegada paraense na autoria do livro, é pós-graduado em Direito pela Universidade Federal do Piauí e atualmente atua na Direção da Unidade do Subsistema de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí. Ele também é colaborador eventual e coordenador do NUFA (Núcleo de Fontes Abertas) da Secretaria Extraordinária para Segurança de Grandes Eventos do Ministério da Justiça com atuação nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016 e coautor do livro “Inteligência Digital”, também publicado pela Brasport. 

POLÍCIA CIVIL PRENDE ACUSADO DE ENVOLVIMENTO EM ROUBO NA MODALIDADE "SAIDINHA BANCÁRIA" EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu, ontem, em cumprimento de mandado judicial de prisão preventiva, Carlos Renan Santos Lisboa, acusado de roubo majorado e associação criminosa. A prisão foi decretada em decorrência de inquérito policial na Seccional Urbana da Pedreira, em Belém, onde Carlos está indiciado por prática de "saidinha bancária" em julho de 2015.  

PRESO
Armado, ele abordou uma vítima que havia saído de carro de uma agência bancária no bairro, onde sacar R$ 10 mil. Na ocasião, o acusado e um comparsa, que estavam em uma motocicleta, abordaram o carro da vítima. 

Segundo o delegado Fábio Veloso, da Seccional da Pedreira, o acusado estava na garupa da motocicleta e portava uma arma de fogo no momento do crime. "Ele conseguiu roubar o dinheiro, o telefone celular e as chaves do carro. Porém, um policial civil que passava pelo local no momento do assalto interveio e trocou tiros com os assaltantes", detalha o delegado. Na troca de tiros, um dos assaltantes, identificado como Deyvison Patrik Costa Martins, ficou ferido e foi preso. 

Carlos Renan conseguir fugir do local com o dinheiro e os pertences roubados da vítima. Na fuga, ele teve apoio de comparsas. O assaltante ferido foi encaminhado para atendimento médico e conduzido em seguida para a Seccional da Pedreira, onde foi autuado em flagrante pelo roubo. A equipe policial conseguiu localizar a residência do acusado e assim teve acesso aos documentos dele. Nas investigações, foi constatado que Carlos Renan já responde processo pelo crime de tráfico de drogas. Carlos vai permanecer recolhido à disposição da Justiça.