quarta-feira, 25 de maio de 2016

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA MORTES DE QUATRO PESSOAS EM FAZENDA NA ZONA RURAL DE BREJO GRANDE DO ARAGUAIA

A Polícia Civil está investigando as circunstâncias das mortes de quatro pessoas, três delas da mesma família, na noite de ontem, 24, no interior da fazenda Santa Fé, no KM 85, da rodovia Transamazônica, zona rural de Brejo Grande do Araguaia, sudeste paraense. As vítimas foram mortas com tiros de arma de fogo na cabeça, por volta de 19 horas, segundo o delegado Toni Vargas, responsável pelas investigações. A principal linha de investigação quanto à possível motivação do crime é queima de arquivo, devido ao suposto envolvimento de uma das vítimas em um esquema de roubos e receptação de carros roubados na região. As vítimas são o dono da fazenda, Atamir Nascimento de Souza, 51 anos; a esposa dele, Rita da Cruz Souza, 46; o filho do casal Ronildo da Cruz Souza, 34, e o vaqueiro da fazenda, Océlio Filho Ferreira de Sousa, 24. 

BREJO GRANDE DO ARAGUAIA
De acordo com o delegado, os corpos das vítimas foram encontrados dentro da residência da propriedade rural caídos no chão. A partir da perícia do local do crime, explica o policial civil, foram coletados materiais que podem ajudar no esclarecimentos dos fatos. 

As investigações feitas até o momento, salienta o delegado, mostram que a principal linha de investigação do crime é queima de arquivo. O policial civil explica que, no último dia 19, as Polícias Civil e Militar realizaram uma operação, denominada Santa Fé, em alusão ao nome da fazenda, para desarticular um esquema criminoso de roubos de carros e receptação dos veículos roubados na região que eram levados para Imperatriz, no Maranhão. 

Durante a operação, que cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão na sede da fazenda e na cidade de Santana do Araguaia, um dos filhos do casal, Ronilson Souza, 29, foi preso e o irmão dele, Ronildo, não foi encontrado. Diante disso, acredita o delegado, o alvo dos criminosos seria Ronildo e os demais foram mortos porque estavam juntos com a vítima. Os corpos foram removidos ao Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, núcleo de Marabá, para serem periciados e depois ficarem à disposição para liberação, o que deve ocorrer nesta quinta-feira, 26. O delegado já ouviu depoimentos, nesta quarta-feira, 25, na região, e dará prosseguimento na apuração das mortes. O inquérito tem prazo legal de até 30 dias para ser concluído.

Nenhum comentário: