segunda-feira, 2 de maio de 2016

POLÍCIA CIVIL APURA CASOS DE VÍTIMAS DE QUEIMADURAS APÓS CONTATO COM COMBUSTÍVEL EM PORTEL

A Polícia Civil instaurou inquérito, nesta segunda-feira, 2, para apurar denúncias de pessoas que teriam sido vítimas de queimaduras provocadas pelo contato entre lamparinas e um combustível supostamente adulterado, na zona rural de Portel, na ilha do Marajó. Amostras do combustível, que, conforme as denúncias, teria sido vendido em um posto de gasolina na sede do município, já foram coletadas e serão encaminhadas para perícia no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, em Belém. Só neste final de semana, três vítimas de queimaduras foram registradas oficialmente, por meio de boletins de ocorrência, comunicados à Delegacia de Portel. Uma das vítimas, um menino de 12 anos, não resistiu e morreu. 

De acordo com a delegada Vanessa Macedo, titular da Superintendência da Polícia Civil na Região do Marajó Ocidental, o fato chegou ao conhecimento da Delegacia de Portel, após o registro do boletim de ocorrência feito pelo pai da criança. O barqueiro Adaelson Gonçalves Cordovil relatou na Delegacia que o filho de 12 anos havia sofrido queimaduras por todo corpo, em sua casa, na noite de sábado passado, na localidade de rio Anijó, localizada há seis de barco da sede de Portel.


Ele relatou que o fogo se alastrou pela casa após o contato entre o combustível, que seria uma mistura de gasolina e óleo diesel, com o fogo da lamparina. Segundo ele, o combustível teria sido distribuído aos barqueiros da zona rural pela Prefeitura do município. Adaelson conta ainda que o acidente ocorreu no momento em que colocava o óleo diesel dentro de um carote. A esposa, que estava ao lado do filho, ajudava a clarear o local com uma lamparina, já que a localidade não tem energia elétrica. Nesse momento, o fogo da lamparina entrou em contato com o combustível fazendo com que o fogo queimasse a mãe e a criança. As vítimas sofreram várias queimaduras por todo corpo. Ambas foram socorridas. A criança não resistiu e morreu no hospital em Portel. A mãe do menino foi transferida ao Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência na Grande Belém, onde está internada. Segundo Adaelson, o combustível usado na lamparina foi o mesmo comprado há uma semana em um posto de combustível em Portel. 

No domingo pela manhã, na localidade de rio Anapu, há 12 horas de barco da sede de Portel, outro caso semelhante foi registrado na Delegacia. Outra vítima também foi queimada após uma lamparina pegar fogo em contato com o combustível. A vítima teria adquirido um pouco de combustível com o piloto de um barco. Segundo o relato, no momento em que a vítima colocava o combustível em um carote houve o contato com o fogo da lamparina, que acabou por se alastrar pela casa e atingiu a vítima. O morador está internado no hospital em Portel.  

Uma comissão formada por políticos e professores de Portel foi até a Delegacia para denunciar que existem outras vítimas de queimaduras causadas por explosões de lamparina na zona rural devido à mistura que teria sido feita no combustível vendido no posto de combustível. Porém, de acordo com a Delegacia, apenas esses dois casos foram registrados oficialmente na unidade policial. Os inquéritos para apurar os casos foram instaurados pelo delegado Paulo Junqueira, titular de Portel, que juntamente com o investigador Paulo Aragão, iniciou as investigações. Outras pessoas, entre elas, o responsável pelo posto, serão chamadas para prestar esclarecimentos na Delegacia.

Nenhum comentário: