segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PASSA A CONTAR COM NOVO POSTO DE IDENTIFICAÇÃO NA ESTAÇÃO CIDADANIA DO SHOPPING BOSQUE GRÃO PARÁ EM BELÉM

A Polícia Civil passou a contar, a partir desta segunda-feira, 26, de um novo posto de identificação com atendimento de excelência para emissão de todas as vias de carteira de identidade, no Shopping Bosque Grão Pará, na Avenida Independência, em Belém. O novo serviço iniciou suas atividades, durante solenidade de inauguração da Estação Cidadania, pelo governador do Pará, Simão Jatene. O novo posto começa a atender com uma média de 40 atendimentos por dia. Inicialmente, o serviço terá atendimento por ordem de chegada, com atenção especial para as prioridades - idosos, gestantes, cadeirantes, lactantes, entre outros. Com o tempo, o novo serviço terá atendimento feito via agendamento eletrônico pelo site da Polícia Civil do Pará, porém irá manter os atendimentos prioritários no posto que não precisarão ser agendados previamente.  


A delegada-geral adjunta da Polícia Civil, Christiane Ferreira, esteve presente na solenidade de inauguração. Segundo o diretor de identificação, papiloscopista Antonio Ricardo Paula, o novo posto de Identificação vai ter funcionamento diário de 8 horas da manhã até 18 horas. "A entrega do documento é feita de forma imediata logo após o atendimento", detalha. Para tanto, os interessados em obter uma carteira de identidade devem levar certidão de nascimento ou de casamento originais; duas fotos tamanho 3 por 4 iguais, atuais e em cores, e um comprovante de residência (conta de luz, água, telefone, etc). As segundas vias do documento serão isentas de pagamento de taxa com apresentação de boletim de ocorrência de roubo ou furto, assim como as primeiras vias que são gratuitas. 

O coordenador do posto, Sidney Moraes, detalha que o cidadão. ao chegar à Estação Cidadania, deve informar qual serviço e pegar uma senha para ser atendido. Durante a inauguração, o novo posto de Identificação já prestou os primeiros atendimentos. O garimpeiro Raimundo Efraim Leão Santos, 59 anos, morador no bairro do Icuí-Guajará, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém, foi a primeira pessoa do grupo de prioridades a ser atendida no novo posto. Ele conta que tomou conhecimento da inauguração e que resolveu comparecer logo para requerer a quinta via do documento. "Foi muito bom o atendimento. Eu já estava precisando de uma nova carteira de identidade", detalha. A professora Kelly de Fátima dos Santos Vieira, 27 anos, foi a segunda pessoa a obter o documento no novo posto. Moradora na Marambaia, em Belém, ela também tomou conhecimento da inauguração da Estação Cidadania e aproveitou a oportunidade para requerer a segunda via da carteira de identidade. Após o atendimento, ela já saiu do posto de novo documento. 

Delegada Christiane e Antonio Ricardo com equipe do Posto
DELEGADA CHRISTIANE E ANTONIO RICARDO COM EQUIPE DO NOVO POSTO
ESTAÇÃO CIDADANIA Belém e região metropolitana ganharam nesta segunda-feira, 26, mais uma unidade da Estação Cidadania, espaço do Governo do Estado, coordenado pela Secretaria de Estado de Administração (Sead), que integra um conjunto de serviços de utilidade pública em um só lugar. A Estação Cidadania Bosque Grão-Pará conta com serviços de 14 órgãos estaduais e federais em uma área de mais de 700m², com previsão aproximada de 10 mil atendimentos por mês e o benefício de, pelo menos, 500 mil moradores de 16 bairros com a emissão de documentos, como carteira de identidade, carteira de trabalho, primeira habilitação, título de eleitor, entre outros. O novo espaço funcionará de segunda-feira a sexta-feira, de 10h às 18h, e se unirá a outras quatro unidades já implantadas no estado: Guamá e Jurunas, na capital, e Marabá e Santarém, no interior, que juntas já atenderam aproximadamente dois milhões de usuários. 

Os serviços mais procurados pela população são os ofertados pelo Banpará, Polícia Civil (Carteira de Identidade), Detran e TRE. Segundo a titular da Sead, Alice Viana, a expectativa é a melhor possível para que os usuários tenham seus direitos garantidos. “A nova unidade vai aproximar ainda mais o cidadão dos serviços oferecidos pelo Governo do Estado e órgãos federais. Tudo em um espaço moderno, confortável e seguro, com atendimento de qualidade e excelência prestado por servidores treinados e compromissados”, afirma. Raniere Lima, superintendente do Shopping Bosque Grão-Pará, destaca a importância que a Estação Cidadania terá por facilitar e agilizar a vida das pessoas, bem como por desafogar o fluxo nos órgãos. “Enquanto aguardam atendimento, os usuários poderão passear pelo shopping, almoçar na praça de alimentação, ir ao cinema ou ao teatro, sem precisar se deslocar para longe. O shopping tem uma excelente área para diversão e distração, além de conforto e segurança para quem buscar por esses serviços”, enfatiza. 

A exemplo da Estação Cidadania Marabá, a unidade Bosque Grão-Pará é a segunda iniciativa do governo do Estado de implantação do serviço em parceria com um shopping. Além da emissão de documentos, a população terá acesso a serviços da Defensoria Pública, do Banpará, Polícia Civil, Departamento de Trânsito do Estado (Detran), Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh/Procon), Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa), Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado (Arcon), Fundação Pro Paz, Superintendência Regional do Trabalho e Emprego e Tribunal Regional Eleitoral do Pará. Atualmente, o shopping é servido por cinco linhas de ônibus, situação que deve passar por melhorias com as obras do BRT, na avenida Augusto Montenegro, que será integrado com a Avenida Centenário.

sábado, 24 de dezembro de 2016

DIVISÃO DE INVESTIGAÇÕES E OPERAÇÕES ESPECIAIS AUMENTA APURAÇÕES DE FRAUDES E CRIMES DE ESTELIONATO

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE), divulgou, nesta sexta-feira, 23, o balanço de procedimentos policiais instaurados em 2016. Ao todo, foram registrados 444 procedimentos policiais no ano referentes a inquéritos, prisões em flagrante e Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs). O destaque foi o aumento do número de procedimentos realizados pela Delegacia de Ordem Administrativa (DOA), uma das cinco Unidades Policiais que integram a Divisão, em comparação com o ano de 2015. A DOA atua em casos relacionados a fraudes e a práticas de estelionato de repercussão.

Segundo o diretor da DIOE, delegado Neyvaldo Silva, de janeiro até dezembro, a DOA realizou 141 procedimentos contra 106 no ano passado. Do total, foram 104 inquéritos instaurados este ano contra 79 em 2015. Com relação a prisões em flagrante, foram efetuadas 28 em 2016 e 18 no ano passado pela equipe da DOA. No geral, em 2016, a DIOE foi responsável por 444 processos criminais lavrados para apurar delitos na somatória das cinco Delegacias que integram a Divisão. Desse total, foram efetuados 38 TCOs (processos de crimes de menor potencial ofensivo e que não resultam em prisão em flagrante), 342 inquéritos (processos abertos para investigar crimes) e 64 autos de prisão em flagrante relacionados a crimes de maior potencial ofensivo e que resultam na prisão imediata do autor. Na somatória das prisões em flagrante e por cumprimento de mandado de prisão, foram 133 prisões no ano. 


Entre as 12 operações realizadas pela Delegacia de Ordem Administrativa (DOA), neste ano, detalha o diretor da DIOE, está a investigação sobre o golpe do emprego que resultou na prisão em flagrante de dois acusados de envolvimento no esquema. Um deles, o paulista de 28 anos, Marcos Zanzoni, foi preso, em Belém, em outubro, acusado de cobrar taxa de R$ 59,90 em troca de vaga de emprego em órgãos públicos e empresas na capital paraense. Já Maria de Nazaré Pombo foi presa acusada de praticar também o golpe do emprego por meio das redes sociais. 

Outro caso de destaque foi a Operação Golpe de Mestre que resultou no cumprimento do mandado de prisão de Evenilson Pereira da Silva, em Brasília (DF), acusado de aplicar um golpe em várias vítimas no Pará e em outros estados. Em Belém, o golpe teria rendido R$ 350 mil. Ele convencia as vítimas a acreditar que poderia 'clonar' dinheiro por meio de um processo químico e que devolveria o valor investido em dobro, repassando mais 50% à pessoa. Na operação policial denominada "Fomento", a DIOE desarticulou esquema de fraudes que resultou no desvio de R$ 9 milhões de uma empresa ligada a um grupo de supermercados em Belém. Três empresários e o gerente-geral da empresa foram presos em cumprimento a mandados de prisão preventivas decretados pela Justiça. As prisões foram decretadas em decorrência de inquérito policial instaurado para apurar as fraudes.

A DOA foi responsável pela prisão de Sheila Melo Pereira que foi indiciada por utilizar documento falso de uma arquiteta de Belém para fazer diversas compras em shoppings da capital. Em 2016, a unidade policial também atuou em casos de golpes contra idosos. Um dos casos foi a que resultou na prisão de Adriely Cristina da Silva Alves que se passava por funcionária de bancos para apossar-se de cartões de idosos, e com eles, efetivar diversas compras. Ela conseguiu convencer vítimas a entregar o cartão e a senha sob alegação de que o documento foi clonado e que deveria ser trocado por um novo. Outro caso relevante foi a prisão de Andreza de Souza Castillo, primeira pessoa presa no Pará pelo crime de estelionato contra o idoso, conforme alteração na legislação. 

Para o delegado Neyvaldo Silva, diretor da DIOE, os resultados obtidos em 2016 foram satisfatórios. "Tivemos resultados significativos no número de prisões, desarticulação de algumas associações criminosas e produção de procedimentos investigativos", ressalta. Além da Delegacia de Ordem Administrativa (DOA), a DIOE é formada pela Delegacia do Consumidor (DECON), Delegacia de Ordem Social (DOS), Delegacia de Ordem Tributária (DOT) e Delegacia de Combate a Crimes contra Concessionárias de Serviços Públicos (DCCCCSP). 

CONSUMIDOR Os crimes contra o consumidor também foram alvo de investigações realizadas pela equipe da DIOE. A Delegacia do Consumidor (DECON) foi responsável por seis operações durante o ano. No período, foram efetuados 133 procedimentos apuratórios de crimes contra as relações de consumo no Estado. Do total, 125 inquéritos foram instaurados no ano. Entre os casos apurados, destaca-se a operação conjunta com a Adepará no combate à comercialização de alimentos impróprios para o consumo.

A operação Chama Azul II foi outro destaque no ano. Realizada em conjunto com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Ministério Público do Estado, a ação efetuou o combate ao comércio clandestino de gás de cozinhas, em pontos da cidade de Abaetetuba. Outras duas operações, denominadas Butano e Gás Legal foram realizadas para combater pontos clandestinos de comércio de gás de cozinha no interior do Estado. A DECON também atuou na operação Hímeros para desarticular o comércio ilegal de medicamentos no centro comercial de Belém.

OUTRAS AÇÕES A Delegacia de Ordem Social (DOS) esteve em atuação em 11 operações no ano de 2016 e em 13 reintegrações de posse para retirada de invasores de propriedades por determinação da Justiça. Entre elas estão a operação Aquários para reintegração de posse do Residencial Eunice Weaver, em Belém, que teve duração de dois dias, e a operação Pacajá para cumprir dois mandados de prisão referentes a crime de invasão de terra. A DOS foi responsável em lavrar 28 procedimentos no ano. A Delegacia de Ordem Tributária (DOT) lavrou 53 procedimentos em 2016 relacionados a crimes contra a ordem tributária no Pará. 

POLÍCIA CIVIL PROMOVE TREINAMENTO DE POLICIAIS CIVIS COM CARABINA CT 30

A Polícia Civil promoveu, entre nos dias 21 e 22, o Curso de Habilitação, Manuseio e Uso de Armamento Letal voltado para treinamento de policiais civis que atuam em Belém e interior do Estado, da nova carabina modelo CT 30. O curso foi realizado pela Academia de Polícia Civil (Acadepol) em parceria com instrutores do Grupo de Pronto-Emprego (GPE), equipe tática da instituição policial.


Participaram do curso, no total, 20 policiais civis lotados no Núcleo de Inteligência Policial de Belém (NIP) e dos Núcleos de Apoio à Investigação (NAI) sediados em Castanhal, Abaetetuba, Marabá e Redenção, e das Superintendências de Altamira, Redenção e Marabá.

Durante o treinamento, os policiais civis participaram de treinamento de tiro policial no estande da Acadepol, além de orientações teóricas sobre o uso e manuseio da carabina CT 30, um tipo de armamento que apresenta características diferenciadas das demais armas de uso permitido às Polícias. As aulas foram realizadas na sede da Acadepol, localizado no Instituto de Ensino de Segurança do Pará (IESP), em Marituba, na grande Belém.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

POLÍCIA CIVIL TRANSFERE PARA BELÉM PRESO NO PARANÁ ACUSADO DE LIDERAR ROUBO A BANCO NO SUL DO PARÁ

A Polícia Civil transferiu para Belém nesta quarta-feira, 21, o preso Mauro José Cavalcante Sobrinho, de apelidos "Ceará" ou "Velho", preso, no último dia 10, na cidade de Londrina, no Paraná. Ele é apontado como um dos líderes do assalto na modalidade "vapor" ou "novo cangaço", realizado à agência do Banco do Brasil na cidade de São Félix do Xingu, sul do Pará, no dia 2 deste mês. Cavalcante é acusado ainda de ser o dono das armas utilizadas pela associação criminosa durante a ação criminosa. Mauro José foi preso por policiais civis do Paraná a partir de informações repassadas pela Polícia Civil do Pará. 

PRESO
A transferência do preso ocorreu entre a noite de ontem e a madrugada de hoje, quando o preso chegou à DRCO (Divisão de Repressão ao Crime Organizado), em Belém. Pela manhã, o delegado Tiago Belieny, da Delegacia de Repressão de Roubos a Bancos (DRRB), vinculada à DRCO, prestou outras informações sobre a investigação do assalto. O delegado detalhou que as armas usadas no roubo ao banco foram encontradas dentro de uma mala de viagem que estava em poder da paranaense Nayana Cris da Costa e Silva, 29. Ela foi presa, no último dia 7, em um ônibus interestadual, no município de Conceição do Araguaia, no sul do Pará, de onde se deslocava para o sul do país. 

Ainda, durante as investigações, foram apreendidas duas pistolas, dois revólveres, um fuzil AK 47, uma escopeta calibre 12 e a quantia de R$ 14 mil que estava dividida em envelopes bancários para serem depositados em contas de terceiros. A Polícia Civil prendeu também, na ocasião, outra mulher envolvida no assalto, Sandra Lúcia Domingues, de 41 anos, em Parauapebas, sudeste paraense. Na ocasião, Raimundo Nonato Inácio Valdivino, companheiro de Sandra e também considerado um dos líderes do assalto, morreu em troca de tiros com os policiais civis da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). Ao todo, sete pessoas foram indiciadas por envolvimento no roubo ao banco. Dois suspeitos permanecem foragidos. O preso ficou de ser ouvido em depoimento na continuidade das investigações.

UNIVERSITÁRIO É PRESO EM FLAGRANTE COM DROGA SINTÉTICA E MACONHA DO TIPO "SKANK" EM BELÉM

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta quarta-feira, 21, durante operação para dar cumprimento a mandados de prisão preventiva e busca e apreensão, o estudante universitário e promotor de eventos, Kim Lima de Moraes, de 25 anos, por tráfico de drogas. Ao ser preso, em sua casa, no bairro do Umarizal, ele foi flagrado com uma cartela de LSD (droga sintética) e uma porção de maconha do tipo Skank, droga modificada em laboratório para ter o princípio ativo (Tetra-hidrocanabinol - THC) potencializado para provocar efeito alucinógeno mais forte do que a maconha comum. 

MACONHA E CARTELA DE LSD

PRESO
A prisão foi realizada por policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) em continuidade das investigações sobre um esquema de produção desse tipo de droga dentro de apartamentos na capital paraense. 

Ele é apontado como o responsável em alugar um apartamento, situado em um prédio de alto padrão, no bairro de Nazaré, em que foi descoberto, em novembro deste ano, o cultivo da droga na modalidade "in door" (local fechado). Na época, foram presos Helio Bezerra Pontes, 32 anos, e Juliana Régis Dias Ferreira, 32. 

O estudante universitário do curso de Meteorologia é apontado como comparsa dos dois na produção de maconha em apartamentos, dentro dos quais havia estufas com iluminação formada de lâmpadas fluorescentes, que simulavam a luz solar, refrigeração interna com aparelhos de ar-condicionado, adubos, insumos e toda uma estrutura que permitia o cultivo da erva no local. 

A prisão foi realizada pela equipe da Denarc, sob coordenação dos delegados Hennison Jacob, titular da Divisão, e delegada Fernanda Maués, que está à frente das investigações. Kim foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e está à disposição da Justiça. Os mandados judiciais foram expedidos pela 1ª Vara de Inquéritos Policiais e Medidas Cautelares da Capital.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

POLÍCIA CIVIL LAMENTA FALECIMENTO DA ESCRIVÃ FABIOLA FACIOLA CARDOSO

A Polícia Civil lamenta profundamente comunicar o falecimento da escrivã de Polícia Civil, Fabiola Faciola Cardoso, que faleceu na noite de ontem, 19, um dia após completar 37 anos de idade. O velório é realizado na capela Max Domini, na Avenida José Bonifácio, no bairro do Guamá, e o enterro está marcado para as 11 horas de hoje, no cemitério Santa Isabel, no mesmo bairro. A policial civil atuava atualmente no Núcleo de Inteligência Policial da Polícia Civil (NIP). 


Com seis anos de carreira na instituição policial, ela foi admitida na Polícia Civil, em 25 de outubro de 2010. Com passagem inicialmente pela Delegacia de Barcarena, a escrivã trabalhou posteriormente na Superintendência da Polícia Civil da Região do Baixo-Tocantins, em Abaetetuba, e em seguida, no Núcleo de Apoio à Investigação de Abaetetuba (NAI), de onde foi transferida para o NIP, em Belém. 

A instituição externaliza seus votos de condolências à família enlutada pela irreparável perda e roga a Deus que fortaleça a todos nesse momento difícil.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PROMOVE FESTA DO NATAL SOLIDÁRIO EM COMUNIDADE DE MARITUBA

Uma manhã de alegria e emoção. Foi assim a festa do Natal Solidário dos Servidores da Polícia Civil do Pará realizada, neste sábado, dia 17, na comunidade Riacho Doce, em Marituba, na região metropolitana de Belém. Com direito a distribuição de brinquedos e lanches às crianças e presença do Papai Noel, o evento marcou o período de Natal dos moradores da localidade. Foi a edição de número 21 do Natal Solidário, que é realizado às proximidades do Natal, para levar mais alegria às comunidades carentes. Desta vez, a coordenação do programação, tendo à frente o assessor de Relações Interinstitucionais da Polícia Civil, Luiz Monteiro Junior, escolheu a comunidade de Marituba para ser beneficiada com o Natal Solidário. 

NATAL SOLIDÁRIO
Nos últimos meses, foi feita a campanha de arrecadação de doações de brinquedos e alimentos não-perecíveis para doação às comunidades. A programação é de iniciativa de servidores públicos da Polícia Civil que se reúnem para divulgar junto às Delegacias e Seccionais a campanha de doações. Como tradicionalmente ocorre, Luiz Monteiro Junior, que é investigador de Polícia, encarnou o Papai Noel para fazer a festa entre a criançada na comunidade. Para ele, é sempre uma grande alegria e um momento de emoção levar a felicidade às crianças. 

Natal Solidário em Marituba

Dezenas de brinquedos, como bolas e bonecas, foram distribuídos às crianças que também tiveram lanches. O evento foi realizado na sede de uma escola da comunidade. O Bom Velhinho foi recebida foi muita festa e entusiasmo pelas crianças, que lotaram o espaço destinado ao evento. A campanha do Natal Solidário ainda não terminou. A expectativa é atender a cerca de 500 famílias na ação solidária deste ano em outras comunidades carentes da região metropolitana de Belém. 

Papai Noel é recebido com festa

ATENÇÃO As doações podem ser feitas por qualquer pessoa. Basta procurar a sala da Assessoria de Relações Interinstitucionais (ARIN), no bloco C da Delegacia Geral, na Avenida Magalhães Barata, 290, bairro de Nazaré, de 8 horas da manhã às 18 horas, de segunda à sexta-feira. Outras informações sobre a campanha do Natal Solidário da Polícia Civil podem ser obtidas, de segunda à sexta-feira, em horário comercial, no fone (91) 4006-9041.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ENVOLVIDOS EM ROUBO A RESIDÊNCIA EM PORTEL

As Polícias Civil e Militar prenderam, no último final de semana, Regianderson Oliveira de Almeida e Evaldo Marques da Rocha, acusados de praticar um assalto a uma residência, no último dia 13, em Portel, na Ilha do Marajó. Um adolescente que também participou da ação foi apreendido. Na ocasião, os acusados invadiram uma casa armados com revólver calibre 38 e uma arma de choque, e roubaram dois telefones celulares. A vítima reagiu e conseguiu impedir que o assaltantes levassem mais objetos. 

Arma de choque, revólver e celular apreendidos

Os criminosos ainda chegaram a disparar tiros contra os moradores da casa. No dia seguinte, Regianderson Almeida foi preso em flagrante após ser reconhecido. Na delegacia, foi constatado que ele era foragido do Sistema Penitenciário do Pará, onde responde pelo crime de roubo com uso de arma de fogo, além de ter praticado ato infracional análogo ao crime de homicídio qualificado quando era adolescente. 

Segundo o delegado Paulo Junqueira, titular da Delegacia de Portel, ele vai responder pelo crime de tentativa de homicídio. Ao ser preso, o acusado estava com um dos aparelhos celulares roubados e com a arma de choque usada no crime. O outro acusado, Evaldo Marques, foi preso na sexta-feira passada, dia 16. Ele estava com o revólver calibre 38 utilizado no assalto. O acusado vai responder pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

POLÍCIA RECUPERA VEÍCULOS ROUBADOS E PRENDE AUTORES DO CRIME NO NORDESTE PARAENSE

A Polícia Civil, por meio da Superintendência da 3ª Região Integrada de Segurança Pública (3ª RISP), deflagrou a operação "Castelo de Areia" para investigar uma série de roubos de caminhões e tratores ocorridos na região nordeste do Estado. Após investigações nos municípios de Tomé-Açu, Santa Maria do Pará, Vigia-de-Nazaré e São Francisco do Pará, no nordeste do Pará, a equipe policial identificou Diogo Leão Celia e Thiago Willian da Silva Freitas como integrantes de uma associação criminosa especializada em roubos, desmanche, adulteração e receptação de máquinas agrícolas e veículos. 

Veículos recuperados

Segundo o delegado Victor Fontes, a associação criminosa agia em diversas cidades do interior do Pará e também em outros Estados. "A dupla foi presa em cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pela Comarca do município de Vigia de Nazaré", explica o policial civil. Diogo Leão foi preso na última quinta-feira, dia 15, no município de Benevides, e Thiago Freitas foi preso, em Belém no último sábado, 17. 

Com eles, alguns dos veículos roubados foram recuperados. A operação contou com o apoio da Diretoria de Polícia do Interior da Polícia Civil (DPI), da Delegacia do Centro de Castanhal, da Seccional Urbana do Jaderlândia em Castanhal, da Delegacia de Quatro Bocas em Tomé-Açu, do Núcleo de Apoio à Investigação de Castanhal (NAI), e do Núcleo de Inteligência Policial da Polícia Civil (NIP).

OPERAÇÃO TAPERA DESTROI MAIS DE 200 MIL PÉS DE MACONHA NO NORDESTE DO PARÁ

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira, 19, em entrevista coletiva de imprensa, na Delegacia-Geral, em Belém, os resultados de nove dias da operação denominada "Tapera" para combate ao tráfico de drogas por meio da destruição de plantações de maconha na região do Gurupi, na divisa do Pará com o Maranhão. No total, foram duas etapas da operação policial deflagrada, em sua primeira etapa, de 22 a 27 de novembro, e na segunda etapa, de 12 a 14 de dezembro deste ano. Nas duas etapas, foram localizadas 55 roças de maconha com um total de 232,5 mil pés de maconha destruídos.


Foram apreendidos mais de 114,7 mil mudas da erva, mais de 91 quilos de maconha seca; 35 quilos de sementes e 12 quilos de maconha em formato de tablete pronta para venda. Foram apreendidas ainda duas armas de fogo caseiras usadas em armadilhas no meio da mata; cinco prensas usadas no preparo da maconha; uma bomba de irrigação e 1.800 metros de tubos de PVC usados na irrigação das plantações. A operação vai prosseguir com objetivo de identificar os responsáveis pelas propriedades rurais, onde a droga era plantada. No total, as áreas medem mais de 132 mil metros quadrados.

COLETIVA DE IMPRENSA
A coletiva contou com as presenças do delegado-geral Rilmar Firmino; do diretor da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), delegado Hennison Jacob; do diretor de Polícia do Interior, delegado João Bosco Rodrigues; do piloto do Grupamento Aéreo do Estado (Graesp), delegado Nelson Sobreira, e do perito criminal Benedito Leão, do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. A ação policial foi coordenada pelo Sistema Integrado de Segurança Pública do Pará, sob comando do delegado Hennison Jacob, titular da Denarc da Polícia Civil, e contou com atuação de policiais civis de Belém e das Superintendências Regionais de Castanhal e Capanema, além de policiais militares da Companhia de Operações Especiais (COE) e do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA); bombeiros militares; peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e um helicóptero do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado (Graesp) para apoio nas buscas aos roçados de maconha em meio à mata fechada e de difícil acesso por terra.


A primeira etapa da operação, entre os dias 22 e 27 de novembro deste ano, resultou na localização de 42 plantações e na destruição de mais de 175 mil pés de maconha, além da apreensão de 90 mil mudas da erva; mais de 15 quilos de sementes e dez quilos de maconha seca e já beneficiada. A operação abrangeu as cidades de Cachoeira do Piriá, Nova Esperança do Piriá, Viseu e Garrafão do Norte. Do total de roças localizadas, 32 deles estavam na áreas de Cachoeira do Piriá. A área onde os plantios foram encontrados é equivalente a 100 campos de futebol.


Já a segunda etapa, de 12 a 14 de dezembro, na localização de 13 roçados de maconha com destruição de 57,5 mil pés da erva em uma área plantada de 27 mil metros quadrados, localizada na zona rural de Cachoeira do Piriá. Na área também foram apreendidas 24,7 mil mudas; 81 quilos de maconha seca; 20 quilos de sementes e 12 quilos de tabletes de maconha. 


Nesta segunda etapa da operação, explica o delegado Hennison Jacob, o diferencial foi a localização de plantações dentro de matas fechadas e não mais às proximidades de rios, como era antes. Segundo o delegado-geral, ao contrário do que era antes, hoje o cultivo da maconha é feito em terras legalizadas e até perto de residências. Rilmar Firmino ressalta que o monitoramento nessas áreas e em outras regiões do Estado é constante para identificar novas plantações da erva. "Já temos um calendário de ações em 2017 para erradicar cultivos de maconha no interior", salienta. 

O delegado-geral informou ainda que irá oficiar ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e ao Iterpa (Instituto de Terras do Pará) para verificar a quem pertence as áreas onde foi encontrado o cultivo da maconha. "Tão importante quanto destruir plantações de maconha é identificar os donos das terras para futuramente pedir à Justiça a desapropriação das áreas", salienta. O delegado Nelson Sobreira, piloto do helicóptero do Graesp, explicou, na coletiva, que a atuação do Grupamento é fundamental para o êxito da operação. "Sobrevoamos a área previamente levantada conduzindo os policiais e, durante o procedimento, conseguimos até localizar outras plantações que não estavam no levantamento", explica. 


A presença do Centro de Perícias Científicas na operação é fundamental, pois o trabalho pericial dá a credibilidade necessária ao procedimento policial, por meio das perícias. O trabalho da equipe de peritos criminais na operação, explicou o perito Benedito Leão, foi o de mensurar a área de cultivo e a área na qual os roçados foram encontrados, além de quantificar pés de maconha, e fazer todo o trabalho de marcação (plotagem) da região, que ajuda na identificação dos locais de cultivo. Parte da maconha apreendida no local foi levada como amostra para posterior perícia de constatação da droga feito em laboratório. 

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

OPERAÇÃO TAPERA DESTROI MAIS DE 30 MIL PÉS DE MACONHA NO NORDESTE DO PARÁ

A Polícia Civil divulgou nesta quarta-feira, 14, resultados parciais da segunda fase da operação Tapera para destruir plantações de maconha no nordeste do Pará, divisa com o Maranhão. Em dois dias de operação, foram localizadas 7 roças de maconha com mais de 30 mil pés da erva destruídos. Foram apreendidos ainda mais de 11 quilos de sementes, mais de 13,5 mil mudas, mais de 72 quilos de maconha seca e armas de fogo. Iniciada no último dia 12, a operação prossegue na região. 


A ação policial é comandada pelo delegado Hennison Jacob, titular da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), da Polícia Civil, e conta com apoio de policiais civis de Belém e vinculados às Superintendências de Castanhal e Capanema, policiais militares da Rotam e Batalhão de Polícia Ambiental; bombeiros militares; peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e um helicóptero do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) para apoio nas buscas aos roçados de maconha em meio à mata fechada e de difícil acesso por terra. 

Maconha seca

ARMAS APREENDIDAS
Somente no primeiro dia da operação, dia 12, os policiais localizaram quatro roças em uma área de mais de 10,8 mil metros quadrados, onde foram encontrados mais de 19 mil pés de maconha e 13,5 mil mudas. No segundo dia, na terça-feira, 13, a operação localizou mais três roças com 11 mil pés da erva. 

SOCIAL Além da parte de repressão ao tráfico de drogas, os agentes do Sistema do Segurança Pública levaram doações para a comunidade carente da zona rural de Cachoeira do Piriá. Foram doados diversos kits de alimentos não-perecíveis arrecadados pela própria equipe de agentes de Segurança Pública para ajudar a comunidade.

ENTREGA DE ALIMENTOS A MORADORES DA COMUNIDADE
A iniciativa foi dos próprios agentes como forma de contribuir de forma solidária com o natal dos moradores na região. A primeira etapa da operação foi realizada entre os dias 21 e 26 de novembro deste ano, na região do rio Gurupi, divisa do Pará com o Maranhão. A operação do Sistema Estadual de Segurança Pública resultou na destruição de mais de 175 mil pés de maconha e na apreensão de 90 mil mudas da erva, mais de 15 quilos de sementes, dez quilos de maconha seca e já beneficiada e cinco prensas usadas no preparo da droga para o tráfico, além de duas armas de fogo. 

Ao todo, 42 plantações de maconha foram localizadas nos seis dias de operação. A operação abrangeu as cidades de Cachoeira do Piriá, Nova Esperança do Piriá, Viseu e Garrafão do Norte. Do total de roças localizadas, 32 deles estavam na áreas de Cachoeira do Piriá. A área onde os plantios foram encontrados é equivalente a 100 campos de futebol. Foi a maior apreensão de drogas realizada no ano.

POLÍCIA CIVIL TRANSFERE PARA BELÉM PRESO NO PIAUÍ ACUSADO DE MATAR PREFEITO DE GOIANÉSIA DO PARÁ

A Polícia Civil do Pará transferiu, nesta quarta-feira, 14, de Teresina (PI) para Belém, o preso Benedito Peres Campelo, 55 anos, natural de Natal (RN), acusado de executar o então prefeito de Goianésia do Pará, João Gomes da Silva, que era conhecido como Russo, em 24 de janeiro deste ano. O preso chegou na Delegacia-Geral, pela manhã, sob escolta de uma equipe de policiais civis da Divisão de Homicídios, sob comando do delegado Fernando Bezerra. Ainda pela manhã, o preso prestou depoimento ao delegado na sede da DH e ficou de ser transferido a uma unidade do Sistema Penitenciário na região metropolitana de Belém para ficar à disposição da Justiça de Goianésia do Pará. 

PRESO
Segundo o delegado, a prisão de Campelo foi resultado de "intensa investigação bastante complexa" que resultou na identificação de alguns envolvidos no crime. "Agora, a gente está na fase de captura. Ele foi o primeiro a ser capturado e, segundo as investigações, ele foi o executor, a pessoa que efetuou os disparos contra o prefeito", explica o policial civil, que preside o inquérito do caso.  

PREFEITO FOI MORTO
As investigações foram realizadas pela equipe da DH com apoio da SIAC (Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal), vinculada à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará. A prisão de Campelo foi resultado de trabalho conjunto com policiais civis de Teresina no Piauí, onde o acusado estava foragido. Ainda, conforme o delegado, o preso usa vários nomes e documentos falsos, o que vai exigir uma pesquisar para verificar outros crimes que ele teria cometido no Pará e em outros Estados brasileiros. 

Benedito foi preso na sexta-feira passada, dia 9, em Teresina, como resultado de um trabalho conjunto de policiais civis da DH e Serviço de Polícia Interestadual de Buscas e Capturas (Polinter) do Pará com apoio da Polícia Civil piauiense.

Segundo o policial civil, o prefeito foi morto a tiros por dois criminosos. Um deles entrou no local do velório, onde estava a vítima, e efetuou os disparos. Durante as investigações, um dos envolvidos, agora preso, foi identificado como Benedito Campelo, que também usa outros nomes, entre os quais, Agnaldo Peixoto de Alencar. Ao ser preso, o acusado portava uma carteira de identidade com esse nome falso.

OPERAÇÃO POLICIAL RESULTA NA APREENSÃO DE DROGAS E TRÊS PRISÕES EM MELGAÇO

A Polícia Civil deflagrou no último final de semana, em Melgaço, na Ilha do Marajó, a operação "Deu Bode", com o objetivo de cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão em locais apontados como pontos de tráfico de drogas, no município. Foram presos em flagrante, durante a operação, Jhonatas Garcia Soares, Lissandro Moraes da Gama e Antonio Reinaldo Montoril Júnior.


Segundo o delegado Geraldo Pimenta, titular em exercício da Superintendência da Regão do Marajó Ocidental, com os presos foram apreendidas uma espingarda caseira, um celular, um rolo de linha, 37 porções de maconha, 1 porção de barrilha e mil reais em dinheiro da venda de drogas. Eles foram encaminhados para a Delegacia do município e estão recolhidos à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL COMBATE DESMATAMENTO ILEGAL DURANTE OPERAÇÃO ESTACA ZERO EM TOMÉ-AÇU E ACARÁ

A Polícia Civil, por meio da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), participou de quatro operações de combate ao desmatamento ilegal no Estado, no segundo semestre deste ano. Na mais recente operação, denominada "Estaca Zero", realizada entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro, por policiais civis da DEMA e peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, em Tomé-Açu e Acará, nordeste do Estado, ao todo, sete pessoas foram autuadas por crimes ambientais. Segundo o titular da DEMA, delegado Luis Xavier, a operação visou combater a retirada irregular de madeira na região. 


No total, foram apreendidos 1,7 mil estacas de acapu; 46 mourões; três caminhões; três tratores e duas motosserras que eram usados no desmatamento e extração ilegal de madeira. "Toda madeira apreendida foi doada às instituições religiosas da região ", explicou o delegado. As sete pessoas autuadas irão responder com base na Lei de Crimes Ambientais (número 9.605/98), nos crimes previstos no artigo 39, por cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade competente; artigo 46, por receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir licença do vendedor, outorgada pela autoridade competente, e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até final beneficiamento, e artigo 51, por comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas e nas demais formas de vegetação, sem licença ou registro da autoridade competente. 

Operação Estaca Zero

Estiveram em atuação na operação o delegado Vicente Costa, os investigadores Aroldo Souza, Antonio Monteiro, Marcelo Tobias e Lourival Silva, e escrivão Aroldo Souza. Em novembro deste ano, a DEMA atuou em outra operação de combate ao desmatamento ilegal nos municípios de Dom Eliseu e Ulianópolis, no nordeste paraense, onde foram apreendidas 153 toras de madeiras, além de cinco caminhões, dois tratores e uma motosserra. A ação foi uma parceria entre a Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), Secretaria de Meio-Ambiente e Sustentabilidade do Estado (SEMAS) e Batalhão de Polícia Ambiental da PM do Pará.

POLICIAIS CIVIS DA SECCIONAL DA CREMAÇÃO ENTREGAM DOAÇÕES A IDOSAS ATENDIDAS EM ABRIGO EM BELÉM

Uma iniciativa de servidores da Seccional Urbana da Cremação, levou mais alegria às idosas atendidas no Abrigo São Vicente de Paulo, entidade localizada no bairro da Pedreira, em Belém. No total, foram doados 30 kits com produtos de higiene pessoal, nesta segunda-feira, 12, a cada uma das senhoras abrigadas no local, como forma de ajudar nos trabalhos desenvolvidos pela entidade. A entrega dos produtos foi realizada pelo diretor da Seccional, delegado Aldo Botelho, que esteve na sede do Abrigo. Ele explica que foram arrecadados produtos como toalhas, perfumes, batons, escova de cabelo, creme dental, papel higiênico, fraldas geriátricas, entre outros objetos.

Idosas atendidas no Abrigo e delegado Aldo Botelho

Vinculado à Associação Internacional de Caridade, o Abrigo São Vicente de Paulo foi fundado em 1938 pelo Padre Frederico da Paróquia de São Raimundo Nonato, no bairro do Telégrafo, em Belém. No início, a instituição era uma casa destinada a ajudar idosas carentes com alimentos e remédios. Depois, o local foi transformado em abrigo, onde as idosas passaram a morar, Com o tempo, o terreno foi ampliado para atender a demanda.

Delegado Aldo Botelho entrega doações a idosa

O Abrigo é uma entidade totalmente filantrópica, que sobrevive de mensalidades pagas pelas próprias idosas atendidas, além de contribuições, bazares de pechincha, bingos, rifas e doações do público em geral. O abrigo tem capacidade para acomodar 38 senhoras e conta com 12 quartos individuais e sete quartos coletivos com quatro camas em cada um. Atualmente, o Abrigo acolhe 30 senhoras idosas.

Diariamente, o local precisa de gêneros alimentícios, como leite em pó integral, massas para mingau, café e açúcar, e produtos como ataduras, esparadrapo, luvas de procedimento, fraldas geriátricas de tamanhos M, G e EX, além de material de limpeza como sabão em pó, sabão em barra, água sanitária, detergente e desinfetante.

SERVIÇO O Abrigo funciona na Travessa Mauriti, nº 1.061, entre Avenidas Marquês de Herval e Visconde de Inhaúma, na Pedreira, em Belém. Contatos pelo fone (91) 3226-4984.

sábado, 10 de dezembro de 2016

PRESOS ACUSADOS DE ARROMBAR AGÊNCIA BANCÁRIA EM PACAJÁ NO PARÁ

A Polícia Civil divulgou, neste sábado, 10, os resultados da operação policial deflagrada, ao longo da semana, para dar cumprimento aos mandados de prisão decretados pela Justiça contra cinco acusados, entre eles, quatro policiais militares, por envolvimento no furto com arrombamento da agência do Banco da Amazônia, em Pacajá, sudeste do Pará. O crime se registrou em 11 de abril de 2015, quando um maçarico foi usado para arrombar o cofre do banco e saquear elevada quantia em dinheiro. Durante as investigações, o delegado Marco Meira Mayer, titular da Delegacia de Pacajá, com apoio da Diretoria de Polícia do Interior (DPI) e Diretoria de Polícia Especializada (DPE), da Polícia Civil, conseguiu levantar provas para requisitar as prisões dos acusados ao Poder Judiciário. 

Cidade de Pacajá
CIDADE DE PACAJÁ
Segundo o delegado, um dos presos, Oziel Lima Vieira, foi preso no município de São Domingos do Araguaia, numa ação conjunta da Superintendência Regional do Lago de Tucuruí e Delegacia de Polícia local, com apoio da Diretoria de Polícia do Interior. Após o arrombamento e furto no banco, o preso fugiu da cidade de Pacajá para tentar dificultar as investigações. Ainda, durante a operação, foi dado cumprimento aos mandados de prisão preventiva contra dois policiais militares, que já estavam recolhidos no Presídio “Coronel Anastácio das Neves”, no Complexo Penitenciário de Santa Isabel do Pará. Um deles foi preso em flagrante por envolvimento em tentativa de assalto uma agência bancária, em Jacundá, em julho deste ano. 

O outro acusado foi preso em março deste ano por envolvimento em assalto a banco, na cidade de Moju, nordeste paraense. Outro policial militar foi preso enquanto viajava em um ônibus intermunicipal, pela Rodovia PA 150, em Moju. A prisão foi realizada por agentes da Polícia Rodoviária Estadual e Divisão de Crimes Funcionais (Dcrif) da Corregedoria. O outro acusado apresentou-se na Dcrif, em Belém, ao tomar conhecimento do mandado de prisão. 

Os militares estão recolhidos no Presídio “Coronel Anastácio das Neves” à disposição da Justiça de Pacajá, responsável em decretar os mandados de prisão. O delegado Marco Mayer destaca o apoio da Diretoria de Polícia do Interior e da Diretoria de Polícia Especializada, para o sucesso da investigação e destaca que o Sistema de Segurança Pública vem atuando de forma técnica e eficaz contra associações criminosas que praticam ações criminosas no Estado.

PRESO NO PIAUÍ ACUSADO DE MATAR PREFEITO DE GOIANÉSIA DO PARÁ

A Polícia Civil deve transferir ao Pará, nos próximos dias, o preso Benedito Peres Campelo, 55 anos, natural de Natal (RN), apontado como executor do então prefeito de Goianésia do Pará, João Gomes da Silva, que era conhecido como Russo. O crime ocorreu em 24 de janeiro deste ano, quando a vítima estava em um velório, no município paraense. 

PRESO
Benedito foi preso, nesta sexta-feira, 9, em Teresina, capital do Piauí, como resultado de um trabalho conjunto de policiais civis da Divisão de Homicídios e Serviço de Polícia Interestadual (Polinter) do Pará com apoio da Polícia Civil piauiense. 

Segundo o policial civil, o prefeito foi morto a tiros por dois criminosos. Um deles entrou no local do velório, onde estava a vítima, e efetuou os disparos. Durante as investigações, um dos envolvidos, agora preso, foi identificado. 

Benedito Campelo também usa o nome de Agnaldo Peixoto de Alencar, inclusive, ao ser preso, portava uma carteira de identidade com esse nome falso. As investigações continuam. O inquérito é presidido pelo delegado Fernando Bezerra, da Divisão de Homicídios do Pará.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DEFLAGRAM OPERAÇÃO PARA COMBATE AO TRÁFICO DE DROGAS EM VILA DO CONDE

As Polícias Militar e Civil prenderam em flagrante, nesta sexta-feira, 9, durante operação denominada “Conde”, realizada no distrito de Vila do Conde, município de Barcarena, nordeste do Pará, cinco pessoas envolvidas em tráfico e associação para o tráfico de drogas. A ação policial foi deflagrada para cumprir mandados judiciais de busca e apreensão em seis casas identificadas como pontos de venda de drogas. 


Os presos são Alarisse Dias; Breno Corrêa da Silva; Joice Gonçalves de Souza; Kathlyn Nazaré Oliveira Albuquerque e João Wellington Sacramento da Silva. Foram apreendidos, durante as buscas nos imóveis, três tabletes de maconha prensada; 50 papelotes de maconha; 20 papelotes de pasta de cocaína; uma munição de revólver calibre 38; telefones celulares e R$ 2,9 mil em dinheiro. 


Segundo o delegado Augusto Potiguar, responsável pela operação, os mandados judiciais foram expedidos pela Justiça em decorrência de investigações realizadas na região. Participaram da operação policiais civis e militares de Vila dos Cabanos, policiais militares do Grupo Tático Operacional (GTO); duas guarnições de Vila do Conde; guarnições da 1ª e 2ª Companhias da PM e uma guarnição do Canil.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

"NATAL COM SEGURANÇA" LEVA PAPAI NOEL, MÚSICA E INTEGRAÇÃO À COMUNIDADE RIBEIRINHA DE BELÉM

Empolgados e sorridentes. Assim estavam cerca de 100 crianças, na manhã desta sexta-feira, 9, a espera do Papai Noel, no trapiche que dá acesso a Comunidade Santa Rosa, localizado na ilha das Onças, área metropolitana de Belém. A chegada de um dos símbolos natalinos foi uma das atrações da ação “Natal com Segurança”, promovida pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup). Além de proporcionar várias atrações à comunidade, o evento teve o objetivo de aproximar os gestores de segurança com os moradores da ilha. 


 
Estiveram presentes o secretário de Segurança, Jeannot Jansen, o secretário Adjunto da Segup, coronel Hilton Benigno, a diretora de Prevenção Social da Violência e da Criminalidade, delegada Silvia Rego, o diretor do Grupamento Fluvial de Segurança Pública, o delegado Dilermando Dantas e o assessor de Relações Interinstitucionais da Polícia Civil, Luiz Monteiro. A comitiva de segurança foi recebida pelos pais das crianças, integrantes do Conselho de Segurança da ilha das Onças e do Fórum das Ilhas. 


A entrega dos presentes foi embalada ao som do saxofonista e professor da Fundação Carlos Gomes, Harley Bichara, que tocou músicas tradicionais natalinas como “Noite Feliz”, “Natal Branco” e “Vem que tá chegando o Natal”. Durante o evento, o titular da Segup, Jeannot Jansen, conversou com as crianças moradoras da ilha das Onças. “Um dia vocês irão crescer, e também poderão de alguma forma contribuir para o bem comum da sociedade, como as ações de segurança. Por isso, os aconselho a conduzirem suas vidas no caminho dos estudos. Desejo que vocês sejam muito felizes”, enfatizou. 


O estudante, Cauã Rodrigues, 12 anos, estava na fila para receber os presentes e já pensava no que pediria para o próximo Natal. “Vou pedir material escolar. Gosto muito de estudar e quero ser médico quando crescer”, contou. Durante o lanche, os moradores da Comunidade Santa Rosa usufruíram também dos serviços de saúde e de beleza, como aferição de pressão arterial e corte de cabelo.


Moradora da ilha das Onças desde que nasceu, Camila Cruz, 25, disse que receber a comitiva de segurança é um momento de muita alegria para a comunidade, pois existe a possibilidade de conversar pessoalmente com os gestores de segurança. “É um momento muito esperado também, para as crianças. Elas ficam eufóricas já no dia anterior a chegada do evento”, contou. O “Natal com Segurança” contou também com o apoio da Prefeitura de Belém, da Associação Paraense de Motociclistas e de uma equipe do Guardião da Vida.

OPERAÇÃO RESULTA NA APREENSÃO DE MACONHA E NA PRISÃO DE ENVOLVIDOS EM CRIMES EM TOMÉ-AÇU

A Polícia Civil apreendeu drogas e prendeu em flagrante três homens por envolvimento em tráfico de drogas e violência doméstica, durante operação realizada em Tomé-Açu, nordeste paraense, nesta quarta-feira, 7. Um dos presos é Rosinaldo dos Santos Rodrigues que teve mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça por quebrar medidas protetivas em razão de processo de violência doméstica movido por sua ex-companheira. 

Segundo o delegado Alexandre Lopes, titular da Delegacia do município, o acusado ignorou a decisão judicial e teve seu mandado de prisão expedido pela Comarca Judiciária. A equipe policial de Tomé-Açu, ao receber a ordem de prisão, saiu em diligências e conseguiu prender o acusado que agora está recolhido à disposição da Justiça. 

Tablete de maconha apreendido
MACONHA APREENDIDA
Os outros dois presos são Rodrigues da Silva Mendonça e Francisco de Assis da Silva Gomes que foram presos em flagrante em ação conjunta da Polícia Civil e Polícia Rodoviária Estadual na operação denominada "Boas Festas" para combater o tráfico de drogas na região. A prisão da dupla foi realizada no interior de um ônibus durante abordagem policial. Os policiais apreenderam no veículo um tablete de 300 gramas de maconha. 

Os acusados foram encaminhados para a Delegacia onde foi lavrado o flagrante. Eles estão recolhidos à disposição da justiça. O delegado Alexandre Lopes ressaltou que as operações para combater o tráfico de drogas estão programadas para serem realizadas durante todo o mês de dezembro em diferentes bairros e comunidades da zona rural de Tomé-Açu.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

POLÍCIA CIVIL PRENDE ACUSADAS DE ENVOLVIMENTO COM ASSALTANTES DE BANCO NO SUDESTE DO PARÁ

A Polícia Civil prendeu, ontem, no sudeste do Pará, duas mulheres acusadas de envolvimento com a associação criminosa responsável pelo assalto ao Banco do Brasil, em São Félix do Xingu, ocorrido no último dia 2. As prisões foram realizadas em Conceição do Araguaia e em Parauapebas. Uma das presas é a paranaense Nayana Cris da Costa Silva, 29 anos, que foi capturada em Conceição do Araguaia, na divisa do Pará com o Tocantins, no momento em que tentava fugir com parte do armamento usado no assalto. A outra acusada é a mineira Sandra Lúcia Domingues, 20 anos, presa em Parauapebas, apontada como responsável em dar apoio logístico ao grupo criminoso. 

NAYARA E SANDRA: PRESAS
Elas estão presas em Parauapebas, onde irão permanecer à disposição da Justiça. No momento da prisão de Sandra, o companheiro dela, Raimundo Nonato Inácio Valdivino, 46 anos, reagiu à prisão atitando contra os policiais e morreu na troca de tiros. Na casa, os policiais apreenderam R$ 14 mil roubados durante o assalto. A operação policial foi realizada por policiais civis da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), sob coordenação do delegado Tiago Belieny, com apoio das Superintendências da Polícia Civil de São Félix do Xingu e Redenção, e Seccional de Parauapebas. 

Armas apreendidas
ARMAS
Conforme o delegado, Nayana foi presa no interior de um ônibus interestadual que seguia para fora do Pará. Nas bagagens da presa, os policiais encontraram um fuzil AK 47, uma escopeta calibre 12, duas pistolas e dois revólveres. Um dos revólveres foi roubado do vigilante que estava de serviço no Banco do Brasil, em São Félix do Xingu, no dia do assalto. 

Dinheiro apreendido
DINHEIRO APREENDIDO
Após a prisão e interrogatório de Nayana, os policiais civis descobriram a casa, em Parauapebas, onde estavam escondidos outros envolvidos com a associação criminosa. Nesse local, durante a abordagem policial, Raimundo Nonato reagiu a tiros contra os policiais, que tiveram de se defender. O suspeito morreu na troca de tiros. A companheira dele foi presa em flagrante. Raimundo era apontado nas investigações como um dos líderes do grupo de assaltantes.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

FESTA DE "PROIBIDÃO" ERA BANCADA POR DROGAS E PRESENÇA DE MENORES EM ANANINDEUA

O Sistema Integrado de Segurança Pública do Pará realizou entre a noite de domingo, 4, e a madrugada desta segunda-feira (5), uma operação policial que encerrou uma festa regada a drogas e com presença de dezenas de adolescentes, em uma casa noturna, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém. Denominada de operação Recreio, nome do estabelecimento, a ação policial teve início, por volta de 19 horas, quando policiais civis e militares, e equipes do Detran, abordaram o local durante o evento. Informações eram que de que na casa de shows ocorria uma festa com cerca de 300 pessoas para comemorar 27 anos da Torcida Organizada Remoçada (TOR), que foi extinta há nove anos por ordem da Justiça. No local, ocorria a apresentação de um DJ que tocava "proibidão", um tipo de funk com letras que fazem apologia ao crime. 

POLÍCIA ENCERRA FESTA
Ainda, na festa, foram encontrados membros com faixas de torcidas de times de futebol de fora do Pará. Durante revista dentro do local, os policiais encontraram diversas porções de pasta de cocaína jogadas no interior da casa de shows. Todos no local foram revistados e tiveram as identidades solicitadas e checadas. Wellington Duarte do Espírito Santo, que vendia bombons na casa de shows, foi preso em flagrante por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Com ele, foram encontradas 28 petecas de pasta de cocaína e um revólver calibre 38. No lado de fora do local, equipes do Detran apreenderam diversas motos com irregularidades. Outras duas pessoas foram presas em flagrante. Uma delas - Marcelo Sousa de Oliveira - conduzia uma moto sob influência de bebida alcoólica e, assim, foi autuada por crime de alcoolemia. Como cabe fiança, conforme previsto em lei, ele pagou o valor de R$ 907,23 e vai responder pelo crime de trânsito em liberdade. 

Pasta de cocaína apreendida
DROGAS APREENDIDAS
Motos apreendidas pelo Detran
VEÍCULOS APREENDIDOS
A outra pessoa (Fábio Tavares Amoedo) ofereceu R$ 100 a um agente do Detran para não ser apresentado na Delegacia por estar sem carteira de habilitação e foi autuado por crime de corrupção ativa e por infração de trânsito. Ao todo, mais de 150 pessoas sem documentação foram conduzidas para a Unidade Integrada Propaz do Distrito Industrial, em Ananindeua, para averiguação. Do total, 62 eram adolescentes. Três deles eram menores em conflito com a lei. Um deles é fugitivo do Centro de Internação do Adolescente Masculino (CIAM), em Belém, e outros dois são fugitivos do município de Castanhal. Os demais foram conduzidos ao Conselho Tutelar de Ananindeua para serem entregues aos pais ou responsáveis. O promotor da festa vai responder por crime de desobediência à ordem judicial e poderá ter licença de funcionamento cassada pela Divisão de Polícia Administrativa (DPA), da Polícia Civil, por causa da presença de menores em desacordo com a lei. 

A operação foi coordenada pelo Sistema de Segurança Pública, por meio da Secretaria Adjunta de Gestão Operacional (SAGO) e Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal (SIAC), e atuação de mais de 100 agentes públicos sob comando dos delegados Claudio Galeno e Marco Antonio Duarte, e coronel Simão Salim, comandante de policiamento da Região Metropolitana, da Polícia Militar. Atuaram policiais civis de Seccionais de Polícia de Belém e região metropolitana vinculadas à Diretoria de Polícia Metropolitana e Superintendência de Polícia Metropolitana; da Divisão de Polícia Administrativa (DPA) e Grupo de Pronto-Emprego da Polícia Civil (GPE); policiais militares da Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) da PM; homens da Polícia Rodoviária Federal; agentes do Detran; Corpo de Bombeiros; Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) com apoio do helicóptero do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp).

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ACUSADOS DE DESTRUIR VIATURA DO DETRAN EM MÃE DO RIO

As Polícias Civil e Militar apreenderam oito adolescentes e prenderam cinco adultos por envolvimento nos atos de vandalismo e depredação do patrimônio público em Mãe do Rio, na noite de ontem, 29. Eles são apontados por participação na destruição e incêndio de uma viatura do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e na tentativa de depredação do prédio do órgão do município, além da depredação de uma praça pública na cidade. Os atos teriam ocorrido a pretexto de manifestação contra uma operação realizada pelo Detran no município desde o último dia 28 e que já resultou na apreensão de diversos veículos em situação irregular. 


O grupo teria se articulado para fazer o protesto por meio de grupos de WhatsApp. Segundo o delegado Clóvis Bueno, titular da Delegacia de Mãe do Rio, durante os atos de depredação, policiais militares de municípios da região e Comando de Policiamento Regional de Paragominas reforçaram a segurança na cidade e passaram a efetuar buscas para prender os acusados. 

Os adultos presos foram autuados pelos crimes de associação criminosa, dano ao patrimônio público, incêndio e corrupção de menores. Já os adolescentes foram apresentados ao Ministério Público para providências legais. 

A Polícia Civil solicitou perícia de local de crime que foi realizada na tarde desta quarta-feira, 30, no prédio do Detran. Conforme o policial civil, a intervenção da PM impediu que o grupo invadisse o prédio-sede do Detran na cidade. As investigações irão continuar para tentar identificar outros envolvidos nos atos de depredação. 

ACADEMIA DA POLÍCIA CIVIL PROMOVE TREINAMENTO DE MANUTENÇÃO DE ARMAS EM MARITUBA

A Academia de Polícia Civil (Acadepol) deu início, nesta terça-feira, 29, a dois dias de treinamentos aos policiais civis lotados na Seccional Urbana de Marituba voltados ao uso adequado de armamento e manutenção em primeiro escalão (limpeza e lubrificação) das armas de trabalho. A medida visa fornecer instrução educacional de forma técnica e profissional ao quadro pessoal da Polícia Civil e promover curso de atualização e aperfeiçoamento regular aos servidores da capital e interior do Estado. 

Policiais civis assistem a palestra na Seccional de Marituba

Segundo a delegada Marlise Tourão, diretor da Acadepol, as orientações almejam atingir resultados na qualidade do atendimento ao público para implementar a cultura da manutenção periódica e preventiva dos armamentos cautelados aos policiais civis e às Unidades Policiais e, dessa forma, promover a otimização do atendimento ao usuário e atender a política de integração do policial com a comunidade. 

No primeiro dia, os policiais civis assistiram a palestras na sede da Seccional, como sobre investigação policial. Nesta quarta-feira, eles serão levados ao estande de tiros do Instituto de Ensino de Segurança do Pará (IESP), em Marituba, para participar do treinamento de tiro.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA CULTIVO DE MACONHA DO TIPO "SKANK" DENTRO DE CONDOMÍNIO EM BELÉM

A Polícia Civil descobriu nesta terça-feira, 29, mais um local de cultivo de "skank" (maconha modificada para potencializar os efeitos alucinógenos) em uma casa no residencial Itapuã, no bairro do Tapanã, distrito de Icoaraci, em Belém. A droga era cultivada pelo eletricista Railson Amaral Ferreira, 42 anos, responsável em alugar a casa para o plantio, enquanto que o estudante Thalles Henrique Costa da Silva Haber, 23, reparava a plantação. Os dois foram presos em flagrante no local e autuados por tráfico de drogas.  


A operação foi realizada por policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) sob coordenação do delegado Hennison Jacob, diretor da unidade policial. O flagrante é resultado da continuidade da operação realizada no último dia 24, quando duas pessoas foram presas responsáveis por cultivar pés de maconha em apartamentos de alto padrão e em uma casa, em Belém. O delegado Hennison Jacob explica que as investigações sobre o esquema de cultivo "in-door" (em local fechado) de maconha em residências continuaram após o flagrante realizado na semana passada. A partir das novas informações surgidas no decorrer das investigações foi possível levantar o endereço onde outro plantio da erva era realizado na capital paraense. 

Uma informação fundamental foi o caderno encontrado pela equipe coordenada pela delegada Fernanda Maués de Souza, na operação realizada no último dia 24. No caderno haviam anotações em que estava citado o nome de Railson. O eletricista é apontado como a pessoa que montava as instalações das estufas usadas para manter os pés de maconha plantados em vasos na residência. As estufas contavam com lâmpadas fluorescentes de alta qualidade que simulavam a iluminação natural do sol. Por ser processada em laboratório para ter o princípio ativo THC (Tetra-hidrocanabinol) potencializado, esse tipo de maconha tem um alto valor de venda. Cada quilo de "Skank" custa até R$ 8 mil. A maconha comum tem o quilo avaliado em R$ 200. 

Em depoimento, Railson alegou que é viciado em maconha desde os 18 anos e negou a prática do tráfico de drogas, alegando que cultivava a erva para consumo próprio. Ainda, segundo ele, o estudante o ajudava no cultivo da erva e não fazia venda da maconha. Para o delegado, as instalações montadas dentro da casa indicam que o local era usado para produção em série de maconha, o que caracteriza o crime de tráfico de drogas.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM ACUSADOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES EM TOMÉ-AÇU

MIZAEL
As Polícias Civil e Militar prenderam em flagrante, nesta quarta-feira, 30, em duas ações de combate à violência contra a mulher, no município de Tomé-Açu, nordeste paraense, Mizael de Souza Portal e Maciel Nunes. O primeiro tentou matar a atual companheira com um facão do tipo terçado. A vítima conseguiu fugir de casa e pediu ajuda na Delegacia.

O segundo homem foi preso após agredir a companheira na casa em que os dois viviam, na sede da cidade. Durante a prisão de Maciel, a equipe de policiais civis comandada pelo delegado Alexandre Lopes apreendeu drogas no imóvel e, assim, o suspeito também vai responder por tráfico de entorpecentes. 

Conforme o delegado, a prisão de Mizael Portal ocorreu logo após a vítima chegar ensanguentada na Delegacia pedindo socorro. Ela informou aos policiais civis que havia sido atacada pelo companheiro a golpes de terçado, inclusive, na cabeça.

A equipe policial prestou socorro à vítima, levando-a até o hospital municipal, onde a mulher levou pontos cirúrgicos no couro cabeludo devido a um ferimento de terçado, e foram constatados hematomas pelo corpo por causa de socos e chutes. Os policiais civis foram em busca e conseguiram prender o acusado.

MACIEL
Mizael foi autuado em flagrante por tentativa de feminicídio. Ele foi apresentado em audiência de custódia no Fórum de Tomé-Açu, onde o juiz de plantão decretou a prisão preventiva do acusado e determinou a imediata transferência do preso ao presídio regional. 

OUTRO PRESO No caso da prisão de Maciel Nunes, a equipe da Delegacia de Tomé-Açu em conjunto com uma guarnição da PM prendeu o acusado logo após receber informação de que ele havia agredido a companheira na casa em que morava com a vítima. 

Pelo fato de o acusado ser conhecido por envolvimento com o tráfico de drogas, os policiais fizeram uma revista na casa e encontraram no local 11 pedras de "óxi" de cocaína. 

Após o preso ser apresentado na Delegacia, o delegado Alexandre Lopes fez uma pesquisa no sistema de informações criminais e descobriu que havia um mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça de Nova Mutum, no Estado do Mato Grosso, contra o acusado por crime de latrocínio - roubo seguido de morte. 

Após ser autuado em flagrante por lesão corporal decorrente de violência doméstica e tráfico de drogas, o preso foi apresentado ao juiz para audiência de custódia, na qual teve a prisão preventiva decretada e depois foi transferido ao presídio regional em Tomé-Açu.