terça-feira, 26 de novembro de 2013

ARTIGO: "SER POLÍCIA É..." POR EDNALDO ARAÚJO *

Ser Polícia é ser uma exceção, um ser singular, um indivíduo que vive em um Universo à parte. Ser Polícia é exercer um sacerdócio, uma função quase mitológica, cercada de lendas e contos o tempo inteiro. Ser Polícia é ser observado de forma diferente por absolutamente TODOS que o cercam. Ser Polícia é ser citado como exemplo positivo e negativo em uma única situação, por pessoas de boa ou má reputação. Ser Polícia é viver numa linha tênue, que separa a paz do caos, percebendo-se já incapaz, de viver longe do caos. Ser Polícia é ser cobrado ao extremo... Por uma parcela que espera uma atitude, ao mesmo tempo em que a parcela restante espera a atitude oposta. 


Ser Polícia é esquecer-se de si mesmo, quando a necessidade de agir impera, é sentir-se à vontade sob o mais absoluto fogo, com a ausência de medo que apenas as situações extremas podem trazer. Ser Polícia é dormir sem dormir, fechar os olhos de olhos abertos, e nunca mais na vida adormecer à noite para acordar pela manhã. Ser Polícia é olhar-se no espelho e perceber-se como um Don Quixote de La Mancha, a encarar moinhos de vento, com um ou alguns Sanchos Pança acreditando na cruzada. Ser Policia é caminhar ao lado da morte, como se fosse algo comum e de uma normalidade extrema. Ser Policia é ser execrado pela sociedade, quando não atendemos seus anseios 

PARTICULARES, quando prendemos os seus filhos, ou quando criamos opiniões humanistas sobre os bandidos de origem miserável que combatemos. Ser Policia é ser exposto ao mundo é ter sua vida devassada, é ser tratado de forma generalizada, por conta de maus profissionais, mesmo sabendo que em qualquer profissão esses maus profissionais existem. Ser Policia é antes de tudo, acreditar na imortalidade. Não a imortalidade carnal, mas aquela que apenas a certeza de ser alguém diferente da maioria é capaz de trazer o coração. Ser Polícia é amar a Polícia, mesmo que às vezes, seja impossível não odiar a Polícia. Ser Polícia é ser uma luz, uma esperança para muitos, que simplesmente já não têm grandes esperanças.

* O autor do texto é investigador na Polícia Civil do Pará

Nenhum comentário: