sábado, 24 de janeiro de 2015

POLICIAIS MILITARES FEMININAS DOAM CABELOS PARA VÍTIMAS DE ESCALPELAMENTO

As soldados da Polícia Militar do Pará, Darilene Monteiro e Ariane do Socorro, ambas alunas do II Curso de Operações Fluviais da Polícia Militar, tomaram uma decisão surpreendente. As policiais, ao perceberem que seus cabelos poderiam atrapalhar na adaptação ao curso, tanto na parte técnica quanto na tática, pois têm cabelos grandes, resolveram cortá-los e como não gostariam de os vender, resolveram fazer uma boa ação e doá-los a quem precisa. Por sugestão de alguns amigos, em um primeiro momento, as militares pensaram em doá-los para mulheres que perderam seus cabelos em razão de tratamento contra o câncer, mas perceberam que após essa fase, os cabelos poderiam crescer novamente. 


Em uma conversa com o marido da soldado Darilene, este lembrou dos projetos que ajudavam mulheres ribeirinhas que tinham sofrido escalpelamento, acidente comum na região amazônica, cortada por rios e cursos d’água diversos, quando a falta de proteção do eixo dos motores das embarcações acaba por permitir que cabelos grandes e soltos sejam presos no motor dos barcos e assim acabem arrancando com muita violência não somente os cabelos mas até parte do couro cabeludo de muitas mulheres, causando traumas psicológicos, baixa autoestima além do dano físico, muitas vezes irreversível e até mesmo causando a morte. 

Com essa ideia e a vontade de fazer o bem, as militares decidiram então saber mais sobre o atendimento às vítimas de escalpelamento e assim conheceram o projeto "Espaço Acolher", que integra o Programa de Atenção Integral à Vítimas de Escalpelamento (Paives), da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Na sede do programa, as soldados se depararam com mulheres que tinham perdido seus cabelos em acidentes nos rios e que ainda estavam em fase de cicatrização de seus ferimentos; ainda abaladas psicologicamente e sofrendo com a aversão à própria imagem. De forma solidária, as militares decidiram ir a um salão de beleza e cortar seus longos cabelos, entregando-os para a doação. 

Segundo a soldado Darilene, que ficou emocionada em fazer essa boa ação, a sensação era de sentir “amenizando a dor daquelas mulheres"; sentimento que também tomou conta da soldado Socorro que afirmou “sentir-se mais leve e com mais força para suportar a carga do curso”. “Foi mais um incentivo para nós, pois teremos menos uma preocupação além de abrirmos mão de certas vaidades para ajudar quem precisa, fazendo o bem ao mesmo tempo, além de nos aproximarmos da realidade das mulheres ribeirinhas com quem iremos trabalhar." O escalpelamento ainda é um grande desafio nos rios e cursos d’água paraenses. 

Em razão disto, a Capitania dos Portos, da Marinha do Brasil, faz a doação da proteção do eixo do motor para as embarcações; porém, como lembrou as soldados, nem todos os ribeirinhos tem esse conhecimento e às vezes, é muito longe para eles virem buscar essa ajuda”. Em 2014, 18 casos de escapelamento chegaram aos cuidados do Espaço Acolher, por isso, o ato das militares é um grande incentivo a quem sofreu este tipo de trauma, para erguer-se e ir em frente, testemunhando o quanto é importante fazer o bem.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

POLÍCIA CIVIL DE URUARÁ PRENDE FORAGIDO DE GOIÁS ACUSADO DE ROUBO E FURTO

Será transferido, nos próximos dias, para o Estado de Goiás, Gecimar Chaves da Silva, 37 anos, que foi preso, no início do mês, no distrito de Alvorada, zona rural de Uruará, sudoeste paraense. A prisão dele foi efetuada pelos investigadores Sílvio Alex e Célio Salvador, sob o comando do delegado Walison Damasceno, da Delegacia de Uruará. Denúncias levaram os policiais civis até o paradeiro de Gecimar acusado de estar ameaçando de morte a população do local com uma arma de fogo. 

PRESO
No momento da prisão, a arma não foi encontrada com o preso. Na Delegacia, o delegado Walison Damasceno constatou que Gecimar é foragido da Justiça de Goiás, ao checar o nome dele no sistema de informações criminais. "Ele tem dois mandados de prisão expedidos pela Justiça Goiana, por roubo e furto", detalha o delegado. 

Gecimar permanece recolhido na carceragem da Delegacia de Uruará. A transferência será realizada por uma equipe do Sistema de Escolta da Polícia Civil de Goiás, onde o preso deverá responder pelas acusações.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA PRESIDE PRIMEIRA REUNIÃO DO PLANO DE REDUÇÃO DE CRIMINALIDADE EM 2015

O secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Jeannot Jansen, presidiu, nesta quinta-feira, 22, a primeira reunião do Plano de Redução da Criminalidade (PREC) no ano de 2015, no auditório da Delegacia-Geral da Polícia Civil. O evento, que contou com as presenças dos delegados da Polícia Civil titulares e dos comandantes da Polícia Militar nas Regiões Integradas de Segurança Pública (RISPs) no Pará, foi presidido ainda pelo delegado-geral, Rilmar Firmino, e pelo comandante-geral da PM, coronel Roberto Campos. Ao final da reunião, foi assinado o Acordo de Resultados para o primeiro semestre deste ano. 

SECRETÁRIO PRESIDE REUNIÃO
O tenente coronel bombeiro, Luiz Fernando Cajango, titular do Núcleo de Gestão por Resultados (NGR), da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, explica que o PREC funciona por ciclos semestrais e conta com três indicadores de criminalidade. Durante a reunião, foi definida a alteração em um dos indicadores de ações do PREC. No caso do crime de roubo qualificado, detalha Cajango, o indicador foi alterado para Crimes Contra o Patrimônio, que, para possibilitar uma análise mais qualitativa, passará a ser avaliado em cinco vertentes: roubo a transeunte, roubo a coletivo, roubo a residência/estabelecimento comercial, roubo de veículos e roubos em embarcações. Os outros dois indicadores são o homicídio doloso e latrocínio. Ainda, durante a reunião, foi feita a avaliação dos índices de criminalidade no segundo semestre do ano passado em cada uma das RISPs. 

Reunião
REUNIÃO
O PREC abrange as Regiões Integradas de Segurança Pública, as RISPs, e suas Áreas Integradas de Segurança Pública, as AISPs. Implantado em 2013, o programa criou as coordenadorias colegiadas das RISPs e AISPs, formadas por representantes das Polícias para atuar sobre metas de redução de crimes. As metas são previamente fixadas e estabelecidas para cada Área Integrada de Segurança Pública (AISP). O PREC possibilita uma maior integração entre as Policiais Civil e Militar, pois as metas de redução de crimes são compartilhadas entre as forças policiais de Segurança Pública. Todos os resultados passam por avaliações para se verificar em quais regiões do Estado as metas foram ou não atingidas.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR CAPTURAM AUTOR DE TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM CAPANEMA

As Polícias Civil e Militar de Capanema, no nordeste do Pará, prenderam em flagrante, Fábio Caio Silva do Carmo, de 28 anos, de apelido "Fabinho", por crime de tentativa de homicídio por motivo fútil. A vítima foi Gilberto Jonas Pereira de Oliveira. O crime foi motivado por um desacerto entre os dois por causa de uma bicicleta. A prisão foi comandada pela delegada Ariane Magno Gomes, escrivães Danielle Silva e Andrey Monteiro, e investigadores Danilo Moura e Alan Alencar, juntamente com a Polícia Militar do município. 

PRESO
Conforme a delegada, "Fabinho" teve uma discussão com a vítima, dois dias antes do crime, por causa de uma bicicleta. As investigações mostram que o acusado, por causa do desentendimento ocorrido na noite do último dia 20, desferiu três disparos de revólver à queima-roupa no rosto e costas de Gilberto. A vítima ainda está hospitalizada sob estado de observação médica. 

Denúncias anônimas indicaram o local onde o acusado estava escondido e assim as equipes policiais o capturaram, no bairro Aparecida. O acusado já tem passagens pela Polícia pelos crimes de tentativa de homicídio, tráfico de drogas, corrupção passiva e consumo de entorpecentes, no município de Marituba, na Região Metropolitana de Belém.

POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADO DE PRISÃO DE ENVOLVIDOS EM TRÁFICO DE DROGAS E ROUBO EM ABAETETUBA

A Polícia Civil prendeu, em cumprimento a mandados de prisão preventiva, em Abaetetuba, nordeste paraense, José Nazareno Ribeiro da Silva, acusado de tráfico de drogas, e Maick Marques da Silva, por envolvimento em roubo à mão armada. As prisões foram efetuadas por policiais civis da Superintendência da Região do Baixo Tocantins e do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI) da região, sob coordenação do delegado Augusto Potiguar. 

Maick e José Nazareno: Presos
MAICK E JOSÉ NAZARENO
Segundo o policial civil, a prisão de José Nazareno resultou de investigações que ensejaram na decretação da ordem judicial pela 3ª Vara Criminal da Justiça Federal de Belém. A equipe policial formada pelos investigadores Nonato, Mendes, Loureiro e Azevedo, com apoio do NAI de Abaetetuba deram cumprimento à ordem de prisão. 

Já o segundo mandado de prisão foi expedido pela Vara Criminal de Abaetetuba. Maick Marques da Silva é apontado por envolvimento na prática de roubo majorado - com uso de arma de fogo - no município. Tanto ele quanto José Nazareno estão recolhidos à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL RECEBE O NOVO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO PARÁ

A Polícia Civil recebeu pela primeira vez a visita do novo secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Jeannot Jansen, nesta quarta-feira, 21, na sede da Delegacia-Geral. Acompanhado do delegado-geral, Rilmar Firmino, da delegada-geral adjunta, Christiane Ferreira, e demais membros da Diretoria e Assessoria, o secretário participou de reunião de trabalho na qual lhe foi apresentada a atual estrutura da Polícia Civil, como quadro de pessoal, viaturas, previsão de concurso público, atendimentos prestados, entre outros. 

Secretário conversa com policiais civis
SECRETÁRIO CONVERSA COM SERVIDORES PÚBLICOS
O encontro foi realizado na sala de reuniões do Conselho Superior de Polícia Civil. Em um segundo momento, Jeannot Jansen reuniu-se com diretores de Seccionais, Divisões e Delegacias da região metropolitana de Belém, no auditório da Delegacia-Geral.

POLÍCIA CIVIL PRENDE DOIS ACUSADOS DOS CRIMES DE FURTO E LATROCÍNIO NO NORDESTE PARAENSE

A Polícia Civil prendeu duas pessoas, ontem, acusadas de envolvimento nos crimes de latrocínio - roubo seguido de morte - e furto, na região nordeste do Pará. Em um dos casos, o autor do crime é Francisco de Souza Martins, acusado de participar de um latrocínio no último dia 19, na cidade de Bujaru. No outro caso, foi presa, por policiais civis, da Superintendência da Região, Cleydiany dos Santos Reis, por furto com abuso de confiança. 

Cleydiany e  Francisco: Presos
PRESA POR FURTO E ACUSADO DE LATROCÍNIO
Francisco Martins está com mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça em decorrência do crime. Outros dois acusados de envolvimento no mesmo latrocínio, Carlos Cleber da Silva e Ovivaldo de Souza Marinho, já estão presos. Os três acusados já estão recolhidos à disposição da justiça. A prisão dele foi cumprida pela equipe de policiais civis de Bujaru, sob coordenação da Superintendência da Região Integrada de Segurança Pública do Guamá. 

Já Cleydiany trabalhava como doméstica em uma residência, no bairro Ianetama, e aproveitou para furtar bens de valor do imóvel. Ao ser presa, com a acusada foram recuperados diversos objetos furtados da casa, como joias, roupas e brinquedos. Segundo os proprietários da casa, os objetos ultrapassam o valor de 100 mil reais. A acusada está recolhida à disposição da justiça.

POLÍCIA CIVIL APREENDE 12 QUILOS DE MACONHA, TIPO LIMÃOZINHO, EM ANANINDEUA

A Polícia Civil apreendeu nesta quinta-feira (22), 12 quilos de maconha, do tipo limãozinho, durante operação da Delegacia de Repressão a Entorpecentes, em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém. Cinco pessoas que estavam com a droga foram presas em flagrante e apresentadas na sede da unidade policial, onde foram autuadas em flagrante por tráfico de entorpecentes, pelo delegado Hennison Jacob, titular da DRE. 

DROGA APREENDIDA



Denúncia levou a equipe policial a efetuar o flagrante. Conforme o delegado, a droga veio de Goiânia, capital de Goiás, e seria distribuída em pontos de venda de entorpecentes, na Região Metropolitana. O entorpecente estava em uma casa, na travessa WE 66, no bairro da Cidade Nova 6. No local, foram presos em flagrante Gisela Sousa de Queiroz, 42; Rafael Henrique Queiroz, 23; Alan Kardec Carvalho de Marcado, 20; Sheila Monique Pinheiro de Oliveira, 21, e Felipe André da Silva Lopes, 23. Foi a primeira grande apreensão de drogas do ano. Os presos foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e estão recolhidos à disposição da Justiça.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

ARTIGO DO DIA: "PAREDÕES NO BRASIL PARA O TRÁFICO DE DROGAS" POR ARMANDO MOURÃO*

No quanto seria benéfico para o Brasil importar a legislação penal dos países asiáticos e adaptá-la à realidade do crime em nosso país? Seria uma benção! Teríamos a ferramenta certa e ideal para combater com eficiência e eficácia a mola mestra do crime: o tráfico de drogas. Essa maldição que se estabeleceu entre nós, destruindo impérios familiares, sedimentando a dor e o luto. Não há que se falar em piedade, e, nossa presidenta disparou um tiro no próprio pé ao implorar clemência ante o fuzilamento, esquecendo que ali efetivamente está estabelecida uma legislação efetiva, de verdade, não de fachada.

Não se importou com os horrores vividos pelas nações asiáticas, destruídas pela guerra do ópio imposta pela nação americana, conforme adiante se demonstra: a Indonésia tem as penas mais duras para tráfico de drogas do mundo e não é à toa. É efeito das guerras do ópio e aí é que entram os britânicos na história do brasileiro fuzilado. As guerras do ópio, ambas no século XIX, são talvez o capítulo mais vergonhoso do imperialismo britânico. 


A Inglaterra importava três produtos chineses em grande quantidade: seda, chá e porcelana. Os ingleses tinham um brutal déficit comercial com a China. Foi quando entrou em cena o ópio. A Inglaterra, berço da civilização, começou a contrabandear para a China o ópio que produzia na Índia. Foi um horror para a sociedade chinesa. São célebres as imagens de casas de ópio na China em que as pessoas se consumiam num estado de letargia e alienação. Num certo momento, o governo chinês impôs leis duras para o contrabando de ópio. 

Antes, o imperador mandou uma carta à Rainha Vitória na qual ponderava que era injusto o que a Inglaterra fazia. Da China, recebia porcelana, chá e seda. Em troca, cobria os chineses de ópio, proibido na Inglaterra. Diante das dificuldades que surgiram para o contrabando, a Inglaterra decidiu fazer uma guerra, em meados dos anos 1.800. O pretexto era que a China estava ferindo os princípios do livre comércio. A China não teve como enfrentar as forças inglesas adestradas nas guerras napoleônicas. E o ópio foi imposto. 

CHARGE: GUERRA AO ÓPIO
Veio a segunda guerra do ópio, na qual a Inglaterra praticamente destruiu a China. Tomou territórios como Hong Kong e, suprema bofetada, colocou no comando da alfândega chinesa um inglês. É simplesmente extraordinário que a China, mesmo devastada, tenha conseguido se reconstruir e ser o que é hoje. Perpetuou-se, assim, a vergonha. Países ao redor da China, como a Indonésia, foram duramente afetados pelas guerras do ópio. A Indonésia, no Sudeste Asiático, era um dos portos de passagem para os navios ingleses abarrotados de ópio. Como efeito colateral disso, a população nativa sofreu pesadamente os efeitos da droga. Os indonésios passaram a consumir ópio copiosamente. 

As guerras passaram, mas o trauma ficou. Na China, o tráfico de drogas é reprimido com penas severas. Na Indonésia, elas são ainda mais duras. É dentro desse quadro que o brasileiro apanhado com cocaína foi fuzilado. Ele não poderia ter escolhido um lugar pior para contrabandear sua cocaína. Nas raízes das balas que o abateram está o terror que o império britânico promoveu na Ásia no século XIX. 

Importamos da mesma Ásia, o petróleo, os produtos eletrônicos, os carros, os motores e as peças, as máquinas para indústria, os medicamentos, entre tantos outros. Por que não importar tão eficiente legislação penal direcionada ao tráfico de drogas? Haja paredões e muita bala! Certamente seríamos um país menos violento, já que tudo decorre do maldito tráfico de drogas. Vamos mudar nossa legislação penal! A segurança pública carece dessa força legal, a fim de não se estabelecer definitivamente a cultura do prende e solta.

*ARMANDO MOURÃO É DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL DO PARÁ E DIRETOR DA SECCIONAL URBANA DE POLÍCIA EM ANANINDEUA (PA)

POLÍCIA CIVIL COMUNICA ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROMOÇÃO À ÚLTIMA CLASSE

A Academia da Polícia Civil (Acadepol) informa que já estão abertas as inscrições para o Curso de Aperfeiçoamento obrigatório para promoção à última classe para escrivão, investigador, papiloscopista, auxiliar técnico de Polícia Civil e perito policial. Para ver a ficha de inscrição: CLIQUE AQUI 

As aulas serão realizadas de janeiro a setembro deste ano, por meio dos ciclos 33 e 34, da Rede Nacional de Educação à Distância (EAD), da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, com carga horária de 240 horas/aulas, obedecendo o calendário a seguir:



OPERAÇÃO POLICIAL LEVA À PRISÃO DOIS ENVOLVIDOS EM TRÁFICO DE DROGAS EM JURUTI

As Polícias Civil e Militar deram prosseguimento à Operação “Juruti Sem Drogas”, que visa reprimir o tráfico de entorpecentes no município, situado no Baixo Amazonas. Duas pessoas acusadas de envolvimento no esquema criminosa foram presas em flagrante, nas últimas horas, na cidade, durante a ação policial. Luiz Rodrigo Gomes, 35 anos, conhecido como Nelson, e Rende de Sousa, 21, de apelido Russo, foram flagrados em dois pontos diferentes. 


Sob comando do delegado Arthur Nobre, titular da Delegacia de Juruti, a operação policial conta com levantamentos efetuados pela equipe de investigação da região para identificar pontos de venda de drogas ilegais. Durante as investigações, foi identificada a atuação dos acusados. Um deles, Luiz Rodrigo Gomes, é cabeleireiro e utilizava o salão de beleza de sua propriedade para traficar drogas de forma camuflada na tentativa de não despertar suspeitas da Polícia. 


Conforme o delegado, com base nas investigações, os policiais civis e militares ficaram em campana perto dos locais usados como pontos de venda de drogas pelos acusados. “Tínhamos informações de que eles estavam recebendo drogas nos locais”, detalha o delegado. Com os presos, foram apreendidos drogas, celulares e dinheiro. Os presos permanecem recolhidos à disposição da Justiça.

PRESO POR ESTUPRAR MENINA DE SETE ANOS NA ZONA RURAL DE MARAPANIM

A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira, 21, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, Robenilson Lima Furtado, 20 anos, acusado de estuprar uma menina de sete anos, na localidade de Vila de Porto Alegre, zona rural de Marapanim, nordeste do Pará. Ele foi preso durante ação policial da equipe da Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) do Distrito de Marudá, sob comando da delegada Ana Paula Chaves. 


Robenilson é acusado de ter abusado sexualmente de outra criança na localidade. De acordo com a delegada, o cumprimento do mandado de prisão contou com apoio dos policiais civis – escrivã Monica Neves e investigador Elielton Alves. 

A expedição da ordem de prisão foi resultado de investigações que chegaram à constatação dos crimes cometidos por Robenilson. Diante das provas, foi solicitada à Justiça a prisão preventiva do acusado, que foi preso na Vila Porto Alegre. Indiciado por crime de estupro de vulnerável, ele agora está recolhido à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA TAXISTA QUE USAVA O PRÓPRIO TÁXI PARA TRAFICAR DROGAS EM BELÉM

A equipe da Seccional Urbana do Comércio prendeu em flagrante, na noite desta terça-feira, 20, o taxista João Carlos Gomes Santos. Ele era investigado pelos policiais civis comandados pela delegada Socorro Bezerra, titular da Seccional, por envolvimento em um esquema de venda de drogas ilegais, apelidado de “Disque Drogas”, no qual usava o próprio táxi para fazer a entrega dos entorpecentes. 


A ação policial, denominada de “Operação Delivery 33”, em referência ao sistema de entregas de produtos em domicílio e ao número do artigo do crime de tráfico de drogas, foi deslanchada na Avenida Visconde de Souza Franco, bairro do Reduto, centro de Belém, onde o taxista atuava. Ele foi abordado, no interior do táxi Voyage branco, placa OBU 5956, pela equipe policial, na Avenida Almirante Wandenkolk, entre Ruas Boaventura da Silva e Domingos Marreiros. Ao ser preso, o acusado transportava 10 petecas de tamanho grande de pó de cocaína. 

Após ser conduzido à sede da Seccional Urbana do Comércio, João Carlos admitiu o crime, sob alegação de que vendia cada peteca pela quantia de R$ 50. A droga apreendida foi encaminhada para exame pericial no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, que constatou que a substância apreendida era de fato cocaína. Assim, o condutor de táxi foi autuado em flagrante por tráfico de entorpecentes e está recolhido à disposição da Justiça.

POLÍCIA CIVIL FLAGRA AUTOR DE ARROMBAMENTO DE RESIDÊNCIA EM CASTANHAL

Policiais civis de Castanhal, nordeste paraense, prenderam Alan Cosme Nogueira acusado de furto em uma residência, no bairro do Centro. Ele foi flagrado após um morador da vizinhança perceber a ação do preso, que havia arrombado uma casa e estava saqueando objetos de valor. 


A equipe policial de plantão na Superintendência Regional da Polícia Civil seguiu até o endereço e ali deteve o acusado. De acordo com o delegado Luís Xavier, titular da Superintendência, o preso já respondia a outros 14 processos criminais na Justiça por crime de furto em residência e em estabelecimentos comerciais.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADO DE PRISÃO DE ACUSADO DE VIOLENTAR TRÊS MULHERES EM ABAETETUBA

Policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Abaetetuba, nordeste paraense, cumpriram mandado de prisão preventiva de Jeová Jaques Nogueira, acusado de estupro de vulnerável e estupro qualificado. As vítimas são três mulheres da mesma família. Ele foi preso pela equipe policial formada pelos investigadores Marialvo Fonseca, Antônio Nonato e Miguel Ribeiro, e escrivão Renato Silveira, sob comando da delegada Daniela Borges Vasconcelos. 

PRESO
Conforme a delegada, o acusado teve ordem de prisão expedida pela Vara Criminal de Abaetetuba, em decorrência de inquérito policial instaurado na DEAM para apurar os crimes. A policial civil informa que, no andamento das investigações, foram apresentadas provas nos autos do inquérito quanto à autoria dos crimes por parte do acusado. 

Diante disso, a delegada representou pela custódia preventiva de Jeová. A delegada ressalta que os autos do inquérito policial serão devidamente encaminhados no prazo legal à Justiça criminal. "Caso surgirem novas denúncias, que evidenciarem a existência de outras vítimas, todas serão imediatamente apuradas", salienta. O acusado já está recolhido à disposição da justiça.

DELEGADA LIANE MARTINS ASSUME A CORREGEDORIA-GERAL DA POLÍCIA CIVIL DO PARÁ

A Polícia Civil realizou, nesta terça-feira, 20, a transmissão da direção da Corregedoria-Geral, em solenidade no auditório da Delegacia-Geral. A delegada Liane Maria Lima Martins passa a exercer o cargo de corregedora-geral da corporação em substituição à delegada Nilma Maria Nascimento Lima. O evento foi presidido pelo delegado-geral, Rilmar Firmino, na mesa oficial, juntamente com a delegada-geral adjunta, Christiane Ferreira; a ex-corregedora geral da Polícia Civil, Elizabete Santa Rosa, e o corregedor-geral da Polícia Militar, coronel Vicente Braga. Estiveram presentes diversos servidores públicos da Polícia Civil, entre policiais civis e administrativos. O evento foi marcado ainda por um balanço de quatro anos de gestão à frente da Corregedoria-Geral feito pela delegada Nilma Lima. 

SOLENIDADE
Ao assumir a Corregedoria-Geral, em janeiro de 2011, a ex-corregedora-geral lembra que pautou seu trabalho no órgão correicional pela busca à paz social. Dentro desse ideal, salientou a delegada, citou projetos apresentados e aprovados pelo Conselho Superior da Polícia Civil (CONSUP). Um deles foi o projeto de criação das Comissões Provisórias de Execuções de Diligências, cuja meta foi resgatar autos de inquéritos policiais em tramitação nas unidades policiais. Por conta dos resultados desse projeto, a Polícia Civil, na pessoa do então delegado-geral Nilton Atayde, recebeu monção de elogio por parte da Assembleia Legislativa do Pará (ALEPA). 

Outra realização foi a instalação da Comissão de Tecnologia da Informação da Polícia Civil, que contou com o trabalho de parceria com a Diretoria de Informática, Manutenção e Estatística (DIME). A delegada citou ainda outras conquistas que marcaram os últimos quatro anos de trabalho na Corregedoria. Entre elas, o alcance de 80% de resolutividade dos inquéritos de homicídios dolosos inseridos dentro da meta 2, da Estratégia Nacional de Segurança Pública (ENASP), com objetivo de colocar em dias inquéritos policiais de homicídios dolosos em tramitação entre as Polícias Civis e os Ministérios Públicos dos Estados brasileiros, entre janeiro de 2000 e 31 de dezembro de 2007. 


Em junho de 2012, a Polícia Civil foi reconhecida nacionalmente pelo trabalho desenvolvido no Estado, o que deixou o Pará na liderança do ranking nacional de movimentações de inquéritos dentro da meta 2, da ENASP, em dados absolutos. Outra conquista foi a implantação do Comitê Integrados de Corregedores do Sistema de Segurança Pública do Pará, o segundo colegiado desse nível criado no Brasil. Nele estão presentes os corregedores dos órgãos da Segurança Pública, Ouvidoria do Sistema de Segurança Pública e de órgãos parceiros, como a Secretaria de Estado da Fazenda (SEFA) e a Guarda Municipal de Belém. Também foram criados o Grupo de Elaboração de Procedimentos Eletrônicos instituído a partir da escolha, pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, da Corregedoria-Geral da Polícia Civil do Pará, na região Norte, para normatizar os documentos. 

DESCERRAMENTO DA FAIXA COM FOTO DA DELEGADA NILMA
A delegada Nilma Lima mencionou ainda a criação dos projetos “Educar Para Prevenir”, sob coordenação da Coordenadoria Metropolitana, e “Corregedoria Itinerante”, da Coordenadoria do Interior, da Corregedoria-Geral. Ambos os projetos visam atuar de forma preventiva para orientar a sociedade e os próprios servidores da corporação. A realização de cursos de capacitação para servidores públicos da Corregedoria-Geral promovidos nos quatro anos foi outra conquista. Entre eles, a delegada Nilma destacou o Seminário Anual de Atualização Jurídica e Segurança Corporativa feito com apoio da Academia da Polícia Civil. A atuação integrada com o Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (PROVITA) e com o Grupo de Acompanhamento da Letalidade e Mortalidade do Conselho Superior de Segurança Pública (CONSEP) foram outros destaques do órgão correicional da Polícia Civil. 

Por fim e não menos importante, a ex-corregedora salientou a atuação da Corregedoria na Comissão Estadual da Verdade e Memória, representando a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social. A Comissão foi criada no Pará para colaborar com a Comissão Nacional da Verdade, visando examinar e esclarecer violações de Direitos Humanos ocorridas entre 1946 e 1988. Para a delegada Liane Martins, sua atuação à frente da Corregedoria-Geral da Polícia Civil será pautada no desenvolvimento de ações que visem, sobretudo, prevenir para não punir, com objetivo de aperfeiçoar as atividades de Polícia Judiciária, para promover a eficiência da instituição policial, além de dar continuidade aos projetos e ações implantados na gestão anterior. O delegado-geral Rilmar Firmino agradeceu a toda a equipe da Corregedoria-Geral pelo trabalho desenvolvido nos últimos quatro anos. A solenidade encerrou com descerramento da faixa com a foto da delegada Nilma Lima na galeria de ex-corregedores-gerais da Polícia Civil.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

CONHEÇA MAIS SOBRE A NOVA DIRETORA DA ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DO PARÁ

A delegada Marlise Modesto Tourão, que assumiu, nesta segunda-feira, 19, a direção da Academia da Polícia Civil do Pará, é graduada em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e pela Universidade de Taubaté, em São Paulo; e pós-graduada em Direito Penal e Processo Penal pela Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. Ingressou na Polícia Civil, em 1985, via concurso público. É formada nos cursos de Escola Superior de Guerra (ESG); Técnica de Ensino Policial pela Universidade do Estado do Pará (UEPA); Criminologia pela Consulex da Universidade de Paris, na França, e pela Prefeitura de Miami, nos Estados Unidos; Curso de Magistratura pela Escola Superior da Magistratura do Estado do Pará, e Curso Superior de Polícia (CSP) pelo Instituto de Ensino de Segurança do Pará. 

DELEGADA MARLISE TOURÃO
Em 29 anos de carreira policial, a delegada foi a responsável em fundar as primeiras Delegacias da Mulher do Estado do Pará, nas cidades de Belém, Santarém e Marabá, entre os anos de 1986 e 1992. Foi a primeira diretora da Delegacia da Mulher de Belém. Foi a primeira mulher a assumir a direção de uma Superintendência Regional da Polícia Civil no interior do Pará, a do Baixo e Médio Amazonas, sediada em Santarém, responsável por 15 municípios no oeste do Estado, entre 1993 e 1994. A delegada atuou como representante da Academia da Polícia Civil em Santarém, onde coordenou o primeiro concurso público na região, formando 80 policiais civis, em 1994. Na capital, trabalhou na antiga Delegacia do Telégrafo e nas Seccionais da Pedreira e Marambaia. Atualmente, é membro do Conselho Superior da Polícia Civil do Pará (CONSUP). 

Fora da Polícia Civil, foi consultora jurídica de Tributos da Prefeitura Municipal de Santarém, de 1994 a 1997. Atuou ainda no cargo de coordenadora do Núcleo Regional de Justiça de Santarém, representando a então Secretaria de Justiça naquele município, onde instalou os projetos Cidadania, Quilombola, Teste de DNA Gratuito, dentre outros. Implantou a 1ª Unidade Regional de Trânsito do DETRAN Pará, sediada em Santarém, onde foi diretora de 2004 a 2006. Foi também coordenadora do complexo penitenciário "Sílvio Hall de Moura", em Santarém, e diretora jurídica da Associação dos Delegados de Polícia Civil do Pará (ADEPOL).

DELEGADA MARLISE TOURÃO ASSUME A DIREÇÃO DA ACADEMIA DA POLÍCIA CIVIL DO PARÁ (ACADEPOL)

A Polícia Civil realizou, nesta segunda-feira, 19, no auditório do Instituto de Ensino Superior do Pará (IESP), em Marituba, na Grande Belém, a solenidade de transmissão da direção da Academia da Polícia Civil (Acadepol). A delegada Marlise Modesto Tourão passa a assumir a Acadepol, unidade responsável pela formação, qualificação e aperfeiçoamento dos policiais civis. Ela substitui a delegada Liane Maria Lima Martins que assumirá a direção da Corregedoria-Geral da Polícia Civil do Pará, nesta terça-feira, 20. O evento contou com as presenças do delegado-geral, Rilmar Firmino; da delegada-geral adjunta, Christiane Ferreira, e do diretor de Polícia Comunitária, coronel Emílio Ferreira, ex-diretor do IESP, além de diversos policiais civis e servidores públicos do Instituto. 

DELEGADA MARLISE E DELEGADO-GERAL
SOLENIDADE

O evento foi marcado ainda por uma prestação de contas de dois anos e quatro meses da delegada Liane Martins, à frente da Acadepol. Ela lembrou que, em setembro de 2012, quando entrou no cargo, a principal incumbência era dar seguimento ao concurso público, que estava em andamento e que foi concluído com a formatura de 396 policiais civis - 154 delegados, 133 investigadores, 90 escrivães e 19 papiloscopistas, o que possibilitou a lotação de novos policiais civis em todos os municípios do interior do Pará, inclusive, naqueles onde não havia a presença da Polícia Civil. O concurso proporcionou a lotação de delegados em cada um dos municípios paraenses, considerado um marco na história do Pará, pois foi a primeira vez que cada cidade do Estado passou a contar com um delegado. Quanto aos cursos de capacitação, a Acadepol capacitou, em mais de dois anos, 1.059 profissionais da área de Segurança Pública, a maioria deles (832) é policial civil e os demais 227 são policiais militares, bombeiros militares, peritos criminais e guardas municipais. 

PRESTAÇÃO DE CONTAS

DELEGADAS LIANE E MARLISE
No período, dezenas de cursos e seminários foram promovidos, visando a qualificação e capacitação dos profissionais da Segurança Pública. Entre eles foram formadas sete turmas, com um total de 172 capacitados, no Curso de Identificador para servidores públicos municipais que trabalham em Prefeituras conveniadas com a Polícia Civil para prestar o serviço de emissão de carteiras de identidade; 118 capacitados no Curso de Capacitação da DPA (Divisão de Polícia Administrativa) e Meio-Ambiente; 97 capacitados no Curso de SISP WEB para policiais militares; curso de Direito Digital; Curso de Manuseio e Habilitação para Uso de Pistola Taurus ponto40; Curso de Sistema SISP WEB 2.0; Curso de Formação de Instrutores de Armamento, com 11 formados; Curso de Treinamento Básico para Magistrados, entre outros. 

DESCERRAMENTO DE FAIXA NA GALERIA DE EX-DIRETORES
A delegada Marlise Tourão se disse lisonjeada com a escolha de seu nome para o cargo e, ao mesmo tempo, ciente da grande responsabilidade. "Queremos trabalhar por uma Polícia cada vez mais próxima do cidadão", salienta, ao ressaltar que o trabalho será feito em total consonância com as orientações do delegado-geral. Para Rilmar Firmino, a delegada irá assumir a Acadepol em um novo momento, em que o IESP passa ao status de Instituto de Ensino Superior e ainda para preparar o novo concurso público da Polícia Civil. "Até o final do primeiro semestre deverá ser realizada a prova para 650 vagas e até início do próximo ano deverá iniciar o curso de formação na Academia", detalha. Com cerimônia presidida pela capelã Fátima Andrade, o evento contou com a bênção do pastor Eduardo Nazareno, da Igreja do Evangelho Quadrangular e, por fim, o descerramento da faixa com a foto da delegada Liane Martins na galeria de ex-diretores da Acadepol.

domingo, 18 de janeiro de 2015

POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADO DE PRISÃO DE AGRESSOR DA EX-COMPANHEIRA EM BARCARENA

A Polícia Civil prendeu, neste sábado, 17, em cumprimento a mandado de prisão preventiva por violência doméstica contra a ex-companheira, o pedreiro João Paulo Amorim Ramalho, 25 anos. A prisão dele foi efetuada pela equipe policial formada pela delegada Emanuela Amorim, investigador Antonio Batista e escrivã Juliane Fontes, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), em Barcarena, nordeste paraense. 


João Paulo foi indiciado em inquérito policial instaurado pela delegada para apurar denúncia de agressão física do acusado contra a ex-companheira dele. A vítima foi agredida em via pública, em novembro do ano passado, porque o acusado não aceitava o fim do relacionamento. "Além de agredi-la, ele ainda fez ameaças de morte, sendo que, após saber que a vítima havia lhe denunciado, o acusado invadiu o local de trabalho da mulher e lhe agrediu novamente na frente dos demais funcionários e clientes da loja", explica a delegada. 

Logo após cometer as agressões, o acusado fugiu do município e acabou preso ao retornar à cidade. Agora, ele vai permanecer recolhido à disposição da Justiça.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM AUTOR DE HOMICÍDIOS, TENTATIVA DE HOMICÍDIO E OUTROS CRIMES EM SÃO JOÃO DE PIRABAS

As Polícias Civil e Militar de São João de Pirabas, nordeste paraense, prenderam em flagrante, neste sábado, 17, Manoel Nunes da Silva Neto, após ele atirar contra um desafeto, durante desentendimento por conta de dívida da venda de drogas, no bairro do Agreste. Por sorte, nenhum dos tiros atingiu a vítima, que fugiu do local e não foi encontrada. Durante a perseguição policial, o acusado tentou se esconder em um área de mangal. A arma do crime, uma pistola, não foi encontrada e possivelmente foi jogada no local. 


A prisão de Manoel Neto foi efetuada depois de denúncias anônimas que levaram os policiais a localizá-lo logo após o crime. Durante apuração do caso, a equipe policial verificou que Manoel Neto já responde a outros processos criminais. Ele é acusado da autoria de dois homicídios na cidade de Santo Antônio do Tauá, no Pará. 

De acordo com o delegado Fausto Bulcão, titular da Delegacia de São João de Pirabas, além dos dois homicídios cometidos em Santo Antônio do Tauá, Manoel responde processos criminais por uma tentativa de homicídio, um assalto, um estupro, por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Ele foi autuado em flagrante, na Delegacia de São João de Pirabas, por disparo de arma de fogo em via pública, cuja pena prevista é de 2 a 4 anos de reclusão. Ele já está recolhido no presídio Regional de Salinópolis à disposição da Justiça.